ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 24º

Diversão

Hoje tem espetáculo premiado com entrada gratuita no Teatro Glauce Rocha

A peça “Dom Casmurro” adapta romance escrito por Machado de Assis

Por Thailla Torres | 27/04/2024 08:10
A atriz Amanda Pessoa interpreta Capitu (Foto: Marithê do Céu)
A atriz Amanda Pessoa interpreta Capitu (Foto: Marithê do Céu)

Como parte da programação da primeira edição do Festival da Juventude, o Grupo Casa - Coletivo de Artistas apresenta o espetáculo “Dom Casmurro “, neste sábado dia 27, no Teatro Glauce Rocha, às 15h. A entrada é gratuita.

No palco, a diretora do espetáculo e atriz Ligia Prieto, dá vida a Bento Santiago, que retoma a infância vivida na Rua de Matacavalos e a história do amor e das desventuras com sua amiga de infância Capitu, interpretada por Amanda Pessoa. Além de Capitu e Bentinho, a banda composta por Leonardo de Medeiros, Caroline Mazeto, Isabela Lopes e Leonardo de Castro canta músicas produzidas especialmente para o espetáculo.

"A nossa Capitu é feita pela a Amanda Pessoa, uma mulher negra, mãe, poeta, escritora, então é potente encontrar esses lugares. E tem uma banda em cena que faz toda essa composição, então eu acredito que o espetáculo é uma conversa direta com a plateia, ao mesmo tempo é um lugar de se contar uma história, de viver essas personagens e a banda traz músicas todas autorais. E aí carregam muitas discussões em cima disso, né? Quem traiu ou não traiu vira uma pergunta mais tola e batida que a gente pode pensar. E uma pergunta machista que a gente quer destruir. Então tem tantos outros questionamentos a serem feitos, tantos outros lugares a serem pesquisados e escutados dentro dessa obra, que é super completa, detalhista e emocionante", explica a diretora do Grupo Casa, Ligia Prieto.

Originalmente encenado pelo ator Antônio Júnior e pela atriz Amanda Pessoa, a diretora Ligia Prieto precisou entrar em cena em uma das montagens que Antônio não conseguiu participar porque mora em São Paulo.

“Quando duas mulheres assumem o palco para encenar a peça Dom Casmurro, a narrativa ganha uma nova perspectiva, destacando diversos aspectos sociais. Ao ter uma atriz branca e outra negra, direcionamos o olhar para críticas ao presente, ainda permeado por preconceitos e discriminação, como o machismo e o racismo. Eu, Amanda, uma atriz negra, considero incrível poder protagonizar falas tão relevantes. Apesar dos avanços, o protagonismo de artistas negros nas artes cênicas é recente.”

Vencedor do prêmio de melhor espetáculo no Festival FEMA (SP) 2020, "Dom Casmurro" foi construído on-line durante a pandemia de COVID-19 e depois ganhou os palcos de Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Siga o Lado B no WhatsApp, um canal para quebrar a rotina do jornalismo de MS! Clique aqui para acessar o canal do Lado B e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias