A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Maio de 2019

22/04/2019 07:53

Com vontade de agradar as mulheres, novo bar de rock tem pegada underground

O DK inaugurou em fevereiro e conta com algumas decorações que chamam atenção pelo vintage e pelas lembranças de família

Alana Portela
Os quadros na parede decoram o espaço e traz lembranças para Lukão (Foto: Paulo Francis)Os quadros na parede decoram o espaço e traz lembranças para Lukão (Foto: Paulo Francis)

Para sair mesmice, o empresário Lukas Queiroz, o Lukão, resolveu investir em bar de rock. O DK Rock ‘n’ Roll Bar tem uma pegada underground e a vontade de agradar as mulheres. O local, que funciona sexta e sábado, das 19h às 3h, abriu as portas no dia 8 de fevereiro na Avenida Ernesto Geisel, no bairro Amambai. A ideia é focar no público feminino e dar espaço as bandas de rock novas e antigas.

“O nosso objetivo é o público feminino, para a mulherada ter um espaço onde possa curtir. Aqui é um ambiente familiar, prezamos pelo atendimento. Começamos agora, ainda estamos vendo qual é o nosso público. As mulheres são diferenciadas e têm vindo bastante, até mais que os homens. A partir de maio, quero deixar entrada livre para elas até meia-noite”, disse Lukão.

Lukão é proprietário do DK e diz que o espaço é underground (Foto: Paulo Francis)Lukão é proprietário do DK e diz que o espaço é underground (Foto: Paulo Francis)

O empresário é geógrafo e lutador de Jiu-jitsu, e conta que sempre teve vontade de trabalhar com bar e também que o empreendimento desse estilo era o sonho de seu pai, Laércio da Silva que faleceu em 2015. Por alguns anos, Lukão morou em Londres com a família e através da experiência que obteve por lá, trouxe para o DK algumas ideias.

“Morei lá quando tinha 19 anos, na época estudei, aperfeiçoei, trabalhei e juntei uma grana. Lá tem o bairro Camden Town, onde Amy Winehouse, James Blunt e o pessoal irlandês, inglês, escocês e quem mora em Londres vão para curtir o local. Se apresentam muitos talentos”, recorda.

Assim como via no exterior, Lukão adotou a proposta de abrir espaço para as bandas do Estado. “Aqui é uma pegada underground, dou espaço para os artistas de rock se apresentarem porque não têm mais casas de shows com essa vertente. A ideia não é só apostar no que a galera gosta de ouvir, como também dar oportunidade as bandas novas e antigas que não têm onde tocar, pois muitos bares fecharam”, explica. “A gente está investimento mais na parada do metal, as pessoas que gostam de rock and roll curtem o som um pouco mais pesado, e é um rolê diferente”, complementa.

Mesmo com pouco mais um mês funcionando de “vida”, DK foi palco da gravação de três clipes. “Gravaram, mas não posso dizer porque será realizado o lançamento”, disse. Além da proposta de atuar mais no estilo rock and roll, o espaço tem uma decoração rústica com alguns acessórios vintage, como os discos de vinil sobre as mesas e o disco do Elvis Presley na parede ao lado do palco de shows. O projeto foi cuidadosamente preparado por Lukão e sua esposa que é arquiteta, Larissa Borges, 28.

Lukão aproveitou os discos de vinil de seu pai para decorar as mesas (Foto: Paulo Francis)Lukão aproveitou os discos de vinil de seu pai para decorar as mesas (Foto: Paulo Francis)
O disco do cantor Elvis Presley tem mais de 30 anos e era do pai de Lukão (Foto: Paulo Francis)O disco do cantor Elvis Presley tem mais de 30 anos e era do pai de Lukão (Foto: Paulo Francis)

“Tudo tem nosso toque e como já tive outro bar, aproveitei algumas coisas. Os discos eram do meu pai e o do Elvis, que está na parede tem mais de 30 anos. Como ele morava na Inglaterra, também trouxe 20 copos pints inglesas que uso em ocasiões especiais”, afirma. Além disso, no local tem alguns barris de alumínio pintados de preto, para combinar com o estilo rock and roll.

