A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


08/09/2015 06:00

Vereadores somem e Gaeco, ausente, "brilha" em desfile

Edivaldo Bitencourt

Doril – A maioria dos 29 vereadores de Campo Grande, envolvida no escândalo da Operação Coffee Break, sumiu do tradicional desfile de 7 de Setembro. Dos detidos pelo Gaeco na manhã de 25 de agosto, nenhum deu o ar da graça na Rua 14 de Julho.

PMDB – O mais ausente foi o PMDB, que só estava representado pelo senador Waldemir Moka e pelo deputado federal Carlos Marun. Os dois são cotados para disputara prefeitura da Capital em 2016. Nenhum dos sete vereadores do partido prestigiou a festividade dos 193 anos da Independência do Brasil.

Raros – A Câmara Municipal foi representada pelos vereadores José Eduardo Cury (PTdoB), que assumiu há uma semana, José Chadid (sem partido) e Roberto Santana dos Santos, o Betinho (PRB). Luiza Ribeiro (PPS) ficou na platéia e participou de evento com as mulheres da sigla.

Na área – Pré-candidata a prefeita em 2016, a vice-governadora Rose Modesto (PSDB) prestigiou o desfile ao lado do governador Reinaldo Azambuja, do mesmo partido, e do prefeito Alcides Bernal (PP).

Ausência – Outro pré-candidato, o deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB), não participou do desfile. Ele só espera a abertura da janela para mudar de partido. Por enquanto, ele está praticamente certo no PSD. No entanto, o parlamentar ainda não descarta outra legenda.

Estrela – Com a Operação Coffee Break, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) virou a grande “estrela” do desfile. A população comentava que o grupo, que integra o Ministério Público Estadual, deveria desfilar. O Gaeco ganhou fama após a Operação Coffee Break, que investiga o prefeito afastado Gilmar Olarte (PP) e vários vereadores por compra de votos para cassar Bernal.

Justiça – Aliás, Bernal não perdeu a oportunidade para elogiar o trabalho de investigação do Gaeco. Ele disse que “está tudo provado” e só falta a condenação dos envolvidos. “A sociedade pede, foram flagrados cometendo crimes contra a sociedade”, destacou o prefeito. Em outras épocas, ele tinha outra opinião sobre o trabalho do MPE.

Montante – O montante desviado dos cofres públicos pode superar os três dígitos. Só na Operação Lama Asfáltica, a Controladoria Geral da União analisa mais de R$ 600 milhões em contratos, considerando-se até a obra do Aquário do Pantanal.

Sem prazo – O Governo estadual vai aguardar mais um pouco para decidir a retomada das obras do Aquário do Pantanal. A Egelte ganhou 30 dias para se manifestar, de novo, se pretende continuar retomar a obra. A empreiteira já tinha dito que não pretende reassumir a obra. No entanto, o Estado deu novo prazo antes de convocar a segunda colocada no certame.

Depoimentos – O Gaeco retoma amanhã os depoimentos na Operação Coffee Break. Dois estão marcados desde a semana passada. Além desses, o grupo planeja ouvir Elza Cristina dos Santos Amaral, o ex-governador André Puccinelli e um empresário da Comunicação ainda nesta semana.

(colaboraram Aline dos Santos e Marcos Ermínio)

2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions