A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

20/07/2019 08:49

Após 14 anos na avenida, Caprichosos sai do Carnaval 2020

Escola de samba inovou seu desfile em 2019 e colocou na Avenida General Rondon, a 1ª madrinha de bateria transexual.

Danielle Valentim
Este ano, Caprichosos levou para a avenida enredo sobre o Distrito de Albuquerque. (Foto: Anderson Gallo)Este ano, Caprichosos levou para a avenida enredo sobre o Distrito de Albuquerque. (Foto: Anderson Gallo)

Luto e acúmulo de dívidas fizeram a diretoria da Caprichosos pedir o afastamento do Carnaval 2020. A Liesco (Liga Independente das Escolas de Samba) garante a agremiação pode pedir afastamento por dois anos, mas o pedido da Caprichosos é por um ano.

Ao Diário Corumbaense, Robeson Braz Leite, que assumiu a presidência da agremiação este ano, disse que a decisão foi tomada em conjunto pela diretoria e família fundadora da agremiação sediada no bairro Generoso.

“A gente sabe que o Carnaval de Corumbá está crescendo a cada ano e o compromisso das escolas de samba é maior ainda. A Caprichosos é uma escola de samba que sempre está na disputa, desde sua fundação, há 14 anos. Só que, com isso, acabamos contraindo dívidas. O dinheiro que chega pra gente nunca é suficiente”, disse o presidente.

Em 2019, a Caprichosos de Corumbá trouxe para passarela do samba o samba-enredo: “Albuquerque, o paraíso é aqui!”. A agremiação contou parte da história que levou ao surgimento de Corumbá, ficando em quarto lugar na classificação geral. A escola de samba inovou seu desfile em 2019 e colocou na Avenida General Rondon, a primeira madrinha de bateria transexual.

Ele reforçou que por mais que a escola de samba, como as demais, trabalha durante todo o ano com a intenção de arrecadar fundos, isso não é suficiente. “A gente sempre faz empréstimos pessoais. Passa o carnaval, conseguimos quitar e novamente voltamos à mesma situação no ano seguinte. Todos os anos é a mesma coisa”, afirmou ao Diário Corumbaense.

Luto - O principal motivo do afastamento foi a morte de Valentim, neto de Robeson, que conforme a família, perdeu a vida por negligência médica em março deste ano.

O bebê era filho de Bruno Adrison Barbosa, de 27 anos, e Katiuscia Fernandes da Costa, de 24 anos. Valentim morreu ainda na barriga. “Como é que vamos trabalhar com Carnaval, entrar na avenida, festejar, se ainda estamos de luto? Quatro meses se passaram e nada de uma resposta. Minha família está movendo processo judicial, pois o que aconteceu, com o meu netinho foi negligência médica”, disse com sentimento de revolta o presidente da escola de samba.

Grupo de Acesso - O presidente da Liesco (Liga Independente das Escolas de Samba), Zezinho Martinez, disse que, conforme o estatuto, a agremiação pode pedir afastamento por dois anos, mas o pedido da Caprichosos é por um ano.

“As escolas de samba têm uma vida independente da Liga, são apenas filiadas e sua participação no Carnaval ou não, conforme diz o estatuto da Liga, permite isso, que ela possa se afastar, em um período de até dois anos”, reforçou ao explicar que se decidir pelo retorno em 2021, a Caprichosos vai para o Grupo de Acesso, pois em 2020, será o último ano do Grupo Único.

“Em 2021, teremos o retorno de dois Grupos, Acesso e Especial, como foi decidido em assembleia. Então, caso a Caprichosos decida retornar, ela goza dos mesmos benefícios da Liga, mas volta abrindo o desfile em 2021 do Grupo de Acesso”, afirmou Martinez.

 

imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.