ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Diversão

Premiado e elogiado pela crítica francesa, Madalena será exibido em Campo Grande

Filme marca retomada de exibições gratuitas no Museu da Imagem e do Som

Por Thailla Torres | 07/12/2021 09:11
O filme denuncia a violência constante do país que mais mata a população LGBTQIA+.
O filme denuncia a violência constante do país que mais mata a população LGBTQIA+.

Com exibição gratuita, Campo Grande recebe nesta quarta-feira, o filme sul-mato-grossense Madalena. A sessão marca a retomada de exibições no Museu da Imagem e do Som.

Premiado, o filme é o primeiro longa-metragem de ficção de Madiano Marcheti, que tem como ponto de partida o corpo de Madalena, encontrado em uma plantação de soja. Na sequência, a trama acompanha a história de três jovens - Luziane (Natália Mazarim), Bianca (Pamella Yule) e Cristiano (Rafael de Bona), que vivem contextos diferentes em uma mesma cidade. Embora não se conheçam, o espírito de Madalena que esvoaça sobre a cidade, torna-se um elo entre os três.

O filme denuncia a violência constante do país que mais mata a população LGBTQIA+. “Madalena" foi rodado em Dourados, no Mato Grosso do Sul e contou com mais de 20 atores do Estado no elenco.

Com estreia mundial no 50º Festival Internacional de Cinema de Roterdão (Holanda), o filme já foi selecionado para mais de 30 festivais internacionais e conquistou oito prêmios.

Um dos destaques é a seleção para o Festival Internacional de San Sebastian, na Espanha, Festival de Biarritz, na França e Festival de Cinema de Lima Pucp, no Peru, neste último, sendo consagrado com três prêmios: Melhor Filme, Melhor Interpretação com o prêmio Gio aos filmes LGTBIQ+ de Crônicas de Diversidade para Pamella Yulle e Melhor Direção, também com prêmio Gio.

No Brasil, o filme teve sua estreia na 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e foi exibido no Festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade, conquistando o Prêmio de Melhor Diretor.

Sinopse: Entre as vidas de Luziane, Cristiano e Bianca há pouca coisa em comum, além do fato de viverem em uma pequena cidade cercada de plantações de soja no interior do Brasil. Embora não se conheçam, os três são afetados pelo desaparecimento de Madalena. Em regiões diferentes da cidade, cada um deles encontra seu modo de responder a essa ausência.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário