ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SÁBADO  06    CAMPO GRANDE 21º

Arquitetura

Em 2021, “arquitetura do aconchego” é a nova realidade dentro de casa

Cada vez mais, projeto alia aspectos da natureza ao conforto e praticidade dentro de casa; confira as sugestões dos profissionais

Por Raul Delvizio | 09/01/2021 08:58
"Arquitetura do aconchego" é a tendência de 2020 "emprestada" por 2021 (Foto: Janaina Lott)
"Arquitetura do aconchego" é a tendência de 2020 "emprestada" por 2021 (Foto: Janaina Lott)

O "novo normal" da covid-19 trouxe muitas adaptações a essa realidade pandêmica, principalmente no universo da arquitetura. Afinal, ficamos praticamente o ano passado inteiro presos dentro de casa – e alguma coisa tinha que mudar. Agora, para 2021, o projeto como um "mini-mundo de aconchego" veio para ficar.

"Todo aquele pensamento de opulência, o exagero do glamour, está sendo trocado por um ar mais 'caseiro', com uma assinatura mais pessoal. As casas precisam ser cada vez mais aconchegantes para que as pessoas se sintam bem vivendo nelas. Antes, passávamos pouco tempo do dia dentro delas, mas agora não só trabalhamos, como nos divertimos, vemos o mundo exterior pela janela e vivemos 24/7 dentro das nossas residências", opina Fernando Ramos, o arquiteto e design de interiores de 34 anos.

Plantas, cores mais neutras e materiais naturais: menos "glamour" em prol da assinatura pessoal (Foto: Janaina Lott)
Plantas, cores mais neutras e materiais naturais: menos "glamour" em prol da assinatura pessoal (Foto: Janaina Lott)

Essa é a tendência da "arquitetura do aconchego", isto é, onde o projeto busque resolver toda uma gama de soluções para dentro da própria moradia, sem que o usuário sinta a falta do mundo para além dos muros de forma tão intensa.

"É pensar nos ambientes integrados, ter mais flexibilidade no layout para diferentes atividades e que os mobiliários e revestimentos sejam de fácil manutenção, tanto para a limpeza quanto no quesito durabilidade", esclarece.

Conforto não somente no lazer em casa, mas na hora do trabalho home office (Foto: Janaina Lott)
Conforto não somente no lazer em casa, mas na hora do trabalho home office (Foto: Janaina Lott)
Na área externa, muro de pedra dá um visual com mais cara de natureza (Foto: Janaina Lott)
Na área externa, muro de pedra dá um visual com mais cara de natureza (Foto: Janaina Lott)

E o que falar do home office? Tendência obrigatória em 2020, e que já neste ano não poderia ser diferente. "Muitas empresas viram que é possível atingir as expectativas com empregados em casa, e em contrapartida os empregados agora prezam por mais conforto e ergonomia no trabalho à distância", comenta Cristiane Alves, 36 anos, profissional do ramo do design de interiores.

"Isso sem falar em um local designado aos calçados, já no hall de entrada. Agora, os mobiliários são desenhados sob-medida para a chegada de cada morador em seu lar na volta da rua, uma prática que acredito que não vai se mudar nos anos que virão", acrescenta.

Aqui, exemplo de layout integrado e flexível (Foto: Felipe Lima)
Aqui, exemplo de layout integrado e flexível (Foto: Felipe Lima)

A arquiteta e design de interiores Chiara Duarte, de 33 anos, disse que o mercado da construção civil vem se aquecendo nos últimos meses e que, em 2021, entrou com força. "Anda até faltando material de obra pela alta demanda dos consumidores", afirma.

Para ela, pensar em tendências é enquadrar a arquitetura no universo da moda. Porém, assim como seus colegas de profissão, "a tendência está mais no comportamento e percepção que norteia o que as pessoas realmente buscam para dentro de casa, não somente o que consumem mais o que mais sentem necessidade no momento".

Cores mais terrosas estão em alta (Foto: Janaina Lott)
Cores mais terrosas estão em alta (Foto: Janaina Lott)

Vamos então algumas dicas desses três profissionais:

O que pensar para o projeto? – Todo início de ano é aquela mesma coisa: planos para dar aquela repaginada no ambiente, uma decorada "a mais" e mudar a cara da onde se vive. Claro que 2021 não poderia ser diferente.

"Considero principalmente os materiais mais naturais como a palha, o linho, as plantas para se ter dentro de casa, o próprio algodão,o  uso de madeira e pedra como uma forma de reconectar à vida fora das telas, já que andamos vivendo 24/7 ligadinhos no on-line", considera Chiara.

Aqui, exemplo de quarto do bebê com bom uso de madeira (Foto: Rafael Lima)
Aqui, exemplo de quarto do bebê com bom uso de madeira (Foto: Rafael Lima)

Para ela, apostar em elementos que ainda serão bacanas daqui 5 ou 10 anos é uma ideia a se pensar. "Mas como saber? De novo: apostando em materiais naturais. Um piso de madeira natural é magnífico, sempre foi e sempre será. Um verniz pode deixar o piso novinho em folha. Granito e mármores em tons neutros como preto ou branco para as bancadas também. Pedras naturais e rústicas para os muros externos. Menos elementos em prol do 'bem pensado', do escolhido. E sim, dá para comprar coisas bacanas em lojas de departamentos. Basta ter um olhar treinado. Tente!", sugere.

Tudo clarinho, quase como cor de palha, para dar um aspecto mais natural ao ambiente (Foto: Rafael Lima)
Tudo clarinho, quase como cor de palha, para dar um aspecto mais natural ao ambiente (Foto: Rafael Lima)

Fernando também entende que busca pela atemporalidade deve ser uma necessidade básica. "Mármore travertino, uso de madeira principalmente nos móveis e como revestimento nas paredes está super em alta, assim como os tons terrosos e a palha natural como decoração. Por fim, uma iluminação artificial projetada de forma adequada mas também aliada à iluminação natural, super importante nos tempos de pandemia", garante.

Para ele, o uso de textura deve ser uma prioridade. "Não digo aquele grafiato velho de guerra, mas nos tecidos, num tapete, numa cesta, num quadrado pintado, enfim, em vários objetos decorativos que lembram aconchego. É ter a vontade de 'encostar' em tudo, dando uma assinatura mais pessoal".

Aconchego também significa ter a vontade de "tocar em tudo": textura nos tecidos, tapetes, móveis e revestimentos (Foto: Rafael Lima)
Aconchego também significa ter a vontade de "tocar em tudo": textura nos tecidos, tapetes, móveis e revestimentos (Foto: Rafael Lima)

Já para Cristiane, ter um projeto técnico garante menos "improvisos" na reforma, além de prometer soluções personalizadas ao gosto do cliente. "Minha aposta é que cada futuro morador se volte ao bem estar e ao 'ficar' dentro de casa mesmo, tendo conforto e segurança e compartilhando sensações afetivas por meio de cada cor, forma e acabamento", finaliza.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário