ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 32º

Comportamento

Ela mora no RJ, mas espalha aos quatro ventos que é louca por Mato Grosso do Sul

Elverson Cardozo | 03/04/2013 06:35
Mariana está no Rio de Janeiro desde 2008, mas não esquece a terra onde nasceu. (Foto: Arquivo Pessoal)
Mariana está no Rio de Janeiro desde 2008, mas não esquece a terra onde nasceu. (Foto: Arquivo Pessoal)

Campo-grandense, apaixonada por Mato Grosso do Sul, Mariana de Barros Oliveira, de 35 anos, só percebeu que a terra que havia nascido não era tão conhecida quando deixou Mato Grosso do Sul para morar no Rio de Janeiro, em 2008. À época, a advogada estava “em busca de algo que amasse”, mas não sabia direito o que queria como carreira. Acabou descobrindo e hoje trabalha com marketing digital.

Foi na Capital Fluminense, onde mora até hoje, que Mariana percebeu o desconhecimento acerca do Estado que tinha saído. A principal confusão girava em torno da localização geográfica, o que continua a acontecer até hoje.

Inconformada, a sul-mato-grossense resolveu criar uma página no Facebook, a “Mato Grosso do Sul, por favor”, que já tem mais de 27,5 mil seguidores. Em seguida veio a “I Love MS”, que hoje soma quase 3 mil assinaturas na rede social.

Em ambas são divulgadas as “coisas boas” de MS, curiosidades da região, gastronomia, aspectos culturais e dicas para quem pretende conhecer o Estado. O destaque, no entanto, vai para os erros cometidos pelos meios de comunicação de todo país, que acabam trocando MS por MT.

“Por muitas vezes, discuti e até dei aulas de geografia para as pessoas. Inicialmente, minhas reclamações, nas mídias socias, eram postadas no meu próprio perfil e em sua maioria referiam-se a divulgações errôneas feitas pela imprensa nacional”, disse.

As “mancadas” ganharam um álbum exclusivo e o apoio dos seguidores que enviam registros de erros cometidos na internet, na TV, em jornal impresso e por aí vai. O esforço tem mostrado resultados.

Citados nas publicações, muitos dos veículos, após apelos de internautas, se vêem na obrigação de pedirem desculpas, mesmo que por um comentário, como foi o caso do Jornal do Brasil, que publicou uma matéria dizendo que o Príncipe Harry, da Inglaterra, estava no “Pantanal Mato-Grossense”.

Print do pedido de desculpas feito pelo jornal do Brasil. (Foto: Reprodução/Facebook)
Print do pedido de desculpas feito pelo jornal do Brasil. (Foto: Reprodução/Facebook)

Depois da “cobrança”, das ligações à redação, a chefia, utilizando o perfil do jornal, se retratou. Vitória para quem vive batalhando, divulgando e tentando tornar MS mais conhecido. “O erro eu não conto como negativo para o Estado. Conto como forma de protesto”, explica.

Apesar das “campanhas”, Mariana afirma que o número de reclamações tem aumentado. Só em fevereiro, por exemplo, foram três erros. O motivo? “Desinteresse mesmo. [...] Posso falar cem vezes para uma pessoa que sou do Mato Grosso do Sul, mas ela sempre vai falar Mato Grosso. Não sei explicar o porquê”, arriscou.

A parte boa - Mas não é só pelo aspecto “negativo” que a administradora das páginas faz a “propaganda” de MS. Há iniciativas que tem agradado muita gente, como o álbum “giro do tereré no Brasil e no mundo”, um espaço destinado a fotos de internautas consumindo a bebida típica. Os registros atravessam a fronteira.

Suzy Matos, de Ponta Porã, foi uma das que enviou foto para publicação na página, no albúm 'giro do tereré no Brasil e no mundo'". (Foto: Reprodução/Facebook)
Suzy Matos, de Ponta Porã, foi uma das que enviou foto para publicação na página, no albúm 'giro do tereré no Brasil e no mundo'". (Foto: Reprodução/Facebook)

Outro destaque é o “Pórticos de MS”, álbum coletivo que tem o intuito de catalogar os monumentos que marcam as divisas dos 79 municípios. Fotos da fauna e flora e das manifestações culturais também ganham espaço.

Fora as páginas na rede social, Mariana mantém, ainda, um blog. No espaço, divulga os eventos regionais, notícias sobre a região e receitas de comidas típicas, como o peixe pantaneiro e até o arroz boliviano, que conquistou os amigos da fronteira.

Com o sucesso e aceitação dos projetos, a analista de mídias sociais também resolveu criar uma loja virtual, um “f-commerce”, comércio pelo Facebook, onde vende produtos relacionados à cultural local, desde adesivos às camisas personalizadas.

Camisa vendida na loja virtual. (Foto: João Garrigó)
Camisa vendida na loja virtual. (Foto: João Garrigó)

Contrariando as expectativas, o maior público é “de fora”, do interior de São Paulo, Sul do Brasil e até do Mato Grosso. “Há vários Sul-Mato-Grossenses saudosos espalhados pelo Brasil e pelo mundo, apaixonados por essa terra e que gostariam de ter algo que lembrasse sua origem”, afirmou.

A confecção de produtos, na opinião dela, ajuda a divulgar o Estado e o país. Não é só uma marca, “é a identidade e a cultura de um povo”.

Mariana garante que faz tudo por amor e que o lucro que tem acaba rendendo, no máximo, uns mimos para a cadelinha de estimação. Apesar da paixão, a Sul-Mato-Grossense, que hoje mora no Rio de Janeiro, ainda não sabe se quer voltar a morar no Estado. “Você cria relações de amizades, tenho uma casa... Amo o que faço, falar de MS. Caso cresce a ponta de voltar, eu volto, sem problemas, mas não gosto de criar muita expectativa. Pode não crescer o tanto que eu gostaria”, declarou.

Nos siga no Google Notícias