ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 26º

Comportamento

Aos 51 anos, Patricia tem coleção de Barbie que chega a R$ 3 mil

Desde 2005, Patricia coleciona as bonecas que apresentam modelos, cores e tamanhos diversos

Por Jéssica Fernandes | 15/05/2022 07:30
Em casa, Patricia guarda a coleção das 68 Barbies. (Foto: Kísie Ainoã)
Em casa, Patricia guarda a coleção das 68 Barbies. (Foto: Kísie Ainoã)

Tudo começou quando Patricia Loureiro, de 51 anos, viu numa loja do shopping uma Barbie com o cabelo e estilo diferentes. A beleza do brinquedo chamou a atenção dela e foi assim que, desde 2005, ela passou a colecionar os itens da Mattel. Nos últimos anos, Patricia fez doações e hoje possui 68 bonecas que são as mais especiais da coleção e guardadas com muito carinho.

Em casa, ela mantém as bonecas que apresentam diversos valores, formatos e acessórios. Na coleção, ela tem bonecas que custaram a partir de R$ 20, enquanto uma em especial saiu por R$ 3 mil. Algumas das Barbies pertencem a edições limitadas e são datadas de diferentes anos, por exemplo, 2000, 2006 e 2007.

Quem pensa que a Barbie é limitada à estética magra, loira e alta, descobre através da coleção da Patricia que não. Com muita versatilidade, os modelos apresentam versões asiáticas, orientais, indianas e negras, sendo que os looks também dão um show à parte.

Com diferentes modelos, Patricia tem até Barbie sem cabelo. (Foto: Kísie Ainoã)
Com diferentes modelos, Patricia tem até Barbie sem cabelo. (Foto: Kísie Ainoã)

De Mulher Maravilha a atriz Marilyn Monroe, Patrícia tem até Barbie versão punk e umas que imitam padrões de corpo que fogem do formato slim. Ao Lado B, a colecionadora falou sobre o significado que as bonecas têm na vida dela. "É uma coisa que gosto, vou comprando as que mais gosto e às vezes vai demorando. Eu coleciono Barbie Collector, importadas, algumas edições limitadas, mas acima de tudo tenho as bonecas que tocam meu coração”, afirma.

Patricia se considera uma colecionadora diferente do convencional, pois não se prende a questão quantitativa e sim a afetiva. Ao decorrer desses 15 anos, ela expõe que aprendeu a ter critérios na hora de adquirir as bonecas. “Eu aprendi a selecionar as mais bonitas e as que significavam alguma coisa para mim. Algumas não tem no Brasil, então tive que comprar de fora, mas entre os colecionadores fazemos comércio”, expõe.

Ela menciona que antes possuía mais Barbies, porém decidiu fazer uma doação de 60 bonecas. “Tinha muitas que eu comprava e não tinha nada a ver, então separei essas que ficavam no armário e doei num final de ano”, diz.

Patricia segura uma das bonecas Barbie que coleciona. (Foto: Kísie Ainoã)
Patricia segura uma das bonecas Barbie que coleciona. (Foto: Kísie Ainoã)

Com tanta Barbie em casa, ela revela quais são os modelos favoritos. “Eu gosto muito das orientais, asiáticas, negras e morenas”, fala. Uma em especial é a Sugar, que integra a coleção Byron Lars Barbie, lançada em 2006.  Essa boneca usa chapéu rendado com laço vermelho e tem o cabelo cacheado no tom puxado para o ruivo. Além desse detalhe, a Barbie veste meia arrastão, saia azul, uma blusa de manga clássica e luvas azuis.

Apaixonada pelo universo das bonecas, Patricia já foi matéria no Lado B para falar sobre outro modelo, as Blythes que tem o corpo em proporção menor que a cabeça. Cheias de estilo, elas tem olhos imensos e penteados diferentes. Por gostar da área, Patricia confecciona e cria bonecos, sendo que sua especialidade são os reborn.

Os reborn, que inglês significa "renascido, são bonecos que trazem traços semelhantes aos dos bebês humanos. Nesse trabalho, os detalhes e traços delicados são o que garantem o resultado único e realista.

Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias