ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 23º

Jogo Aberto

Tereza Cristina responde a "pergunta que não quer calar"

Por Anahi Zurutuza, Caroline Maldonado e Adriel Mattos | 17/06/2022 06:00
Ministra Tereza Cristina durante entrevista em evento em MS. (Foto: Kísie Ainoã/Arquivo)
Ministra Tereza Cristina durante entrevista em evento em MS. (Foto: Kísie Ainoã/Arquivo)

Pergunta que não quer calar - Em Chapadão do Sul, ao participar de inaugurações e lançamento de obras, a deputada federal e ex-ministra da Agricultura, Tereza Cristina, foi questionada, em entrevista, sobre a preferência do presidente Jair Bolsonaro (PL) em relação aos pré-candidatos para o governo de Mato Grosso do Sul. Direto ao ponto, um radialista perguntou: "o candidato do Bolsonaro é Eduardo Riedel (PSDB) ou Renan Contar (PRTB )?". Tereza explicou que o presidente tem muitos apoiadores em MS e disse "lá atrás" que Riedel é um ótimo candidato.

Agenda adiada – Mesmo que o PL (Partido Liberal), sigla a qual pertence Bolsonaro, ainda não tenha confirmado que o presidente estará em terras sul-mato-grossenses no dia 20, como havia anunciado o deputado federal Loestes Trutis (PL-MS), a ministra garantiu que o chefe da nação fará visita ao Estado ainda durante a pré-campanha. Só não se sabe se na próxima segunda-feira. "Ele virá ao Estado. Acho que vocês têm que ouvir isso dele e tenho certeza que vão ouvir".

Não vai – O nome da deputada federal Tereza Cristina voltou a ser citado como candidata a vice na chapa à reeleição de Bolsonaro, mas aliados próximos do presidente duvidam que vão convencê-lo a trocar o ex-ministro da Defesa Walter Braga Netto por Tereza. Segundo o site O Bastidor, Bolsonaro insiste em Braga Netto como seu seguro contra impeachment num eventual segundo mandato.

Propaganda – Foi ao ar na quinta-feira (16) à noite a primeira inserção de Simone Tebet como presidenciável pelo MDB, candidatura que agora está formalmente apoiada pelo PSDB e Cidadania. No vídeo, ela faz referência à polarização política e também ao aumento dos preços dos alimentos. “Eu sei que você está decepcionado, a vida está difícil, mas o que está em jogo é o futuro dos nossos filhos”, diz ele no discurso.

Terceira via – Como candidata da chamada terceira via – nem Lula e nem Bolsonaro –, Simone afirma ainda que “é possível fazer diferente”. “O Brasil quer mudança e precisa de cuidado e amor verdadeiros, comida mais barata, saúde, educação e mais oportunidades”.

Missão – O senador Nelsinho Trad (PSD-MS), presidente do Parlamaz (Parlamento Amazônico), foi escolhido para integrar a comissão externa do Senado Federal que vai investigar os desaparecimentos e mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, na região do Vale do Javari, no oeste da Amazônia. A criação do grupo foi aprovada em Plenário nesta semana.

Foi e já voltou – A secretária municipal de Educação de Campo Grande, Alelis de Oliveira Gomes, esteve em Brasília (DF) na semana passada para participar de um evento do Pecim (Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares), organizado pelo Ministério da Educação. A dispensa do ponto da secretária e de outros dois servidores que a acompanharam só foi publicada em edição extra do Diário Oficial na terça-feira (14). Na solenidade, o ministro Victor Godoy entregou a certificação às escolas do país que adotaram o modelo cívico-militar e foram destaques na gestão. Na Capital, a Escola Municipal Governador Harry Amorim Costa vai integrar o programa a partir de 2023.

E ninguém avisou – O detalhe é que nem a prefeitura nem a Semed (Secretaria Municipal de Educação) avisou da viagem de Alelis, tampouco divulgou os resultados do evento no ministério. Aliás, a participação de Campo Grande no Pecim sequer tem sido divulgada pelo município.

Luto – No dia em que Mato Grosso do Sul se despediu da cantora Delinha, a “Dama do Rasqueado”, o presidente da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul) comunicou pelas redes sociais e recebeu consolo pelo falecimento do pai, Miguel Ayache. O filho usou foto da família para fazer o comunicado. Segundo ele, era o que o pai mais gostava: “todos juntos, no Líbano”.

Nos siga no Google Notícias