ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, TERÇA  13    CAMPO GRANDE 23º

Comportamento

Pix acabou com desculpa até na hora de recusar dinheiro no sinal

Há meses, malabarista é um dos artistas de rua que aderiu ao pix para ninguém deixar de contribuir nas ruas

Por Thailla Torres | 04/03/2021 07:09
Joni é artista de rua que oferece pix para quem quiser contribuir e não tiver grana no carro (Foto: Paulo Francis)
Joni é artista de rua que oferece pix para quem quiser contribuir e não tiver grana no carro (Foto: Paulo Francis)

A ferramenta de pagamentos instantâneos, o Pix, é um elogiável avanço. Na prática ficou muito mais fácil pagar ou transferir qualquer valor e a qualquer momento, ainda sem pagar taxas por isso. Nas ruas de Campo Grande, há meses ela é usada até por artistas de rua, acabando com a desculpa de quem diz que não tem dinheiro para dar nos semáforos.

O venezuelano Jhon Colmenarez, 26 anos, é um dos artistas que aderiu a forma de pagamento. Mais do que depósitos, ele tem arrancado mesmo é risadas de motoristas. “Muita gente acha engraçado, comenta e até tira foto porque acha curioso eu usar pix”, diz.

Essa foi o jeito que ele encontrou de aumentar as contribuições. “Tem gente que deseja contribuir, mas não tem nenhuma moedinha no carro. Então ela pode anotar o meu número e contribuir assim que parar em algum lugar”, diz.

Ele sabe que o número de pessoas que pedem dinheiro nas ruas – que aumentou consideravelmente nos últimos anos e isso é cada vez mais visível – acaba gratinando a paciência de alguns. E apesar do trabalho honesto, diz que já ouviu muito não e recebeu muito “vidro fechado às pressas”, por isso o jeito é divertir. “As pessoas acham que a gente está pedindo dinheiro, esmola, mas não é isso, estou ali fazendo a minha arte de forma honesta, contribuir quem quer, não é obrigação”.

Joni se equilibra e faz malabarismo ao mesmo tempo pelas ruas da cidade (Foto: Paulo Francis)
Joni se equilibra e faz malabarismo ao mesmo tempo pelas ruas da cidade (Foto: Paulo Francis)

Por isso, ele enxerga a nova ferramenta de pagamento como algo mais democrático, já que muitos aderiram. “Assim se sente bem quem contribui e quem recebe o pagamento”, afirma.

Jhon, que por aqui usa o nome artístico Joni, está no Brasil há seis anos e chegou a Campo Grande no início de 2020. Começou sua jornada com a arte de rua viajando pela Colômbia até que conheceu um casal que viria para o Brasil e topou conhecer também, e não voltou mais.

Desde o início da pandemia, ele investe pesado na arte de rua para pagar o aluguel e enviar uma grana para a avó, que mora na Ilha de Margarita, na Venezuela. “Ela está ficando cega e precisa de uma cirurgia. Sempre que eu posso mando um dinheirinho para ela”.

Por aqui, ele iniciou um projeto de arte de rua e circense ao lado de outros artistas e produz vídeos para ensinar através das redes sociais. “Nossa arte é fazer o outro sorrir, por isso, queremos levá-la adiante. Nosso plano é conseguir incentivos para dar continuidade a esse projeto”, destaca.

Às segundas-feiras ele também diz que se reúne com outros artistas para discutir sobre arte e novos projetos. “Amo o que eu faço e não vou desistir”, finaliza.

Quem quiser entrar em contato ou contribuir com o projeto do artista, basta segui-lo no seu perfil do Instagram.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário