A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 23 de Setembro de 2018

06/05/2017 07:05

Amor que chegou pelas ondas do rádio hoje acompanha ritmo da quimioterapia

Eles se conheceram depois que Juliana anotou o telefone de Davi pelo rádio

Thailla Torres
Casal se conheceu depois ele deixou o telefone no Amor Sem Fim da 97,9. (Foto: André Bittar)Casal se conheceu depois ele deixou o telefone no Amor Sem Fim da 97,9. (Foto: André Bittar)

Foram tantos desencontros na vida amorosa de Davi que a esperança de encontrar o grande amor surgiu onde ele menos esperava. Campo-grandense, ele enxergou nas declarações e trilha sonora apaixonada do programa de rádio Amor Sem Fim, a esperança e, foi ali que a sorte bateu à porta.

O amor veio pelas ondas do rádio, na época em que a internet já existia, mas era pouco acessível na vida de Davi Araújo Lorentz, de 39 anos, e Juliana Erika dos Santos, de 30. Juntos eles completam 12 anos entre namoro, noivado e casamento.

Foi ela quem tomou a iniciativa de ligar para Davi quando ouviu as característica dele pelo rádio. "Era uma 22h quando ouvi que ele estava em busca de alguém para um relacionamento sério. Na hora fiquei interessada, mas guardei o telefone num pedaço de papel", conta Juliana.

Juliana agradece pelo amor e pela vida ao lado de quem mais ama. (Foto: André Bittar)Juliana agradece pelo amor e pela vida ao lado de quem mais ama. (Foto: André Bittar)

Ela esperou 15 dias até tomar coragem e ligar. "Marcamos um encontro. No primeiro momento não tive nenhum medo, estava decidida em conhecer alguém. Tanto que naquele dia, conversamos cerca de 3 horas", lembra. 

Davi recorda que não teve dúvidas, Juliana era pessoa certa. "No fundo eu não acreditava que ter ligado na rádio daria certo, mas quando nos encontramos eu vi que ela era uma pessoa boa e companheira. Tudo fez sentido quando ela entendeu que eu queria construir uma família ao lado dela", descreve.

Juliana tinha 19 anos na época e o casamento ainda não passava pela cabeça. "O interesse foi surgindo ao lado dele. O meu sogro dizia que eu era a 'namorada de oração', de tanto que ele rezou para Davi conhecer alguém bacana". 

Quando as famílias se conheceram, veio o pedido de casamento. "Fizemos um noivado em questão de meses, perto do Natal, logo depois nos casamos", diz. 

O momento marcante veio com a chegada do primeiro filho. "Para gente isso também foi uma luta, porque eu tentei muito ter um bebê no início e não conseguia. Quando nasceu nosso filho, foi a maior alegria".

A fotografia guardada com carinho lembra os momentos do noivado. (Foto: Arquivo Pessoal)A fotografia guardada com carinho lembra os momentos do noivado. (Foto: Arquivo Pessoal)

Juliana enfrentou momentos dolorosos ao perder duas gestações. "Não se sabe o porquê isso aconteceu, mas na segunda vez eu cheguei a desistir de ter outro filho. Foi quando eu descobri que estava grávida da Maria Vitória".

A filha que hoje tem 2 anos é também maior alegria na vida do casal e a certeza que tudo acontece no momento certo. "Foi tudo no tempo de Deus. Tanto que já tinha até acabado a nossa ansiedade por um filho".

Quatro meses depois de Maria Vitória nascer, Juliana descobriu um tumor no cérebro, com 6 centímetros. Sem causa ou a informação de cura, os médicos encaminharam ela para a primeira cirurgia 17 dias após o diagnóstico. Com parte do cabelo raspado e 42 pontos na cabeça, ela superou a expectativa médica, de uma recuperação demorada e, que talvez ela tivesse pensamentos confusos por conta do procedimento.

O que não aconteceu e Juliana se mostrou mais forte do que nunca. A recuperação em casa foi mais tranquila do que esperado. Ao lado do marido, ela chorou e sorriu a cada dia de recuperação, até que vieram os primeiros momentos da quimioterapia. "Foram 9 sessões de quimio e 30 de radioterapia. Por conta da radiação acabei perdendo os cabelos, mas isso era pequeno perto dos enjoos e tonturas", recorda.

No tratamento da doença tinham medicações a base de corticoide, que fizeram Juliana ganhar peso por conta do inchaço. Nem por isso, Juliana aceitou que a tristeza batesse a porta e, quem olha ela ao lado da família não imagina toda sua luta pela vida.

Família completa. (Foto: André Bittar)Família completa. (Foto: André Bittar)

"Quando eu soube da doença, eu me perguntei apenas se teria condições de ver a minha filha completar um ano. Olhava para o Davi e pensava o quanto ele é um excelente pai, mas como eu faria falta na vida deles. Então sempre peço a Deus para que eu possa ficar e cumprir essa missão. Até agora ele tem me deixado", descreve.

As quimioterapias foram suspensas em março deste ano e há um mês um exame apontou metástases no cérebro. "Por conta disso vou passar por uma nova cirurgia, dessa vez um pouco mais invasiva para retirar tudo que ainda ficou", explica.

Nada tira a confiança e o sorriso de Juliana. "A gente só consegue agradecer por ter chegado até aqui e ver que tudo está dando certo. Sou uma filha de 6 irmãos e tudo que eu desejei foi construir a minha família na simplicidade e ser feliz com a minha casa. Isso eu já conquistei e agora tenho certeza que essa fase vai passar com a cura".

Juliana é firme e forte, o que enche Davi de orgulho. "Eu a amo muito e acompanho ela em todos os momentos", afirma. Uma das lembranças que vem à cabeça é do casamento, de quando ele teve certeza que ela era a pessoa certa. "Encontrei nela tudo que eu esperava. E ali juramos que estaríamos sempre ao lado um do outro e por isso vamos vencer mais essa", diz o marido.

Curta o Lado B no Facebook.



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.