A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020

28/11/2019 08:24

Em meio às dificuldades, pesquisa segue para história da 14 de Julho não morrer

Thailla Torres
A ação faz parte do ‘Reviva Campo Grande’ que requalificou a 14 de Julho. (Foto: Paulo Francis)A ação faz parte do ‘Reviva Campo Grande’ que requalificou a 14 de Julho. (Foto: Paulo Francis)

Em julho deste ano o Lado B mostrou que 42 edifícios históricos da Rua 14 de Julho receberão em suas fachadas placas com QR Code para que as pessoas tenham acesso instantâneo à história completa das construções. Ontem (27), durante reunião com a Sectur (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo), a pasta exibiu como estão as pesquisas que vão alimentar a plataforma.

Sem todos os patrimônios e suas respectivas histórias em mãos, a pesquisa caminha para que parte da trajetória de Campo Grande “não morra”, diz arquiteto Fernando Batiston que lidera o trabalho.

Segundo ele, apesar das pesquisas bibliográficas, documentos antigos, análises comparativas de fotos e entrevistas com colaboradores, o levantamento histórico dos bens não é tarefa fácil. “A memória de Campo Grande está se perdendo, especialmente a memória testemunhal. As pessoas mais antigas, por exemplo, só se lembram com clareza da década de 60”.

Fernando também cita a ordenação como um fator de dificuldade. “Antigamente, a ordenação desses bens foi feita para atender a prefeitura. Então, hoje, é muito difícil encontrar com rapidez todas as fases daquele patrimônio. Além disso, atualmente, nós só conseguimos tirar a certidão centenária de um imóvel, mais do que isso não há registro. Por isso, a história vai se transformando conforme provas ao longo do tempo. A história nunca acaba”, explica o arquiteto.

Casa Glória está entre os patrimônios que serão catalogados no projeto. (Foto: Arquivo/Marcos Ermínio)Casa Glória está entre os patrimônios que serão catalogados no projeto. (Foto: Arquivo/Marcos Ermínio)

A ação faz parte do ‘Reviva Campo Grande’ que requalificou a 14 de Julho desde a Avenida Fernando Corrêa da Costa até a Avenida Mato Grosso. E a intenção do projeto é que todo o material pesquisado seja disponibilizado em uma linguagem acessível para todos. “O nosso objetivo é evidenciar a história da Rua 14 de Julho, contribuir para interação da comunidade e aumentar os vínculos da comunidade, uma vez que ao criar identificação, cria-se também o gosto pela preservação”, ressalta o arquiteto.

Dentro das pesquisas, Fernando mostrou algumas curiosidades como o edifício de 1938 que foi um armazém famoso e pertenceu ao avô de Almir Sater, o prédio muito antigo onde nasceu Jânio Quadros, que foi um político e 22º presidente do Brasil, o edifício que só foi construído porque um campo-grandense ganhou o maior prêmio da loteria, e também um dos edifícios mais conhecidos que abrigava um alto-falante no último andar para divulgar todas as lojas da rua comercial.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Campo Grande News - Lista Vip WhatsApp
imagem transparente

Classificados


Copyright © 2020 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.