A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 22 de Maio de 2019

17/05/2019 07:20

Entre tantas profissões, o que a criançada mais quer é salvar vidas

Em projeto sobre o dia das profissões, militares do Corpo de Bombeiros ganharam disparados como sonho da criançada

Danielle Valentim
Visita divertida e cheia de aprendizado animou a galerinha. (Foto: Kísie Ainoã)Visita divertida e cheia de aprendizado animou a galerinha. (Foto: Kísie Ainoã)

O clima ameno cancelou o banho de mangueira, mas a criançada da Associação Beneficente Girassol, lá no Jardim Anache, finalmente conheceu os ídolos que passam o dia salvando vidas, combatendo incêndio e, é claro, resgatando gatinhos de árvores.

Um projeto pedagógico sobre as profissões revelou um encantamento fora do comum pela atuação dos bombeiros militares. Entre tantas opções, a profissão ganhou disparada como o ofício mais admirado pelos alunos.

O Lado B foi acompanhar a visita que começa com a chegada da viatura, palestra e, por fim, visita ao interior da grande viatura. Na Associação, ia rolar um banho de mangueira, mas com o cancelamento outras atividades foram realizadas.

Os gêmeos Enzo e Júlia: Bombeiros treinam para ser Bombeiros disseram. (Foto: Kísie Ainoã)Os gêmeos Enzo e Júlia: "Bombeiros treinam para ser Bombeiros" disseram. (Foto: Kísie Ainoã)
Pega gatinho na árvore, disse Leandro Rafael sobre o que o Bombeiro faz. (Foto: Kísie Ainoã)"Pega gatinho na árvore", disse Leandro Rafael sobre o que o Bombeiro faz. (Foto: Kísie Ainoã)

Assim que a palestra começa, um dos militares lança a pergunta: quem sabe o que o bombeiro faz? Afiados no assunto, não demoram muito para começar: “Ele corta árvore”; “pega gatinho na árvore”; “apaga incêndio”; “treina muito para ser um bombeiro”.

Os assuntos da aula diferente são variados e vão da travessia correta na faixa e pedestres à imprudência do trote. Todos ficaram muito atentos enquanto os heróis fardados explicavam muito assuntos. Com o número 193 decorado, a aluna Rebeca Duarte, de 5 anos, admira a coragem no combate as chamas. “Eu achei legal conhecer eles hoje”, disse.

Conhecendo os novos amigos, Enzo Chaves de 4 anos estava muito empolgado. “Eu quero ser bombeiro porque eles apagam fogo e salvam gatinhos da árvore com uma escada branca. Eu nunca tinha visto eles de perto”, disse Enzo Chaves.

Rebeca decorou o 193. (Foto: Kisie Ainoã)Rebeca decorou o 193. (Foto: Kisie Ainoã)
Enzo Chaves de 4 anos estava muito empolgado. (Foto: Kísie Ainoã)Enzo Chaves de 4 anos estava muito empolgado. (Foto: Kísie Ainoã)

O comandante da equipe da ABT49 – Auto Bomba, composta por cinco militares, o sargento Erivaldo Rodrigues de Andrade explica que as palestras podem ser requisitadas pelos diretores. Ainda segundo ele, a equipe vai até a escola, mas permanece em aleta para possíveis chamados.

“As visitas fazem parte do Projeto Bombeiros na Escola. A direção faz o ofício ao comando e eles determinam que a gente vá às escolas e faça a palestra. Estamos aqui, mas se tocar alguma ocorrência e outras equipes não puderem ser despachadas, guardamos o material e vamos atender o fato, podendo retornar após o atendimento”, pontua.

O sargento Ricardo Dias faz parte do grupo e até ensinou música aos aluninhos. “Isso é maravilhoso porque assim trabalhamos com as crianças e com a família, que as vezes ficam sabendo coisas por eles”, disse.

Sargento Ricardo disse que é uma alegria poder ensinar as crianças e de alguma forma levar o conhecimento às família dos alunos. (Foto: Kísie Ainoã)Sargento Ricardo disse que é uma alegria poder ensinar as crianças e de alguma forma levar o conhecimento às família dos alunos. (Foto: Kísie Ainoã)
Comandante da equipe da ABT49 – Auto Bomba, composta por cinco militares, o sargento Erivaldo Rodrigues de Andrade explica que as palestras podem ser requisitadas. (Foto: Kísie Ainoã)Comandante da equipe da ABT49 – Auto Bomba, composta por cinco militares, o sargento Erivaldo Rodrigues de Andrade explica que as palestras podem ser requisitadas. (Foto: Kísie Ainoã)

O secretário e marido da fundadora, Teodomiro Morais de Almeida, de 69 anos, conta que está na função desde a primeira ata. “Neida segura às pontas e eu sou quase um Bombeiro apagando o fogo. Quando ela precisa eu entro em ação. Agora a Josi (diretora) que detecta os problemas, pois está aqui todos os dias”, pontua.

