ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 10º

Artes

Antes de morrer, Levi deixou “lição de casa” para família ser feliz

Velório do artista Levi Batista ocorre durante manhã de hoje (4), no Memorial Park

Por Thailla Torres e Cleber Gellio | 04/07/2022 09:49
Amigos e familiares estão no Memorial Park para se despedir do artista plástico. (Foto: Marcos Maluf)
Amigos e familiares estão no Memorial Park para se despedir do artista plástico. (Foto: Marcos Maluf)

Simples, cercado de familiares e alguns amigos. Assim como sempre foi a vida enquanto trabalhava em sua casa cheia de cores no Aero Rancho, o artista Levi Batista, que morreu neste domingo (3), está sendo velado no Memorial Park, em Campo Grande.

O artista, que é autor de uma das obras mais famosas da cidade, a Praça Pantaneira, se despediu da vida após dias internado na Santa Casa de Campo Grande.

Mas nem no período mais crítico da internação o artista deixou a esperança de lado. É o que conta um dos filhos, que bateu “um papo reto” com o pai sobre a vida. Levi, que nunca abriu mão de falar sobre as coisas simples e sobre como vale a pena ser feliz, expôs ao filho Josué Nascimento que estava confortável. “Que ele tinha sido um homem feliz e também falou que, mesmo se ele morresse, tínhamos que seguir a vida, sempre escolher um bom caminho”, diz Josué.

Filho recorda da última conversa que teve com o pai. (Foto: Marcos Maluf)
Filho recorda da última conversa que teve com o pai. (Foto: Marcos Maluf)

Lágrimas, sim, mas logo que o corpo chegou ao local do velório, familiares fizeram questão de falar das boas lembranças e o sorriso de um tio que tentou ensinar arte para todos. A sobrinha Joelma Nascimento de Matos, 35 anos, destaca a  bondade do artista.

“Além do legado artístico ele deixa um legado de bondade. Ajudava muitas pessoas mesmo não tendo condições financeiras. Tínhamos muita proximidade, ele morava no Aero Rancho, e eu moro no Parati, então temos boas lembranças em família. Será impossível esquecer dele”, diz Joelma.

A arte que Levi conseguiu cravar no coração e nas residências da cidade também será o conforto para a família. “Não tem uma casa que não tenha obra dele. Será uma lembrança eterna do talento que ele tinha”.

Ivanir de Lourdes Brito Nascimento, de 34 anos, é a filha mais velha. Ela também destaca que o pai demonstrou força até os últimos minutos de vida. “Sempre foi um homem de fé. Mesmo nos momentos mais difíceis ele estava agradecendo pela vida. Eu o chamava de Veinho”, lembra Ivanir.

A esposa, com quem viveu 35 anos, estava ao lado do marido, mas preferiu não falar no momento. Mas tem sido abraçada pelas histórias e a bondade do marido que agora moram no coração da família.

Levi deixa esposa, três filhos e seis netos

O sepultamento está marcado para às 13h30 Cemitério Memorial Parque (Rua Francisco dos Anjos, 442, bairro Universitário).

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias