ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  09    CAMPO GRANDE 12º

Comportamento

De perseguir ônibus a marido, Priscila vive de tudo como motorista

Após superar a depressão, ela faz vídeos onde conta as histórias engraçadas que passa com os passageiros

Por Jéssica Fernandes | 17/04/2022 07:10
Priscila começou a trabalhar como motorista de aplicativo em 2019. (Foto: Arquivo pessoal)
Priscila começou a trabalhar como motorista de aplicativo em 2019. (Foto: Arquivo pessoal)

O bom humor e a vontade de ter outra perspectiva de vida ajudaram Priscila Luz, de 28 anos, a sair de um quadro depressivo e fazer a diferença no cotidiano das pessoas. Motorista de aplicativo, ela conquistou 19 mil seguidores no Instagram após postar vídeos engraçados sobre a rotina de trabalho em Campo Grande.

Antes de rodar a cidade levando passageiros para todos os lugares, Priscila atuava em uma empresa de consórcio. Na época, ela comenta que adoeceu e tudo piorou quando teve que declarar falência. “Eu estava em ascensão e tinha orgulho da minha carreira, mas comecei a ter crise, entrei em depressão e acabei falindo, porque não conseguia trabalhar”, expõe.

Como se não bastasse as dificuldades financeiras, a motorista passou por um processo de divórcio no mesmo período. Mãe de dois meninos, Priscila relata algumas das dificuldades que vivenciou. “Em agosto de 2019 tentei me matar, deixei mensagens para minha familia, mas naquele dia vi que não poderia continuar assim e comecei a tratar minhas doenças. Tive que reconstruir minha vida sem nada e em uma depressão”, afirma.

Confira o vídeo na íntegra:

No mesmo ano, Priscila começou a trabalhar como motorista de aplicativo, porém sentia vergonha. Após a tentativa de suicidio, ela deixou esse sentimento de lado e passou a se dedicar à nova rotina. As situações aleatórias buscando os passageiros e os deixando no destino solicitado acabaram rendendo histórias divertidas. “Foi quando decidi que ia trabalhar e, desde então, é o que eu venho fazendo. Conversando com os amigos, eles falaram que eu tinha que contar as histórias e criar um canal”, fala.

Só em 2020, a profissional começou a gravar vídeos e postar stories relatando as situações com bom humor. Por achar que as narrativas não iram chamar a atenção, Priscila ficou surpresa ao ver a reação das pessoas no Instagram e Tik Tok. “O pessoal foi gostando, se interessando e se identificando. Eu só descobri a importância quando as pessoas começaram a mandar mensagens no direct. Elas falavam que mostravam os vídeos para a família e todo mundo ria”, conta.

Há dois anos na profissão, a motorista já passou diversos perrengues, lidou com situações desagradáveis e conseguiu ajudar algumas pessoas que encontrou no caminho. “Tem muita situação, a rotina é meio louca, porque é corrido e eu tenho dois filhos. A gente tem que se virar e tentar achar tempo para trabalhar e tem muita história engraçada”, destaca.

No Instagram, ela brinca com situações do trabalho que desempenha. (Foto: Arquivo pessoal)
No Instagram, ela brinca com situações do trabalho que desempenha. (Foto: Arquivo pessoal)

Entre as histórias inusitadas, Priscila lembra uma das primeiras que aconteceu com ela. “Teve uma vez que levei uma menina que foi atrás do marido para ver se estava sendo traída. Na hora que ela entrou para dentro da casa, pensei que teria que entrar caso acontecesse alguma coisa, mas não. No fim ela pegou a traição e voltou para o carro”, recorda.

Ela conta que certa vez ficou sensibilizada com a situação de uma passageira. “Uma senhora estava indo levar o filho para fazer uma consulta, mas foi na época da pandemia e, às vezes, era difícil conseguir. Eu peguei o número dela e fui atrás para conseguir remédio”, diz. Outro dia, Priscila acabou “perseguindo” um ônibus. “Esses dias uma mulher perdeu o ônibus à noite, eu estava com uma passageira e fomos atrás do ônibus para ela pegar”, comenta.

Hoje, ela garante que é outra pessoa e mudou completamente a forma como vê a vida. “Eu não tenho dinheiro, vivo lascada, mas sou uma pessoa mais feliz”, ri. Ela revela que parou de reclamar e ter outra perspectiva sobre o que vivia. “Teve uma época da minha vida que eu só reclamava, não conseguia ver o lado cômico, depois voltei a levar tudo com humor e isso tem me ajudado muito”, ressalta.

Além do humor, a motorista relata que desenvolveu um lado mais empático após os três anos de trabalho e luta contra a depressão. “Eu sou outra pessoa, a gente fica mais humano e consegue ter mais empatia”, finaliza.

Quem quiser acompanhar a rotina e conferir os vídeos, o Instagram dela é @umamotoristaa

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias