ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  20    CAMPO GRANDE 21º

Consumo

Horário liberado anima lancheiros que esperam lucrar na madrugada

Venderores relatam dificuldades durante a pandemia, mas agora estão otimistas

Por Jéssica Fernandes | 28/08/2021 07:30

Lancheiros acreditam vendas voltem a crescer com o fim do toque de recolher. (Foto: Paulo Francis)
Lancheiros acreditam vendas voltem a crescer com o fim do toque de recolher. (Foto: Paulo Francis)

O fim do toque de recolher na Capital não animou somente os campo-grandenses que gostam de curtir a noite em bares, festas e casas de shows. Com a retomada das atividades noturnas, os lancheiros esperam aumentar as vendas.

Acostumados a terem como freguesia o pessoal que sai dos rolês durante a madrugada, a pandemia alterou o cotidiano de quem trabalha no ramo da alimentação.

É o que expõe a proprietária do Hot Roze, Rosângela Moreira, 47 anos. “Durante o primeiro ano da pandemia, fiquei seis meses sem vir, porque não estava compensando. Eu fiquei fazendo bico, então, pra mim, financeiramente, o ano passado foi o pior. Esse ano já melhorou”, comenta.

Rosângela ficou seis meses sem abrir Hot Roze. (Foto: Paulo Francis)
Rosângela ficou seis meses sem abrir Hot Roze. (Foto: Paulo Francis)

Com as restrições de horário, a empreendedora desabafa que haviam dias que ela saia de casa apenas porque precisava ganhar algum dinheiro. “Quando o toque era às 20h, 21h, a gente saia de casa porque precisava trabalhar mesmo”, relata.

O cenário melhorou somente quando o toque era às 23h. “Tinha uns dias que era aquele fervo, um movimento de 40 minutos, de quando as pessoas saíam das baladas. Depois disso, eu podia juntar as coisas e ir embora porque não ia ter mais aquele movimento, a cidade morria mesmo”, conta

De acordo com ela, agora com a revogação do toque, a expectativa é que o movimento cresça somente daqui há alguns meses. “Eu acredito que vai voltar a ser como era antes, a galera vai voltar a curtir a madrugada, mas eu acho que vai demorar mais uns três meses'', fala.

Ernesto Gedra, de 18 anos, ajuda a mãe no negócio, e explica que em dias movimentados, pelo menos, 20 espetinhos de carne são vendidos. “Nessa semana, saiu uns 30 espetinhos de carne por dia e 20 de linguiça, mas o cachorro quente é o mais vendido mesmo”, explica.

Espetinho de carne, frango e medalhão são atrativos do ponto comercial. (Foto: Paulo Francis)
Espetinho de carne, frango e medalhão são atrativos do ponto comercial. (Foto: Paulo Francis)

Na visão dele, as vendas devem aumentar no mês de setembro. “Após o dia cinco, que é quando o pessoal recebe, eu acho que vamos dobrar a produção dos espetinhos”, diz.

O proprietário do Benne’s, Rodrigo Costa, 47 anos, confessa que não sabe o que esperar com o fim do toque de recolher. “Mexer com lanche é muito sazonal, tem dias que é mais cheio, outros mais parados, varia. Pra balada, o pessoal ainda sai, mas pra comer, é mais complicado, ainda mais aqui que tem a questão do estacionamento”, afirma.

Rodrigo pretende expandir negócio para atrair clientes. (Foto: Paulo Francis)
Rodrigo pretende expandir negócio para atrair clientes. (Foto: Paulo Francis)

Ele relata que no próximo mês deve mudar para outro espaço com o objetivo de atrair mais clientes. “Eu aluguei um sobrado, quero fazer uma área para crianças e começar a fazer sanduíche, hambúrguer, esse é meu foco”, anuncia.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário