A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 18 de Setembro de 2018

28/03/2017 07:28

Sara, a menina que não tinha motivo para rir é quem mostra felicidade todo tempo

Com hidrocefalia, esta menininha de 4 anos vai te fazer sorrir junto com ela daí

Paula Maciulevicius
Os olhinhos atentos de Sara nas atividades que estimulam seu desenvolvimento no Cotolengo. (Foto: André Bittar)Os olhinhos atentos de Sara nas atividades que estimulam seu desenvolvimento no Cotolengo. (Foto: André Bittar)

Sara se espreguiça da soneca que acabou de tirar. Finalzinho de tarde, tempinho nublado e a cama depois de um dia inteiro de estímulos é mais do que convidativo para a menininha. Quando a reportagem bate à porta de casa, ela desperta e mesmo acordando, abre o maior sorriso do mundo, sua marca registrada. Com hidrocefalia, a menina de 4 anos, que não teria motivos para sorrir, é quem mais estampa o que é felicidade no riso e no olhar.

Na semana que passou, durante uma visita ao Cotolengo, o Lado B se encantou pela menininha. De rabo de cavalo com trancinhas, ela não parava de movimentar a cabeça e os bracinhos no mesmo ritmo em que abria um sorrisão. Era alegria demais para um corpinho preso à cadeira. 

Nossa curiosidade foi tamanha que batemos lá na casa dela. Sara mora com a avó, a mãe e a irmã mais velha numa simples residência no bairro Jardim das Cerejeiras, em Campo Grande. Dona Hilária, a avó, quis até desmarcar a entrevista por sentir vergonha do estado das ruas, sentimento que deveria pertencer a quem administra o imposto pago pela família de Sara e não elas.

A primeira via de acesso para chegar à casa dela estava impossível de se chegar com carro. "A cadeira não pode vir para cá, fica lá no Cotolengo, ainda mais neste tempo de chuva. Então a gente leva ela no colo", resume a cozinheira Maria Hilária Vilalba, de 60 anos.

E de olho na fotografia. (Foto: André Bittar)E de olho na fotografia. (Foto: André Bittar)
Em casa, o sorriso é direcionado para a avó. (Foto: Alcides Neto)Em casa, o sorriso é direcionado para a avó. (Foto: Alcides Neto)
E para quem está perto também. Gargalhada chega a fazer barulho. (Foto: Alcides Neto)E para quem está perto também. Gargalhada chega a fazer barulho. (Foto: Alcides Neto)

Ainda na gestação, a mãe de Sara, Eugênia, soube de todo o problema de saúde da filha. Na primeira ultrassonografia, o médico chegou a cogitar para ela a hipótese de aborto e que era para a família buscar um especialista na Santa Casa. "Ela tinha que colocar uma válvula na cabeça, porque tinha bastante água. A Sara foi um milagre, a prova de que Deus existe para a gente", se emociona a avó. 

Do quarto para o quinto mês que a mãe conta ter ganhado mais tranquilidade. "Primeiro disseram que ela tinha a cabeça aberta e não tinha cérebro. Eu não ia tirar, se eu fiquei grávida, por que ia tirar?", se perguntou a faxineira, Eugênia Vilalba, de 26 anos. 

Mais adiante, um exame de ultrassom minucioso mostrou que a cabecinha da filha estava fechadinha, além de confirmar o diagnóstico de hidrocefalia. "Aí continuei o acompanhamento. No parto, eu poderia ter hemorragia, morrer e ela viver ou eu viver e ela morrer ou ir nós duas", recorda a mãe. 

A cesárea durou mais que o necessário, mas não pela saúde da filha. Foi a mãe que teve uma hemorragia. "Aí trouxeram ela pertinho de mim e sabe que nem precisou operar? Ficamos só duas semanas no hospital para ela fazer todos os exames e ganhar peso". 

Para a gente, Sara também se abre toda como quem sabe que é por ela que estamos ali. (Foto: Alcides Neto)Para a gente, Sara também se abre toda como quem sabe que é por ela que estamos ali. (Foto: Alcides Neto)

A conversa se dá com a família, mas no colo da avó, Sara sabe que é dela que estão falando e não economiza em gracinhas. Ri, olha para a gente e solta gritinhos. Em casa, o que mais se ouve ela dizer é "ai vó". Na rotina, todo mundo "entrega" que a menina come de tudo, até mesmo jiló.

Dia desses a baixinha deu um susto: começou a ter crises de convulsão acompanhadas pela epilepsia. Qualquer movimento involuntário da pequena é motivo de preocupação da mãe e da avó, que apesar da simplicidade, entendem quão sérias são as consequências da hidrocefalia na menina que inspira felicidade.

"Ela é super sorridente e entende tudo o que você fala. Faz cócegas nela, faz", brinca a mãe. O nome era para ser Vitória, porque a criança nasceu de uma conquista própria, mas a promessa do tio que a fez se chamar Sara. "Ele prometeu na igreja dele que se ela nascesse, ia se chamar Sara", explica a mãe. 

A vontade de Sara de brincar é imensa, dá para ver nos olhinhos da menina, e a felicidade de ter visita em casa, também. 

"Eu considero ela um milagre, e ela ainda vai andar e a gente vai sentar e conversar disso de novo", antecipa a mãe. E talvez seja a esperança da família o combustível para tanta alegria da menina. 

"Ela é feliz, do jeitinho dela, mas é feliz", comemora a avó.

Curta o Lado B no Facebook

A menininha pode até não compreender o mundo, mas sorri para ela numa sinceridade sem tamanho. (Foto: Alcides Neto)A menininha pode até não compreender o mundo, mas sorri para ela numa sinceridade sem tamanho. (Foto: Alcides Neto)
Atenta ao seu redor, nem hidrocefalia tirou o riso e o olhar feliz de Sara Maria. (Foto: André Bittar)Atenta ao seu redor, nem hidrocefalia tirou o riso e o olhar feliz de Sara Maria. (Foto: André Bittar)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.