ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 22º

Comportamento

Saudade não acaba, mas tatuagem lembra de irmão que amava a vida

Renato partiu aos 39 anos deixando saudade em muita gente, mas também lições sobre nunca desistir

Por Thailla Torres | 13/05/2024 08:35
Paula e Renato, apaixonados pelo São Paulo Futebol Clube desde a infância.
Paula e Renato, apaixonados pelo São Paulo Futebol Clube desde a infância.

Falar sobre a vida, sobre cultura ou dos títulos São Paulo era uma tradição entre Paula Chermont e seu irmão Renato Chermont Silva. Mas há dois anos o silêncio tomou o lugar das conversas e Paula vive das memórias do irmão que partiu aos 39 anos, mas carregava muito, muito amor pela vida.

A saudade não acaba. Mas o melhor de Renato ficou na irmã, por isso, neste ano ela decidiu fazer a homenagem que tanto queria, tatuando uma das fotos prediletas pelas mãos do tatuador Felipe Fontana. A homenagem foi em março e o mês é cheio de significados para Paula.

Os dois nasceram no mesmo dia 09 de março. Renato partiu dia 04 de março, a poucos dias de completar 40 anos de vida. Os dois tinham 10 anos de diferença, Paula era a caçula e Renato dizia que ela foi “o presente de aniversário” dele.

Paula cresceu aprendendo com Renato, um cara festeiro, mas muito família e de uma inteligência ímpar, segundo a irmã. “Muitas das coisas que eu sei foi ele quem me ensinou. Ele era um cara apaixonado pela vida, tanto que nunca desistiu dela e não passava pela cabeça dele partir. Ele aproveitou a vida como pode e enquanto pode”, lembra Paula.

Nas memórias, Paula recorda que foi com Renato que aprendeu a andar de bicicleta, a curtir e assistir todos os clipes MTV e até repetir o quanto Axel Rose era bom. “Era meu parceiro no futebol e não se negava a dar carona para meus amigos. Até mesmo os últimos dias de vida dele, em dias bem difíceis, lá estava ele trabalhando a distância e me incentivando também, falando coisas bobas, vendo filmes para aliviar aquele momento ali que seriam os finais”.

Renato partiu vítima da leucemia. O primeiro diagnóstico difícil foi em 2005 quando soube que tinha aplasia medular. Realizou tratamento e voltou a viver de forma saudável. No entanto, em 2018 veio o diagnóstico de leucemia mieloide aguda o surpreendeu novamente, mas ele não se abalou. “Com isso vieram meses de internações, pneumonias e a possibilidade do transplante de medula. Ninguém da família era compatível, mas ele era tão sortudo que achou logo 6 doadores compatíveis. Em São Paulo realizou o transplante e voltou depois de uns 6 meses para Campo Grande e foi reabilitando aos poucos”.

Mas em 2022 mais um diagnóstico da leucemia. Foram cinco meses de luta e, mesmo em meio a incerteza, Renato não parava de sorrir para a vida e deixou isso como lição. “Eu sempre lembro dele com alegria, às vezes bate uma saudade maior, uma tristeza. Mas no geral, como a gente tinha muita coisa em comum, muitas referências acumuladas de uma vida, eu lembro de alguma coisa que ele falaria em determinadas situações, ou coisas que a gente viveu junto e foram boas, e assim a gente segue a vida”.

Renato Chermont Silva e era desenvolvedor de software, empresário e pai de dois filhos.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.


Nos siga no Google Notícias