ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 22º

Comportamento

Casal busca doadora de óvulos para realizar o sonho de ter filho

Ana e Carlos têm problemas que impedem a fertilidade e lutam para terem um filho desde 2007 e há pouco tempo descobriram chance

Por Lucas Mamédio | 11/08/2020 06:10
Ana e Carlos já possuem até algumas roupinhas (Foto: Henrique Kawaminami)
Ana e Carlos já possuem até algumas roupinhas (Foto: Henrique Kawaminami)

Aos 27 anos de idade posso afirmar que existe toda uma geração abaixo e um pouco acima de mim que enxerga a possibilidade de ter filho como remota. Tenho propriedade para dizer isso porque tenho muitos amigos da minha faixa etária que rechaçam o advento da paternidade e maternidade, com o argumento de que a vida de um possível filho fosse roubar a deles.

Sei que a responsabilidade de botar um ser humano no mundo é grande, ainda mais nesse mundo, e quem sou eu pra apontar o dedo pra alguém. Porém, se olharmos pra natureza - às vezes nossa arrogância nos impede de aceitar que somos natureza - veremos que o ser vivo mais simples do planeta tem como único motivo de sua existência passar seu gene pra frente. Existem espécies que só existem porque fazem um esforço pra existirem. E pasme, isso é o fim em si mesmo.

Ver a luta do casal de professores Carlos Eduardo Fernandes Damasceno e Ana Cristina Torres Nogueira Damasceno para serem pais é ter certeza que esse instinto existe, e algumas pessoas estão dispostas a irem até as últimas consequências para segui-lo.

Casal se conheceu em 2001 e se casou em 2006 (Foto:Arquivo Pessoal)
Casal se conheceu em 2001 e se casou em 2006 (Foto:Arquivo Pessoal)

Depois de 19 anos juntos e 14 de casados, eles buscam uma doadora de óvulos para poderem realizar um procedimento de fertilização in vitro. Essa modalidade da doação tem sido cada vez mais procurada por casais, pois tem um custo bem mais baixo que a tradicional.

Mas antes de chegamos a esse ponto, é necessário conhecer e entender o arco na história desses dois, que lutam pela gravidez desde 2007, como explica Carlos. “Após um ano de casados, ela parou de tomar os medicamentos contraceptivos e começamos "tentar engravidar". Ela sempre fez os acompanhamentos ginecológicos de rotina e esse meio tempo a mãe dela foi acometida de um câncer e faleceu, abalando ela emocionalmente até chegar ai principio de depressão”.

Ana possui um problema nas trompas (Foto: Henrique Kawaminami)
Ana possui um problema nas trompas (Foto: Henrique Kawaminami)

Passado o período difícil de luto, os dois retomaram o desejo do filho. “Após uma conversa com uma prima foi levantada a questão de que poderia haver algum impedimento mais sério comigo ou com ela, foi aí que começamos a procurar alguns especialistas e investigar as causas de não conseguir engravidar”, diz Carlos.

Primeiro ele descobriu que tinha um impedimento clínico para engravidá-la. “Comigo foi identificado uma varicocele, que são micro varizes na bolsa escrotal que impedem a produção sadia dos espermatozoides, causando deformidade e morte prematura. Passei por uma cirurgia para corrigir isso”, explica Carlos.

Numa infeliz coincidência, também forma descobertos impedimentos em Ana também. “Foi identificado uma anomalia nas trompas e um mioma que teve que ser retirado por uma intervenção cirúrgica, e com isso a tentativa de desobstrução das trompas. Após a cirurgia aguardamos seis meses para realizar outro exame de para verificar o resultado, houve uma pequena desobstrução de uma das trompas sendo que um dos lados está comprometido”, explica agora Ana.

Carlos diz que sonha o dia em que vai passar o Dia dos Pais com o filho (Foto: Henrique Kawaminami)
Carlos diz que sonha o dia em que vai passar o Dia dos Pais com o filho (Foto: Henrique Kawaminami)

O casal então foi para mais uma batalha. Eles procuraram um especialista em reprodução assistida após saberem que outros meios poderiam recorrer. “As opções que nos foi apresentada foi a FIV, fertilização in vitro, porém as condições financeiras nos limita a fazer esse procedimento, que chega a custar em torno de quase 30 mil reais”, lamenta Carlos.

Recentemente, com o auxílio de outro especialista, Carlos e Ana descobriram a possibilidade da doação de óvulos. Chegamos então ao ponto que partimos no começo da matéria.

Nessa modalidade a pessoa doa voluntariamente para o banco de óvulos da clínica, pois os óvulos serão utilizados também para outras mulheres que passam pela mesma situação. Com isso o casal arca apenas com as despesas do exame da doadora; todo o processo é voluntário, não envolve "comercialização" de óvulos, não há nenhum tipo de remuneração para a doadora, nem para nenhuma parte envolvida, se assemelha a doação de sangue.

“Isso nos deixou bastante animados, pois esse profissional que nos atendeu nos explicou tudo de uma forma bem clara e precisa, coisa que outros especialistas não fizeram. Com a FIV o fator idade já não é um problema, pois pode ser feita até uma idade aproximada de 50 anos, e eu que estou com 44 anos, estava com medo de engravidar nessa idade”, diz Ana.

A esperança agora é por uma doadora de óvulos (Foto: Henrique Kawaminami)
A esperança agora é por uma doadora de óvulos (Foto: Henrique Kawaminami)

Diante da nova descoberta que reacendeu a possibilidade de concretizarem o sonho de serem pais, a expectativa agora é de encontrarem essa doadora. “Estamos a procura de mulheres que queiram ser voluntárias para doação, porém a doadora deve obedecer alguns requisitos: gozar de boa saúde, ser maior de idade e ter até no máximo 30 anos”, pontua Carlos.

Passado recentemente, o Dia dos Pais mexeu mais uma vez com o professor Carlão, como é chamado. “Tenho muito esse desejo em meu coração, sou profissional de educação física, já atuei em berçário, educação infantil e isso me deixa muito emocionado, tenho vários sobrinhos, ela também, e sempre na data do Dia dos Pais fica aquela pontinha de esperança "será que ano que vem serei eu a comemorar?””.

Caso haja interesse em ser doadora você pode entrar em contato com Carlos pelo WhatsApp (67) 99247-9677.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.