Com 23 anos de história, a Associação Beneficente Girassol foi fundada em agosto de 1995 atendendo a um chamamento da campanha do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, junto ao Banco do Brasil. Neida Jussara Rodrigues de Almeida, hoje com 66 anos, era funcionária do banco e decidiu abraçar a causa.

Na época, o bairro muito carente precisava de uma creche que o poder público não tinha condições de construir. Com apoio do comitê dos funcionários e Fundação do Banco do Brasil, o prédio foi construído em área pública. Dez anos depois, a associação também recebeu apoio da Pró-Vida para a construção de um anexo, já que o espaço passou a ficar pequeno.

“O espaço já chegou a atender 180 crianças. Atualmente, a creche recebe recurso da Fundeb e prefeitura municipal de Campo Grande. “Estamos com uma equipe boa e dinâmica”, pontua o secretário e marido da fundadora.

O secretário e marido da fundadora, Teodomiro Morais de Almeida, de 69 anos, conta que está na função desde a primeira ata. (Foto: Kísie Ainoã)O secretário e marido da fundadora, Teodomiro Morais de Almeida, de 69 anos, conta que está na função desde a primeira ata. (Foto: Kísie Ainoã)

A pedagoga e diretora da Associação Girassol, Josi Maria Neves das Graças, de 40 anos, explica que a creche serve quatro refeições diárias a crianças de sete meses a cinco anos. São 120 crianças matriculadas. Todos os profissionais são pedagogos formados, além de um assistente social e um professor de educação física.

“Temos dois berçários, um com crianças de 7 meses a 1 ano e 4 meses, outro com crianças de 1 ano e 4 meses a dois anos. Temos duas salas de nível I, uma sala de nível II, dois pré-escolas e um projeto de reforço escolar que atende alunos da Escola João Cândido no contraturno escolar”, explica a diretora.

Uma das exigências da Semed (Secretaria Municipal de Educação) é de que espaço como a Associação Girassol desenvolva projetos pedagógicos com as crianças. Diante do Dia do Trabalhador, a unidade decidiu focar nas profissões. Todas as salas produziram trabalhos e a surpresa veio com a escolha unânime do ofício de bombeiro.

A pedagoga e diretora da Associação Girassol, Josi Maria pontua que a unidade possui 120 crianças matriculadas. (Foto: Kísie Ainoã)A pedagoga e diretora da Associação Girassol, Josi Maria pontua que a unidade possui 120 crianças matriculadas. (Foto: Kísie Ainoã)
Fico lisonjeada em fazer parte desta equipe”, frisa a coordenadora Syrlene, que teve a ideia de chamar os militares.(Foto: Kísie Ainoã)"Fico lisonjeada em fazer parte desta equipe”, frisa a coordenadora Syrlene, que teve a ideia de chamar os militares.(Foto: Kísie Ainoã)

“Todos têm aquela visão de herói e nossa coordenadora agilizou a visita dos militares aqui. Nós também chamamos a dona Neide como forma de homenagem, mas por motivos de saúde ela pode vir, mas está representada por seu marido. A associação é o coração dela, que levantou tudo isso tijolinho por tijolinho”, pontua Josi.

A pedagoga e coordenadora da unidade Syrlene Pinheiro Gonçalves, de 43 anos, viu o diferencial dos alunos e elogia a equipe da unidade.

“Desde que cheguei aqui eu me encantei com as crianças e equipe. Creche sempre tem aquela cultura de um lugar só de cuidados, mas agora se brincar eles nos ensinam. É diferente de antigamente. Por aqui desenvolvemos muitos projetos, por se importar com o lado pedagógico, não só do cuidado, e decidimos trabalhar as profissões. Como se tratava de crianças de faixa etária pequena colocamos três profissões com cada turma. Foi onde surgiu esse encantamento pelo Corpo de Bombeiros. Fico lisonjeada em fazer parte desta equipe”, frisa.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Confira mais fotos da Kísie Ainoã durante a visita:




imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.