ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  01    CAMPO GRANDE 13º

Comportamento

Como a música fez professora mudar a vida de alunos em aldeia terena

Projeto Sons da Aldeia resgata os saberes indígenas para as crianças na aldeia Babaçu.

Por Letícia Ávila | 28/03/2021 07:43
Crianças participam do projeto Sons da Aldeia. (Foto: Luciano Justiniano)
Crianças participam do projeto Sons da Aldeia. (Foto: Luciano Justiniano)

“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”. Tão importante quanto a educação é a preservação da nossa cultura. Pensando nisso, a professora indígena terena Marlene Rodrigues integra o projeto Sons da Aldeia, que leva a cultura indígena para comunidade da Aldeia Babaçu, em Miranda, por meio da dança, do artesanato e da música. As crianças, além de aprenderem atividades artísticas, também contribuem para levar para frente a própria história indígena de Mato Grosso do Sul.

Sentindo a necessidade de manter viva as tradições dos povos originais que ela mesma pertence, a professora desenvolveu o Projeto Sons da Aldeia em parceria com o Ipedi (Instituto de Pesquisa da Diversidade Intercultural). Desde 2015, o projeto leva atividades para as crianças no período extraclasse, dentro da escola municipal José Balbino na comunidade.

Projeto Sons da Aldeia levam arte indígena para crianças. (Foto: Luciano Justiniano)
Projeto Sons da Aldeia levam arte indígena para crianças. (Foto: Luciano Justiniano)
Artesanato, dança e música são artes do projeto. (Foto: Luciano Justiniano)
Artesanato, dança e música são artes do projeto. (Foto: Luciano Justiniano)

“Sempre tivemos a música muito presente dentro da nossa comunidade, mas eu percebi que isso vinha diminuindo”, lembra Marlene. Sentindo falta das músicas tradicionais tocadas com flautas, tambores e maracás, que acompanham as danças de bate pau, a professora percebeu que precisava trazer de volta para a aldeia as tradições indígenas terenas.

“Às vezes, as músicas vinham de caixa de som e não da nossa própria comunidade, das próprias pessoas. Senti que a nossa música estava sendo extinta aqui dentro, até mesmo sem os nossos instrumentos musicais”.

Crianças aprendem artesanato dentro da comunidade. (Foto: Luciano Justiniano)
Crianças aprendem artesanato dentro da comunidade. (Foto: Luciano Justiniano)
Projeto Sons da Aldeia ensina arte terena. (Foto: Luciano Justiniano)
Projeto Sons da Aldeia ensina arte terena. (Foto: Luciano Justiniano)

Com o projeto, todos os dias Marlene e outros professores foram resgatando as tradições culturais, incluindo a música, os instrumentos, a dança e o artesanato terena. “Começamos a confeccionar cestas, enfeites, acessórios, cerâmicas e também fazer comidas típicas”.

Com o apoio da escola, da comunidade, dos pais e dos alunos, o projeto foi ganhando vida. “Os próprios pais e artesãos da comunidade também participam ativamente das oficinas”. As atividades cresceram tanto que surgiram até equipes de apresentação. “As crianças ficaram felizes, desenvolvemos equipes de danças para homens e também para mulheres, além de artesãos que se apresentaram para diversos visitantes do país”.

Professora Marlene Rodrigues (à direita) e Professora Denise Silva. (Foto: Luciano Justiniano)
Professora Marlene Rodrigues (à direita) e Professora Denise Silva. (Foto: Luciano Justiniano)
Crianças produzem artesanatos e instrumentos musicais. (Foto: Luciano Justiniano)
Crianças produzem artesanatos e instrumentos musicais. (Foto: Luciano Justiniano)

Em um mundo com tantas influências globalizadas, músicas e danças estrangeiras, a professora percebe a necessidade de voltarmos para a nossa própria história com orgulho. “Tudo conspira para que as crianças e jovens não valorizem a própria cultura. A escola tem esse papel de trazer de volta essas tradições importantes”, ressalta Marlene.

Quem também reconhece a importância desse resgate é Natália Rodrigues, mãe da Ayumi Vitória, de sete anos, que participa do projeto. “Desde pequena, ela teve esse interesse em estar envolvida nas atividades dentro da comunidade. Antes da pandemia, principalmente, estava sempre envolvida na dança, fazendo colares e pulseiras”.

Ayumi Vitória participa dos projetos da comunidade. (Foto: Arquivo Pessoal)
Ayumi Vitória participa dos projetos da comunidade. (Foto: Arquivo Pessoal)

Natália também é artesã e produz brincos e colares, além de trabalhos em cerâmica. A mãe da menina percebe que o projeto é importante para preservar a cultura terena. “Hoje em dia, a gente encontra muita dificuldade em manter a nossa identidade, nossa originalidade. Como mãe, é muito importante pra mim dela estar participando e também crescendo com as nossas tradições”.

“A gente veio perdendo nossa cultura, de inclusive não ser tratado como indígena fora da aldeia. Com os aprendizados, as crianças crescem preservando a nossa cultura”, reflete Natália.

Comunidade participa do projeto Sons da Aldeia. (Foto: Ipedi)
Comunidade participa do projeto Sons da Aldeia. (Foto: Ipedi)

Natália ressalta que com a pandemia, muitas atividades tiveram que ser interrompidas, mas que ela tenta manter a arte dentro de casa. “A dança, a pintura, algumas atividades pararam, mas eu como mãe passo isso para meus filhos em casa, ensinando pra eles o que eu sei, fazendo brinco, colares, mexendo com argila, aprendendo as nossas comidas típicas e também a fazer nossas roupas tradicionais”.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário