A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

16/01/2018 14:16

Com voz e violão, fotógrafo ocupa a cidade gravando clipes em obras inacabadas

Thailla Torres
O músico Douglas Rdrigues, foi o primeiro a participar do projeto Ocupa Campão. (Foto: André Patroni)O músico Douglas Rdrigues, foi o primeiro a participar do projeto "Ocupa Campão". (Foto: André Patroni)

Cantando por aí, o fotógrafo André Patroni iniciou o projeto "Ocupa Campão" e saiu pela cidade com o violão, para gravar clipes em obras inacabadas de Campo Grande. Com meses de planejamento e uma tarde de registros, André lançou nesta semana o primeiro vídeo em parceria com o músico Douglas Rodrigues. O endereço é emblemático: a obra do Centro de Belas Artes, paralisada há quase 30 anos.

O lugar já consumiu R$ 10 milhões, na área que um dia já foi anunciada como futura rodoviária da cidade. Começou em  1992, mas emperrou depois do plano de transformar o espaço em reduto cultural.

Em mais uma tentativa de pressão para que o Centro vingue, o projeto de André dá destaque ao abandono para, quem sabe, a cidade ganhe novos espaços culturais.

A mistura de arte e protesto vai ganhar raízes em outros pontos da cidade, conta o fotógrafo. "Outros dois locais que pretendo gravar é na antiga rodoviária e Rotunda, cenários incríveis, que possivelmente poderiam ser voltados para a arte campo-grandense. Sem contar que eles já são lugares que reúnem um público interessado em fazer diferença", destaca.

No primeiro vídeo, a produção artística convoca o olhar para uma leitura mais atenta de alguns aspectos como as sombras e, ao mesmo tempo, a naturalidade que pode dar vida ao lugar. Mas denuncia-se também o descaso e o desperdício.

"Há portais de madeira e pedra tipo granito, duas salas com tablados imensos que seriam espaço de dança, isolamento acústico com lã de vidro, banheiros com divisórias de pedra, vasos e pias, até um sistema de ar condicionado central já instalado, além das janelas com vidros que chegaram a ser colocados", descreve. "Era só entregar a chave. E mesmo que faltasse pouco para concluir esta fase, nada justifica a postura das administrações municipais em abandonar o local", lamenta.

Para fortalecer e sensibilizar os artistas nessa corrente, André também espera que o projeto voe para outras mãos. "Eu moro ali perto e por isso aquela região é muito especial pra mim e quero cada vez mais voltar olhares para ele. Por isso a ideia do projeto é formar um selo, não exclusivo pra mim, mas para todo mundo que tenha o mesmo propósito e queira ver um local da cidade transformado".

Sobre movimentar a cena cultural da cidade, André não tem dúvidas, o projeto surge como oportunidade para que os projetos artísticos se encontrem e também sejam reconhecidos. "É uma forma de manifestar o descontentamento desta classe [artística], que enfrenta anos de sabotagem por parte do poder público, com uma série de calotes em editais, que inclusive, até eu tomei alote da prefeitura na gestão anterior", finaliza.

O primeiro vídeo foi feito com o músico Douglas Rodrigues, que tem um projeto de viajar o país tocando em diversos locais com sua Kombi. Assista:



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.