ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  16    CAMPO GRANDE 23º

Comportamento

A vida feliz de um campo-grandense que vende maconha no Canadá

Após formar em administração e frustrar-se com mundo corporativo, Renan encontrou felicidade gerenciando loja legalizada

Por Lucas Mamédio | 10/02/2021 07:38
Renan na entrada da THC Store (Foto: Arquivo Pessoal)
Renan na entrada da THC Store (Foto: Arquivo Pessoal)

Aos 33 anos, Renan Petri pode dizer que conseguiu alcançar sucesso profissional. Há cinco anos em Vancouver, na costa oeste da Colúmbia Britânica, no Canadá, o campo-grandense é gerente de uma loja que vende cannabis e produtos derivados. Ele trabalha no THC Store, nome que faz referência à substância psicoativa da maconha, o THC.

Porém, chegar ao cargo que ocupa hoje, ainda mais em um negócio muito distante do horizonte de expeditivas dos brasileiros, não foi um caminho fácil, mas aconteceu de forma natural para Renan.

Ele foi embora do Brasil aos 20 anos rumo à Europa. Voltou para o Brasil, mas não para Campo Grande. Em São Paulo se formou em administração, onde ingressou no mundo corporativo.

Loja que Renan gerencia mais parece de tecnologia (Foto: Arquivo Pessoal)
Loja que Renan gerencia mais parece de tecnologia (Foto: Arquivo Pessoal)

“Quando mudei para São Paulo comecei o meu planejamento de mais de dois anos para o projeto Canadá. Juntei grana, me matriculei em curso de Marketing, tirei o visto, comprei a passagem e me mandei. Cheguei aqui e comecei a trabalhar como analista em uma distribuidora farmacêutica, o que fiz por basicamente dois anos, o tempo de duração do meu curso, até que fui atrás do meu sonho: trabalhar na indústria da cannabis”, explica.

O sonho se tornou realidade ao mesmo tempo que o descontentamento com a carreira que levava surgiu. Renan conta que sempre consumiu cannabis e admirou o potencial da planta, sem falar que a legalização, segundo ele, traz oportunidades de negócios incríveis.

“O primeiro lugar em que morei em Vancouver ficava a uma quadra do THC. Eu fui cliente por uns dois anos e conhecia o dono e o pessoal do staff. Eventualmente comecei a trabalhar em outra loja e o dono do THC certo dia me chamou para trabalhar com ele”.

Renan explica que no Canadá a legislação é bem flexível quanto ao uso de cannabis, sendo responsabilidade dos estados e municípios a legalização do consumo.

No Canadá a legislação para consumo é bem flexível (Foto: Arquivo Pessoal)
No Canadá a legislação para consumo é bem flexível (Foto: Arquivo Pessoal)

“Qualquer pessoa maior de idade (19 anos) pode entrar em uma loja no Canadá e comprar cannabis. Quanto ao consumo, províncias (o equivalente aos Estados Brasileiros) e até municipalidades tem a voz final. Aqui em Vancouver, por exemplo, o consumo de cannabis segue as mesmas regras do consumo de tabaco, ou seja, onde se pode fumar um cigarro, também pode consumir cannabis. Outras províncias e cidades só liberam o consumo dentro de casa”.

Apesar de amigos e colegas acharem legal o trabalho de Renan, dentro de casa, com familiares, há uma certa resistência. “Cannabis ainda é um tabu para os meus pais que são muito conservadores e preferiram que eu fizesse outra coisa. Infelizmente ainda existe muita desinformação e estigma no que diz respeito a cannabis, uma planta maravilhosa que vem sendo cultivada e consumida há milhares de anos em todas as partes do mundo. Vale lembrar que a influência religiosa e política dificultam ainda mais o diálogo sobre o tema”.

Na loja em que Renan é gerente é vendido de desde a flor, cigarros já enrolados (edibles) , chocolates, balas e doces, óleos, cápsulas, cremes, hashish e até mesmo bebidas, “tudo infusionado com cannabis, óbvio”, encerra.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário