A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Maio de 2019

02/01/2019 08:45

Peixinho e Peixinha são casal antigo de taxistas, cheio de histórias de pescador

Juntos há quarenta anos, o casal viveu época de ouro dos táxis e superou acidente que quase os matou em 2016

Gustavo Maia
Daniel e Zenilda ninguém sabe quem são. Mas se perguntar pelo Peixinho e pela Peixinha, todo mundo conhece. (Foto: Gustavo Maia)Daniel e Zenilda ninguém sabe quem são. Mas se perguntar pelo Peixinho e pela Peixinha, todo mundo conhece. (Foto: Gustavo Maia)

Daniel Peixinho é taxista há 45 anos. Depois de 10 anos em firma de caminhoneiros, decidiu largar o emprego e com 24 mil reais conseguiu comprar o carro do ano, uma Rural Willys, que hoje seria como ter um Camaro ou um Corola. “Eu saia na rua, todo mundo ficava olhando. Lá em Coxim quase parou a cidade”, brinca ele.

Logo mudou de carro e também de cidade. Chegando em Campo Grande, ganhou um ponto de táxi para trabalhar. “O primeiro ponto que eu trabalhei aqui em Campo Grande, com o Chevette amarelo que eu tinha na época, foi o ponto do Extra, ali na Maracaju. Naquele tempo os táxis podiam ter cor, não precisava ser branco. Mas eu trabalhei em vários pontos aqui da cidade. Só no aeroporto foram 16 anos”, lembra.

Peixinho é sobrenome, registrado em documento e tudo, apesar de quase ninguém acreditar. Por isso, a esposa, Zenilda Peixinho, de 55 anos, não poderia ficar muito diferente. Acabou ganhando o sobrenome do marido e o apelido de Peixinha. “Todo mundo pensa que Peixinho é o apelido dele, porque todo taxista tem um apelido, e ele acabou ficando sem apelido, ficou Peixinho e eu Peixinha”, explica ela, que está na profissão há seis anos.

Daniel mostra o RG com peixinho desenhado na assinatura. (Foto: Gustavo Maia)Daniel mostra o RG com peixinho desenhado na assinatura. (Foto: Gustavo Maia)

Nesses anos como taxistas, eles já viram de tudo. O que não falta é história pra contar. Peixinha diz que certa vez um passageiro esqueceu uma maleta com 15 mil reais no carro, que ela devolveu sem cobrar nem um tostão. “Fiquei só com o ‘obrigado’ dele. Mas o prazer foi meu, porque a gente tem uma responsabilidade, um nome a zelar”, explica ela. Já Peixinho, teve um pouco mais de sorte: já ganhou 100 dólares por devolver a mala a um cliente.

Algumas histórias parecem coisa de pescador, mas Peixinho garante que aconteceram mesmo, como a do dia em que os bandidos desistiram de assaltá-lo, simplesmente pelo bom papo do taxista. “Peguei uma viagem para levar três homens de Coxim até Rio Verde. E eu fui contando história, contando piada, porque toda vida eu fui alegre. Quando a gente chegou em Rio Verde, eles disseram ‘seu Peixinho a gente ia te matar, mas não vamos fazer isso não’. Eles me mostraram a mala deles, cheia de armas. Mas eles me mandaram ir embora, disseram que não era para contar para ninguém e ainda pagaram a corrida”, conta ele, emendando em outro causo, desta vez aqui em Campo Grande. “Uma vez eu peguei um pessoal que era bandido, mas eu não sabia. Eu só vi na hora que eles saíram correndo de uma loja e entraram no carro e tinha um cara correndo atrás deles. Mas eu tive que sair correndo com o carro, levar eles. Mas essas coisas só aconteciam naquela época, hoje não tem mais isso”.

Dona Peixinha sente que, ao contrário do que acontece em outras áreas da sociedade, a violência contra os taxistas da capital tem diminuído ao longo dos anos. “A população vai crescendo e a violência só vai aumentando, mas para os taxistas é o contrário. Aqui em Campo Grande antigamente era muito mais perigoso pros taxistas. Teve uma época que os taxistas se revoltaram e começaram a caçar eles mesmos os bandidos. Hoje se a polícia vê um táxi em algum lugar isolado, vai lá ver o que tá acontecendo. Às vezes eu tô parada no sinal com passageiro, eles param a viatura do lado do táxi e perguntam se tá tudo bem”, relata ela.

E seu Peixinho relembra o tempo em que eles eram constantemente alvo de bandidos e a resposta era como em terra sem lei. “Era difícil um final de semana que não aparecia um morto por aí. Aí chegou num ponto que alguns taxistas começaram a atropelar os bandidos que assaltavam a gente, às vezes linchavam. Eu nunca participei, mas era assim”, lembra.

Dona Peixinha mostra revistas que dá aos passageiros. (Foto: Gustavo Maia)Dona Peixinha mostra revistas que dá aos passageiros. (Foto: Gustavo Maia)

Contabilizando mais de 40 anos como taxista, Daniel construiu sua história transportando passageiros. Peixinho diz que já carregou tanta gente, que boa parte da cidade já ouviu falar dele. “Conhecido em Campo Grande inteira, você pode chegar em qualquer ponto de táxi e perguntar pelo Peixinho, que todo mundo sabe. Hoje tem muita gente nova, mas quem trabalhou com táxi nos últimos 40 anos vai saber”, garante ele.

Peixinha completou 55 anos na véspera de ano novo, mas a rotina na casa não teve qualquer alteração. Eles são Testemunhas de Jeová, por isso não comemoram aniversários. Quem pega táxi com ela ouve sempre um pouco sobre Deus. “Ganha uma revista com a nossa mensagem. Daí eu aproveito e falo um pouco de Jesus pra pessoa”, explica.

Ela conta que todo taxista tem um pouco de psicólogo e acaba ouvindo os desabafos dos clientes, que nem sempre estão bem. “Às vezes estão doentes, estão tristes, de cabeça quente. A gente encontra todo tipo de gente. Esses dias eu levei uma senhora, que tava reclamando de solidão. Ela estava procurando novas amigas para ir pro parque, fazer caminhada, fazer exercícios, um lanche, porque as amigas dela não querem mais saber dessas coisas, só querem festas, coisas mais agitadas. Ela contou que só vive assistindo TV e dormindo, nessa solidão”, relata.

Peixinha explica que aprender a ouvir as pessoas faz parte do treinamento do taxista. “Nós passamos por uma preparação, todo taxista faz um curso de como atender as pessoas, seja feliz, estressado, nervoso, triste, todo mundo. Porque senão o taxista vira uma pessoa insuportável, que carrega os problemas de um e descarrega no outro”.

Hoje aposentado, Peixinho cuida do lar enquanto Peixinha trabalha. (Foto: Gustavo Maia)Hoje aposentado, Peixinho cuida do lar enquanto Peixinha trabalha. (Foto: Gustavo Maia)

Peixinho não teve estudo, aprendeu a assinar o nome quando serviu ao Exército e só foi aprender a ler quando se tornou testemunha de Jeová, com a ajuda da bíblia. “Eu nunca entrei num colégio. Foi no Salão do Reino das Testemunhas de Jeová que eu aprendi a ler, na escolinha que a gente tem lá”, conta ele.

Casado com Peixinha há mais de 40 anos, ele agradece à companheira que sempre o apoiou em todos esse anos. “É difícil ver hoje em dia uma mulher bonita que nem ela com um velho que nem eu. Eu sou 20 anos mais velho que ela, tô doente, mas ela está sempre junto comigo, seja na tristeza, na alegria, na doença, em tudo. Se não fosse ela eu tinha morrido. Ela ficou dois meses sem trabalhar, só cuidando de mim”, reconhece ele.

Apesar das dificuldades, Peixinho não deixa de encarar a vida com alegria. (Foto: Gustavo Maia)Apesar das dificuldades, Peixinho não deixa de encarar a vida com alegria. (Foto: Gustavo Maia)

O acidente sofrido por eles em agosto de 2016 quase interrompeu a história do casal e o levou à aposentadoria. No fim de mais um dia de trabalho no ponto do Aeroporto, eles voltavam para casa. “Saímos do aeroporto já era uma duas horas da manhã”, conta Peixinha. “Eu vinha dirigindo pela avenida Mato Grosso e quando entrei numa rotatória um carro bateu na traseira do táxi e a gente saiu capotando umas três vezes. O carro parou com as rodas pra cima, até o motor do carro saiu. Mas Deus é tão bom que na hora iam passando dois bombeiros que estavam de folga. Eles que atenderam a gente”, relata a taxista.

Seu Peixinho fala dos maus bocados que passou, sempre lembrando de agradecer por estar bem. “Eu quase morri, mas ainda não era a hora. Eu quebrei o pescoço, fiquei em coma quase 15 dias. Depois que eu acordei, ainda fiquei internado quatro meses, e depois mais quatro meses na cadeira de rodas em casa. O médico achou que se eu sobrevivesse, ia perder os movimentos dos membros, porque eu quebrei a medula”, conta ele, comemorando o fato de hoje estar bem vivo e ainda conseguir andar, mesmo que se apoiando nas paredes da casa.

Para o casal Peixinho e Peixinha, uma coisa é certa nessa vida: as dificuldades. Mas eles garantem estar preparados para enfrentar cada uma delas. O que importa, dizem eles, é ter o amor, sempre.

Curta o Lado B no Instagram e no Facebook.

Casal Peixinho faz parte da história dos táxis de Campo Grande. (Foto: Gustavo Maia)Casal Peixinho faz parte da história dos táxis de Campo Grande. (Foto: Gustavo Maia)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.