A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017

10/01/2017 14:05

Índio vira samba enredo e escola do RJ provoca a ira do agronegócio em MS

Paula Maciulevicius
Carnavalesco Cahê e menino indígena do Xingu. Carnavalesco Cahê e menino indígena do Xingu.

São pelo menos três as notas de repúdio que federações e associações voltadas ao agronegócio em Mato Grosso do Sul emitiram à escola de samba carioca Imperatriz Leopoldinense. No Carnaval 2017, o samba enredo "Salve o verde do Xingu, a Esperança" faz um alerta sobre os riscos que ameaçam 16 etnias que resistem no Xingu e outras espalhadas pela Amazônia.

Apesar de não citar nenhuma das etnias sul-mato-grossenses, o samba descreve um cenário presente em todo País, onde o avanço do agronegócio não olha ao seu redor, desmatando e poluindo com agrotóxicos córregos que são a única fonte de água de comunidades. Caso entrasse especificamente nos terena e guarani-kaiowá, o enredo traria ainda o genocídio e inúmeros conflitos armados que terminaram em mortos e feridos em Mato Grosso do Sul.

Clique aqui e ouça o samba do site oficial da escola

"Brilhou… A coroa na luz do luar!
Nos troncos a eternidade… A reza e a magia do pajé!
Na aldeia com flautas e maracás
kuarup é festa, louvor em rituais
na floresta… Harmonia, a vida a brotar
sinfonia de cores e cantos no ar
o paraíso fez aqui o seu lugar
jardim sagrado o caraíba descobriu
sangra o coração do meu Brasil
o belo monstro rouba as terras dos seus filhos
devora as matas e seca os rios
tanta riqueza que a cobiça destruiu
Sou o filho esquecido do mundo
minha cor é vermelha de dor
o meu canto é bravo e forte
mas é hino de paz e amor

Sou guerreiro imortal derradeiro
deste chão o senhor verdadeiro
semente eu sou a primeira
da pura alma brasileira

Jamais se curvar, lutar e aprender
escuta menino, Raoni ensinou
liberdade é o nosso destino
memória sagrada, razão de viver
andar onde ninguém andou
chegar aonde ninguém chegou

lembrar a coragem e o amor dos irmãos
e outros heróis guardiões
aventuras de fé e paixão
o sonho de integrar uma nação
kararaô… kararaô… o índio luta pela sua terra
da imperatriz vem o seu grito de guerra!

Salve o verde do xingu… a esperança
a semente do amanhã… herança
o clamor da natureza
a nossa voz vai ecoar… preservar!"

Dia da entrega da sinopse do samba enredo. No microfone, o presidente da escola Luiz Pacheco Drumond. Dia da entrega da sinopse do samba enredo. No microfone, o presidente da escola Luiz Pacheco Drumond.

A última nota de repúdio que circulou foi emitida nesta terça-feira (10), pela  Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul).

Em nome dos produtores rurais, a associação atribuiu à escola um "extremo desconhecimento da causa e da história" e diz que a letra manifesta em sua composição uma "versão odiosa, repugnante e preconceituosa, totalmente distorcida do setor agropecuário brasileiro, repassando uma imagem de destruidor de florestas e da natureza, invasor e monstro, num evento cultural de conotação internacional que é o Carnaval". 

O texto ainda declara que os trabalhadores do agronegócio "perdoam aqueles ignorantes do samba" e que difamar o agronegócio é ignorar a realidade social, econômica e estatística brasileira, que vem desde o Plano Real servindo de âncora para a economia nacional.

Assinada pelo presidente da instituição, Jonatan Pereira Barbosa, a nota termina numa tentativa falha de brincar "quem não gosta do agro bom sujeito não é".

Desde o lançamento do samba enredo, a Imperatriz tem sido bombardeada pelos setores que representam o agronegócio. No Facebook, o carnavalesco da escola, Cahê Rodrigues, explica que quando resolveram levar para a avenida o Xingu, assumiram o desafio de apresentar mais que um desfile voltado à cultura e às tradições das etnias indígenas. 

Imperatriz desfilando no Carnaval de 2016.Imperatriz desfilando no Carnaval de 2016.

"O clamor, destacado no título, pode ser traduzido como a voz que teimamos em não ouvir desde o dia em que os europeus descobriram oficialmente estas terras, batizadas com o nome da madeira que, antes da cana-de-açúcar, do ouro, dos diamantes e da escravaria, começou a enriquecer os cofres de Portugal.

Ao longo dos séculos, aprendemos que o povo brasileiro é resultante de três raças: o índio, o negro e o branco. No entanto, nossa História sempre foi contada pelos brancos, pois negros e índios raramente tiveram a chance de expressar tudo que tiveram de enfrentar para ajudar a construir essa História. Infelizmente, pouco sabemos sobre eles, além da certeza de que milhões de vidas foram ceifadas para dar passagem ao que os colonizadores do passado e do presente rotulam como “progresso”".

O carnavalesco também cita o samba enredo de 2015, quando a escola foi até a África e fez um alerta sobre atitudes racistas e do ano passado, com a música sertaneja que inclusive mostrou a lida do homem do campo e da importância da agropecuária do Centro-Oeste brasileiro no abastecimento de alimentos. 

"Quando decidimos falar sobre o índio e, em especial, sobre a importância da reserva do Parque Indígena do Xingu, nosso objetivo não é outro senão fazer um alerta sobre os riscos que ainda ameaçam as 16 etnias que ali resistem e, indiretamente, muitas outras espalhadas pela Amazônia", frisa o carnavalesco.

O representante da escola afirma que nunca foi intenção da Imperatriz agredir o agronegócio, "setor produtivo de nossa economia a quem respeitamos e valorizamos" e que buscaram na composição, combater o "uso indevido do agrotóxico, que polui os rios, mata os peixes e coloca em risco a vida de seres humanos, sejam eles índios ou não, alem de trazer danos em alguns casos irreversíveis para nossa fauna e flora". 

Além de chamar atenção para o medo e a preocupação permanentes dos xinguanos, "que a cada noite temem uma nova invasão de suas terras. Ou imaginam a catástrofe que a usina de Belo Monte desencadeará no ecossistema de toda aquela região, inundando aldeias, igarapés e levando na força de suas águas as chances de sobrevivência de sua gente. Tive a oportunidade de ver isso pessoalmente. Conversei com eles, ouvi a sua angústia", relata Cahê. 

Advogado indígena e pesquisador, Luiz Henrique Eloy, analisa que o samba enredo é importante para o movimento como um todo. "É uma oportunidade da sociedade conhecer, pelo viés do Carnaval, a realidade dos povos indígenas que temos denunciado há muito tempo", diz.

Sob análise de Eloy, a ideia de preservar o Meio Ambiente é considerar também a preservação dos povos indígenas e de sua cultura.

"Partes do samba enredo denunciam exatamente isso, esse capitalismo selvagem do agronegócio, com uso de agrotóxicos, desmatamento. 'Dá lucro?' Mas qual é o preço que se paga por esse desenvolvimento? Vão ter vidas ceifadas e todo um prejuízo ambiental, não só dos povos indígenas, mas de toda humanidade", completa.

Curta o Lado B no Facebook. 

 




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.