ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 29º

Faz Bem!

Você tem sonhado mais nesta pandemia? Jung te explica o porquê

Como olhar para os sonhos durante a pandemia? Psicólogas da abordagem junguiana explicam o que eles querem nos dizer

Por Paula Maciulevicius Brasil | 15/05/2020 08:45
Sonhos nem sempre têm a "nossa linguagem", podem ter símbolos e não seguir uma lógica racional. (Foto: Fernando Antunes)
Sonhos nem sempre têm a "nossa linguagem", podem ter símbolos e não seguir uma lógica racional. (Foto: Fernando Antunes)

Você tem sonhado mais nesta pandemia? Desde coronavírus, em seu formato, a ministro da Saúde, presidente e até UTI, as cenas do que a gente ouve, lê e absorve durante o dia são repassadas frente aos nossos olhos quando cerrados à noite.

Psicólogas, Mariana Manfrinato e Gabriela Molento, do Espaço Juguiano de Psicologia, decidiram falar sobre o assunto justamente por observar que as pessoas dos círculos de amizade, profissional e até pacientes passaram a relatar o quão têm sonhado em meio à pandemia.

As duas seguem a abordagem junguiana, linha da Psicologia pensada pelo psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, que entende que o ser humano está sempre em busca de responder quem ele é.

Para explicar o pensamento de Jung, elas propõem uma metáfora para falar de conceitos como inconsciente e sombra. "Imagine que cada pessoa divide uma casa com um estrangeiro. Ele tem sua própria cultura e jeitos de lidar com a vida. Esse estrangeiro é uma parte de nós, que convive com a gente todo dia, e é aquilo que desconhecemos em nós, nossas potencialidade e também o que odiamos, nosso "calo". Sua linguagem não tem lógica e o que ele representa nos causa estranhamento e incômodo", exemplificam.

Imagens "abstratas" podem traduzir o que dentro da abordagem de Jung, os sonhos trazem informações sobre como estamos realmente nos sentindo. (Foto: Fernando Antunes)
Imagens "abstratas" podem traduzir o que dentro da abordagem de Jung, os sonhos trazem informações sobre como estamos realmente nos sentindo. (Foto: Fernando Antunes)
Durante o isolamento, tiramos o foco do externo e muita coisa que não tinha espaço para ser vivida, começa a surgir. (Foto: Fernando Antunes)
Durante o isolamento, tiramos o foco do externo e muita coisa que não tinha espaço para ser vivida, começa a surgir. (Foto: Fernando Antunes)

Esse lado ainda desconhecido se comunica através da linguagem dos símbolos que aparecem em sonhos e imaginações. Então a Psicologia, dentro dessa abordagem, dá ferramentas para que seja possível entender e intermediar a conversa entre a consciência (você) e o inconsciente (o estrangeiro).

Retomando os sonhos na pandemia, Mariana e Gabriela descrevem que durante o isolamento, tiramos o foco único no externo e muitos conteúdos que não tinham espaço para ser vistos ou percebidos pela consciência, e começam a aparecer e chamar a atenção.

"Nós sempre sonhamos. Para Jung isso é um processo natural da nossa psique. Lembrar ou não dos sonhos é algo relativo e subjetivo. Recordar um sonho, trabalhar com a imagem dele e questionar sua informação pode ser uma experiência rica em insights e ao mesmo tempo sensível de lidar", destacam.

Segundo as especialistas, Jung explica que uma das funções do sonho é de restabelecer nossa " balança psicológica", uma tentativa de achar um equilíbrio. "Mas isso quer dizer que algo está desequilibrado? Sim. Nossa atitude com o mundo tende a ser unilateral e para desenvolvermos nossa personalidade, nosso equilíbrio é fundamental", dizem.

No entanto, o que precisa ser equilibrado é sempre particular. Para a psicologia junguiana a história particular do indivíduo tem uma grande importância e é sempre levada em consideração. Por isso, não se pode fazer uma interpretação generalizada sobre o sonho sem ter dados "pessoais" do sonhador.

"Os sonhos trazem informações sobre como estamos realmente nos sentindo e quais são nossas atitudes em relação a nós e ao mundo. Ele sempre traz algo novo, mesmo que a gente ache que já entendeu o que ele quer dizer. A repetição da imagem ou do tema do sonhos significa que ainda tem algo a aprender ou a ser elaborado. Nossos sonhos são uma forma de entender a vida desse estrangeiro que mora em nossa casa. Queremos dizer que através do sonho podemos entender o inconsciente e o que quer nos dizer", relatam.

Sonhos podem nos mostrar onde estamos exagerando ou faltando, por exemplo. (Foto: Fernando Antunes)
Sonhos podem nos mostrar onde estamos exagerando ou faltando, por exemplo. (Foto: Fernando Antunes)

Um ponto importante que elas destacam é que os sonhos não se expressam na "nossa língua", ou seja, eles não têm moral, bom/mal, nem lógica racional de antes, durante e depois. "Precisamos entender que ele tem uma forma de conversar com a gente que é própria do sonho, então a imagem que temos não é literal", resumem.

Mas e aí, o sonho interfere na nossa vida? A resposta de Mariana e Gabriela é "sim". Ele pode nos trazer novas perspectivas, novas formas de agir, e nos mostrar onde estamos, por exemplo, exagerando em um lado da vida, como o profissional, e deixando muito de lado o lazer. "Aprender a entender o sonho é fundamental para compreender sua mensagem", explicam as psicólogas.

Quer saber mais sobre os sonhos? A sugestão delas é anotar em um caderno. "O fato de você escrever ou até contar para alguém sobre o que sonho já pode te ajudar a ter ideias sobre o que a imagem quer dizer. É importante aprender a fazer uma análise mais minuciosa sobre os símbolos daquele sonho, mesmo que possa parecer algo 'tolo' ou muito extraordinário.  Muitos dos nossos sonhos podem lembrar alguma história famosa, lendas, mitos ou até um filme. Essa história pode estar relacionada ao seu momento de vida, importante para ser investigado", acreditam.

Entender o sonho é interpretar, associar, entender como se relaciona a vida do sonhador e descobrir como trazer isso de forma criativa no dia a dia. No dia 21 de maio, as psicólogas vão falar sobre as quatro etapas para realizar a interpretação dos sonhos na live, partir das 19h, no Instagram @espacojunguianoms.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Aprender a entender o sonho é fundamental para compreender sua mensagem, dizem psicólogas. (Foto: Fernando Antunes)
Aprender a entender o sonho é fundamental para compreender sua mensagem, dizem psicólogas. (Foto: Fernando Antunes)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário