ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 27º

Comportamento

No desafio de organizar um casamento homoafetivo, cerimônia terá até dois buquês

Paula Maciulevicius | 25/11/2013 06:25
Julian e Gustavo protagonizam o casamento homoafetivo com direitos que vão além do papel: de uma festa como os casamentos convencionais. (Fotos: Marcos Ermínio)
Julian e Gustavo protagonizam o casamento homoafetivo com direitos que vão além do papel: de uma festa como os casamentos convencionais. (Fotos: Marcos Ermínio)

Na quarta-feira desta semana eles sobem ao altar para dizer o ‘sim’ um ao outro. Vestidos de branco e marinho, o casal cruza ocorredor na cerimônia juntos, carregando nas mãos um terço e nos olhos, a emoção de ver o dia chegar.

O produtor de moda Julian Medina e o maquiador profissional Gustavo Make protagonizam o casamento homoafetivo com direitos que vão além do papel. O que a Justiça lhes garantiu em maio deste ano, eles celebram com discrição, mas toda pompa e circunstância de um casamento convencional. A cerimônia inclui uma manifestação laica, com jantar, bem-casados e até a jogada de dois buquês para os solteiros. Tanto elas, como eles.

Foram quatro meses de planejamento e contagem regressiva para o grande dia. A decisão de se casarem foi para oficializar a união por questões de direito. “No plano de saúde já perguntaram o vínculo e como não temos o mesmo sobrenome, havia certa resistência. Mas a partir do momento em que foi estabelecido o casamento, não tivemos dificuldade, vamos oficializar pela questão jurídica e por ser bastante importante para nós”, explica Julian.

Apesar de estarem juntos há alguns anos, o casal mantém uma postura contida por questões até profissionais. Aceitar a falar do casamento não foi visto como exposição e sim como serviço à população que pretende dizer sim ao companheiro e também para o mercado dos matrimônios, que deve se adequar aos noivos de mesmo sexo.

Para Julian, o casamento é até uma forma de demonstrar aos amigos e familiares de que tudo é possível.
Para Julian, o casamento é até uma forma de demonstrar aos amigos e familiares de que tudo é possível.

Em quatro meses, o que para muitos noivos seria um período de arrancar os cabelos, Julian e Gustavo garantem ter sido tempo suficiente para planejar o enlace. Como Gustavo trabalha no meio, a cerimônia dos dois foi uma mera questão de detalhes. “A gente já sabia os profissionais que queríamos e deixamos eles muito à vontade para chegar e falar não”, conta Gustavo. Mas a reação dos fornecedores e do cerimonial, escolhidos à dedo, foi oposta. Ninguém recusou, todos disseram ‘sim’ como se declarassem à sociedade que todo noivo tem direitos iguais.

Para Julian, o casamento é até uma forma de demonstrar aos amigos e familiares de que tudo é possível. Nos preparativos, desde a joalheria para a escolha das alianças, até a loja que recebeu a lista de casamento dos noivos, não houve qualquer olhada diferente, ou trejeito que pudesse ser interpretado como preconceito.

“Estamos abrindo caminhos”, destaca o produtor. E de fato estão. Enquanto nos cartórios, os formulários ainda colocavam os dados de ‘noivo’ e ‘noiva’, a própria funcionária admitiu que eles teriam de se adequar.

“A cerimonialista colocou nossa foto junto dos casais convencionais. Perguntamos, mas você vai colocar? Ela disse claro”, contam.

A cenografia teve de ser criativa. Nenhum dos dois queria botão de rosas, por exemplo. “E eles foram adaptando à nossa personalidade, o que a gente gosta, de design contemporâneo”, avaliou Julian.

Gustavo conta que deixou os fornecedores à vontade e para surpresa deles, ninguém recusou o convite de fazer a cerimônia.
Gustavo conta que deixou os fornecedores à vontade e para surpresa deles, ninguém recusou o convite de fazer a cerimônia.

Entre a lista de convidados, um número restrito de familiares e amigos, os quais Julian e Gustavo sentiam certa obrigação de devolver tanto carinho. Parte deles são religiosos e até pensando em não constragê-los diante disso, os noivos pensaram na cerimônia laica.

“Até isso, esse paradigma foi quebrado. Todos eles aceitaram o convite, só tem uma madrinha que não vai poder vir, porque sofreu um acidente. Foi a nossa surpresa”, descreve Julian.

O bom atendimento em todas as áreas de um casamento é visto por eles como reflexo da postura que adotaram, de serem acima de um casal, consumidores.

Das tradições do grande dia, apenas a marcha nupcial foi substituída pela música de Maria Gadú na entrada. Antes dos noivos passarem, uma dama deixa flores no caminho e as alianças serão levadas por uma adulta, amarradas em uma bola de pérola. Na troca das alianças, Ave Maria, cantada por Juci Ibanez embala o momento.

O pode beijar que vai ficar para depois. O beijo que sela o fim dos casamentos não será dado na presença dos convidados, com a justificativa de evitar qualquer situação de constrangimento. Como um ato íntimo, o primeiro beijo como casados será dado sem plateia.

“As pessoas precisam ver como é um casamento. Somos cidadãos de direitos iguais”, diz os noivos, que muito em breve, estarão casados.

Nos siga no Google Notícias