A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2019

11/02/2019 08:50

Quando todo mundo já havia cansado de estátua viva, um bebê surpreendeu a feira

Rosimeire conquista adultos e crianças ao representar Nossa Senhora com Jesus negro nas mãos

Thailla Torres
Rosimeire se destaca com apresentação diferente na Feira Central. (Foto: Thailla Torres)Rosimeire se destaca com apresentação diferente na Feira Central. (Foto: Thailla Torres)

Na concorrência com o robô humano e o policial com fuzil, a mulher segurando uma boneca nas mãos ganha de lavada na Feira Central. Quando Rosimeire Ribeiro, de 32 anos, sobe no pedestal, a tinta prata do seu rosto compete com a luz amarela do corredor cheio de visitantes e, em poucos minutos, as primeiras moedas chegam. É o pagamento pelo trabalho de estátua viva que consegue se comunicar com o público de um jeito diferente.

“É um trabalho sensível, o gesto dela é sutil e passa um lado muito pueril que mexeu com meu imaginário”, descreve a professora universitária Cleovia Almeida de Andrade, de 50 anos.

Para alguns, a profissão antiga e que não é novidade pelas ruas de Campo Grande, conseguiu surpreender graças ao movimento constante de um bebê representando Jesus. “Pra mim ficou claro uma coisa: ela está com um bebê negro nas mãos e fala através dele. Além de escolher uma Nossa Senhora com um menino Jesus negro e ter essa competência com as mãos embora seja estátua, acho que ela foi duas vezes provocadora e isso tornou o trabalho dela incrível, sensível”, declara o professor Adilson Francisco, de 50 anos.

Embora seja uma estátua, ela se comunica constantemente através da boneca. (Foto: Thailla Torres)Embora seja uma estátua, ela se comunica constantemente através da boneca. (Foto: Thailla Torres)
Adilson e Cleovia assistiram a apresentação encantados. (Foto: Thailla Torres)Adilson e Cleovia assistiram a apresentação encantados. (Foto: Thailla Torres)

As crianças piram, chegam pertinho indagadas com a mulher que nem pisca e ainda consegue fazer com o que a boneca passe mensagens de fé, entregues em pequenos rolinhos de papel. Ao lado da mãe Renata Fernandes, de 34 anos, Isaac foi correndo colocar as moedinhas e ainda levou um pirulito para casa. “Ele gostou e o que me chamou atenção foi a pose dela, com movimentos que são diferentes do que a gente está acostumado”, destaca a funcionária pública.

Tem gente que chega pertinho só pra ver se a estátua respira. “Por um tempo fiquei pensando se ela de verdade. Ao chegar perto fiquei encantada, ela representa Nossa”, comenta a funcionária pública Devalcir Zadi de Assis, de 70 anos.

Rosimeire não conversa e evita dar entrevista durante o expediente, como forma de não romper com a curiosidade gerada. Ao telefone, ela fala com orgulho do trabalho realizado desde 2012 que, hoje, é sua única fonte de renda. “Gosto do público e a estátua viva chegou até mim pelo teatro. Hoje, faço por amor à arte que me conquistou”.

Nascida em Campo Grande, além de se apresentar na Feira Central, ela viaja o país como estátua viva em eventos. “Amo o teatro, mas descobri que não queria me apresentar trancada, prefiro ir para as ruas”.

Renata e o filho Isaac. (Foto: Thailla Torres)Renata e o filho Isaac. (Foto: Thailla Torres)
Boneca que se comunica com adultos e crianças, entrega mensagens de fé e doces. (Foto: Thailla Torres)Boneca que se comunica com adultos e crianças, entrega mensagens de fé e doces. (Foto: Thailla Torres)

A grana que ganha nas ruas não é o suficiente, por isso, ela trabalha em eventos cobrando cerca de R$ 150,00 a hora. “Faço muitos casamentos e formaturas, especialmente, formaturas de Direito em que eles querem uma estátua viva da Deusa da Justiça”.

Com uma tinta própria para a pele, a preparação dura minutos ou horas dependendo do tamanho da roupa. “Já precisei usar quase no corpo inteiro e isso leva tempo para fazer”.

Sobre o personagem que tanto chama atenção na Feira Central ela fiz que foi o primeiro quando iniciou a profissão. “Eu estava em uma roda de pessoas e tudo começou com um fantoche. Era época de Natal e eu fui a Nossa Senhora em um pequeno teatro, de lá pra cá eu decidi fazer esse personagem na estátua, hoje, é o meu preferido”.

O desafio é se equilibrar no pedestal com a curiosidade do povo. “Às vezes as crianças quase me derrubam da caixa, mas já estou acostumada. Única coisa capaz de acabar com a minha apresentação é a chuva, porque a maquiagem vai embora”.

Quem quiser contratar, o telefone de Rosimeire é (67) 99218-6679. Confira abaixo sua apresentação. 

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.