“O barril é um negócio vintage, mais industrial e está sendo muito usado, serve como mesa também”, explica. Com a cor preta, tradicional em ambientes mais rústicos, Lukão ainda quis homenagear o filho João Lukas e o velho amigo Renato Fernandes ex-vocalista da banda Bêbados Habilidosos, quem quadros nas paredes.

“Meu amigo Jhone Belmontt que pintou uns quadros. Ele desenhou meu filho de 3 anos, um rock star. Ele pinta a mão e nos deu de presente também a pintura do Renato”, conta.

Outra decoração um tanto quanto diferente, é uma garrafa de bebida colada na parede. “Quero dar uma diferenciada e deixar rústico, mas que chame atenção do bebedor de cerveja”, explica.

Mesmo querendo algo rústico, Lukão fez questão de deixar a parede direita, ao lado do palco, mais delicada, com cores brancas, rosa e azul. “A parede do banheiro é clara, mais delicada porque é feminino, para lembrar que temos um espaço para mulheres”, destaca. Aqueles que preferem chegar no local e se acomodar, o espaço ainda conta com um sofá de couro preto, perto do palco e outras três poltronas feitas de madeira logo na entrada do estabelecimento.

As poltronas de madeira com a mesa de centro ficam logo na entrada do estabelecimento e deixam o espaço com a cara mais rústica (Foto: Paulo Francis)As poltronas de madeira com a mesa de centro ficam logo na entrada do estabelecimento e deixam o espaço com a cara mais rústica (Foto: Paulo Francis)

Eventos - Aqueles que tiverem vontade de conhecer o DK e apreciar as atrações musicais, a entrada é no valor de R$ 10. No entanto, sempre no último sábado do mês, Lukão realiza o Underground Day. “É uma festa mais diferente, trazemos vários artistas e a entrada é no valor de R$ 5,00. No mês seguinte, realizamos a noite do flash back, com músicas de rock dos anos 70, 80 e 90”, conta.

“Abrimos duas vezes por semana, sexta e sábado geralmente são duas a três bandas por dia que se apresentam. Já estiveram no nosso palco bandas como Shadows Legacy, 4W1, Barganhas. Tenho grupos fixos e gosto de trazer novidades ao público”, disse.

No local, a galera conta com chop artesanal, cervejas e outras bebidas. “Temos vários parceiros tanto de fornecedor quanto de bar, porque temos que nos ajudar. Foram 20 dias de trabalho para preparar o espaço. Foi eu e minha esposa que fizemos a pintura, a divisória, e queremos pintar a parede do palco. Colocar imagens de todos os artistas de rock talentosos do Estado. Temos uma acústica boa”, afirma.

O espaço não comporta cozinha, contudo, Lukão firma parceria em food truck e barracas de alimentação para garantir o conforto da galera. “Não temos uma estrutura de cozinha, mas quero fazer. Estamos começando agora, porém são 30 bares em Campo Grande que tocam rock. Geralmente, fecho com food trucks diferentes, quando tem um show grande e achamos que será muito movimentado, chamamos para a galera comer”, relata.

Durante a conversa, o empresário falou sobre a iniciativa de tocar um bar. ”Em Campo Grande se não se arriscar, você não consegue sobreviver, nem ver no que dá. Tive vários outros comércios, tabacaria, estúdio de luta e um bar anterior. A minha ideia é continuar empreendendo e o bar hoje é minha vida”, declara.

“Estou focando no simples, underground que atende a todos. O bar é realização do sonho do meu pai e meu também, aqui tem meu sangue e da minha mulher. Sou geógrafo, mas quando o bar surgiu, eu abracei”, concluiu.

 

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram

A pintura de seu filho João Lukas também decora a parede da casa de shows (Foto: Paulo Francis)A pintura de seu filho João Lukas também decora a parede da casa de shows (Foto: Paulo Francis)
Os copos pints trazidos da Inglaterra são usados em ocasiões especiais por Lukão (Foto: Paulo Francis)Os copos pints trazidos da Inglaterra são usados em ocasiões especiais por Lukão (Foto: Paulo Francis)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.