ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  29    CAMPO GRANDE 22º

Jogo Aberto

Votação causa discórdia em grupo do PDT no WhatsApp

Por Jhefferson Gamarra e Adriel Mattos | 05/11/2021 06:00
Após discussão, grupo teve debandada. (Foto: Direto das Ruas)
Após discussão, grupo teve debandada. (Foto: Direto das Ruas)

Desandou a maionese – A votação em primeiro turno na Câmara Federal da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 23/21, que define um teto para o pagamento de precatórios, causou um dissabor entre os apoiadores do PDT em Mato Grosso do Sul.

Revolta no Zap – Indignados com a posição de Dagoberto Nogueira, que votou a favor, apoiadores do pré-candidato à presidência Ciro Gomes, que também fazem (ou faziam) coro à reeleição do parlamentar sul-mato-grossense, se sentiram “traídos” e desceram a lenha em grupo de WhatsApp mantido pela executiva regional do partido.

Shippando – “Dagoberto perdeu meu voto, não há desculpas”, declarou um membro do grupo. “Dagoberto vai seguir com [presidente Jair] Bolsonaro e [presidente da Câmara, Arthur] Lira ou voltar pro lado do Ciro [Gomes]?”, questionou outro apoiador. Teve até gente “shippando” o deputado brizolista de MS com o presidente da República, criando o “DagoBolso”.

Debandada – Após uma enxurrada de críticas após votação do pedetista no Congresso, o grupo se esvaziou. O que mais teve foram notificações de membros abandonando o barco.

Não meto a colher – Em meio a todo fuzuê provocado pela adesão do partido pedetista ao projeto do Governo Federal, o deputado federal Fábio Trad (PSD) disse que não iria meter a colher em questões alheias. “Não me intrometo em questões de outros partidos, mas me solidarizo com a decisão de Ciro Gomes de suspender sua pré-candidatura”, publicou o parlamentar no Twitter.

Pobre Brizola – Na mesma publicação, Trad se mostrou surpreso com a decisão do PDT. “Estranha postura de ontem na votação da PEC dos Precatórios. Brizola chora!”, completou o deputado em referência ao fundador da sigla, Leonel Brizola.

Atestado – Vander Loubet (PT), que estava ausente, justificou que está de atestado médico. O deputado passa por um check-up, já que é hipertenso.

De jeito nenhum – “Cabe esclarecer ainda que não fui autorizado a votar de forma remota, pois essa modalidade só foi autorizada para deputados que estivessem cumprindo algum tipo de missão oficial pela Casa, o que não é o meu caso. Aproveito para destacar que, caso estivesse presente, seguiria a orientação da bancada do PT na Câmara e votaria contra a PEC”, publicou Vander no Twitter.

Precisava mesmo? – O deputado estadual Renan Barbosa Contar, o Capitão Contar (PSL), continua criticando o projeto de lei que cria duas novas vagas de desembargador do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). O texto foi aprovado em dois turnos nesta semana.

Cadê? – “Aguardamos as matérias relativas à redução das taxas cartorárias, reestruturação da carreira de servidores, andamento de concursos, redução da carga tributária, entre outras demandas muito mais urgentes”, disparou no Facebook.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário