A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 29 de Maio de 2017

29/06/2015 06:23

Velho Oeste do Brasil, MS só é lembrado em filmes de fronteira e pistolagem

Naiane Mesquita
Ponte que liga o Brasil ao Paraguai é cotada como o cenário da briga entre as gangues no filme A Curva do Rio Sujo. (Foto: Marcelo Calazans)Ponte que liga o Brasil ao Paraguai é cotada como o cenário da briga entre as gangues no filme "A Curva do Rio Sujo". (Foto: Marcelo Calazans)

Mato Grosso do Sul é o Velho Oeste brasileiro. Normalmente é aqui, na nossa fronteira seca, que as produções cinematográficas do país recorrem quando precisam de um cenário que relembre de imediato as questões ligadas à pistolagem, ao tráfico de drogas ou à violência contra indígenas.

Acompanhando as gravações do filme "A Curva do Rio Sujo" é possível notar a preferência por pontos que repassem essa sensação de "terra sem lei" da fronteira. Baseado em um livro escrito por Joca Reiners Terron, a produção conta a história de uma disputa entre gangues de motoqueiros, que culmina na morte de um indígena.

Jane Adélia Britez é moradora de Bela Vista e acredita que filmes retratam a violência da fronteira do país.  Jane Adélia Britez é moradora de Bela Vista e acredita que filmes retratam a violência da fronteira do país.

Nas ruas de Bela Vista, a opinião da população é dividida. Alguns acreditam que a recorrência é preconceito, outros que reflete o cotidiano. "Eu acho muito ruim, um pouco preconceituoso, existe um lado bom na fronteira, acho que a pistolagem ficou um pouco para trás", afirma o repositor de mercadoria, Gilson Souza Silveira, 49 anos.

Já a colega de trabalho de Gilson, a atendente Jane Adélia Britez, de 26 anos, acha que no fim das contas o filme retrata uma verdade. "Eu nasci aqui e hoje o que mais tem é roubo de moto, furto de residências. Talvez pistolagem e confronto indígena nem tanto, vejo muito isso em Dourados", acredita.

Murilo Benício em uma cena de Os Matadores. (Foto: Divulgação)Murilo Benício em uma cena de "Os Matadores". (Foto: Divulgação)

Vale lembrar que essa não é a primeira vez que filmes do gênero são gravados na nossa fronteira. "Cabeça à Prêmio", do diretor Marco Ricca, "Frontera", do sul-mato-grossense David Cardoso, "Os Matadores", de Beto Brant e por aí vai...

"Esses filmes precisam de locações que mostrem as características da fronteira e Mato Grosso do Sul tem isso muito forte, além da questão indígena, que aqui temos a segunda maior população indígena do Brasil", aponta o presidente do Fórum de Cultura de Campo Grande, Airton Raes.

Para ele, o poder de atração que a fronteira exerce sobre os espectadores é um fenômeno mundial. "Hollywood sempre explorou muito a fronteira do México e dos Estados Unidos, um exemplo é a Marca da Maldade. Essa relação é muito parecida com a brasileira, não tem como negar isso", acredita.

Nessa questão do cinema monotemático em Mato Grosso do Sul, Airton ainda ressalta que é importante citar as produções sobre Meio Ambiente, entre elas uma da BBC, o filme de terror "Condado Marcado", rodado em Paranaíba e um documentário sobre um casal que trocava cartas de amor, "Espero Que Esta te Encontre", de Natara Ney. 

Set de filmagem de A Curva do Rio Sujo priorizou bairro simples, sem estrutura ou asfalto Set de filmagem de A Curva do Rio Sujo priorizou bairro simples, sem estrutura ou asfalto

"Falta uma organização das film commissions para valorizar o potencial de locações que Mato Grosso do Sul tem e para atrair as produções de fora. Se isso não é levado, as pessoas vão procurar gravar aquilo que elas enxergam, nesse caso, da fronteira, das questões à margem da sociedade", explica.

Bela Vista é, como muitos municípios de Mato Grosso do Sul, um lugar que guarda a história por meio das ruas e prédios, mas que viu seus redutos serem destruídos pela ação do tempo e o descaso dos governantes.

Para o turismólogo Diego Maciel, 32 anos, morador de Bela Vista, a época da pistolagem ficou para trás. "Às vezes acontecem alguns assassinatos, alguns assaltos, mas não é uma cidade perigosa e sim muito bonita. Quando tem desfile, os indígenas participam, mesmo apesar da distância, é cerca de 40 minutos de viagem até a aldeia, mas desde a minha adolescência eu não ouço falar mais de pistolagem", acredita. 

Sesc Horto recebe espetáculo teatral gratuito na próxima semana
Entre a próxima quinta-feira (1) e sábado (3), o Teatro Prosa do Sesc Horto recebe o espetáculo "Três Vírgula Quatro Graus Na Escala Richter", da Com...
MS participa no mês de julho de feira de artesanato em Pernambuco
Mato Grosso do Sul participa em julho, entre os dias 6 e 16, em Olinda (PE), da Feira Internacional de Negócios do Artesanato, maior evento do setor ...



Mas é claro, nós somos um dos estados mais atrasados do país, eu sei que é chato ouvir uma coisa dessas de um sul mato-grossense da gema como eu sou, mas é a realidade, a politica do estado não dá chance de crescimento, nossos políticos são tão corruptos que não sobra nada pra investir no estado ou nas cidades, infelizmente a realidade é triste mas é esta.
 
Max em 29/06/2015 08:32:14
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.