ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 26º

Sabor

Casal inventa X-Chipa e Paraguai não declara guerra ao Brasil

Daniela e Luciano desenvolveram uma massa de chipa que substitui o pão do misto quente, chamado, nesse caso, de x-chipa

Por Lucas Mamédio | 29/08/2020 07:22
Daniela e Luciano criaram o x-chipa durante a quarentena (Foto: Henrique Kawaminami)
Daniela e Luciano criaram o x-chipa durante a quarentena (Foto: Henrique Kawaminami)

Fale x-chipa cinco vezes seguidas bem rápido!! É, eu sei, dá uma travadinha. E isso não tem nada a ver com a matéria em si, a não ser pelo fato do x-chipa ser a mais nova invenção de uma panificadora em Campo Grande.

O nome remete aos lanches normais que encontramos nas lanchonetes, como “x-salada” e “x-bacon”, mas na verdade é uma adaptação que substitui o pão por massa de chipa. No meio, são várias opções de recheios, mas todas sendo uma variação do misto quente.

Todos os recheios são uma variação do misto quente, mas com massa de chipa (Foto: Henrique Kawaminami)
Todos os recheios são uma variação do misto quente, mas com massa de chipa (Foto: Henrique Kawaminami)

A ideia nasceu do casal Luciano Borges e Daniela Borges, donos do Empório do Pão. Segundo eles, ela foi concebida para tentar colocar como opção nos cardápio algo original e “regional”.

“Começamos, no início de 2020, a fazer um misto com a chipa tradicional assada, assim, abríamos a chipa tradicional ao meio como um pão e colocávamos os recheios de misto. Apesar de saborosa a chipa ficava muito seca. Foi então que, durante a quarentena, após inúmeros testes, desenvolvemos a massa que condenamos ideal, que chamamos de massa de chipa gourmet”, explica Daniela, que obviamente não quis revelar quais foram as mudanças dessa massa adaptada.

Pra quem leva pra casa, ela pode ser feita na sanduicheira (Foto: Henrique Kawaminami)
Pra quem leva pra casa, ela pode ser feita na sanduicheira (Foto: Henrique Kawaminami)

Nós que não somos bestas fomos provar e ver como o x-chipa é feito. Se é gostoso mesmo ou é só uma invenção marqueteira que faria o Paraguai, inventores da chipa, declarar guerra (de novo) ao Brasil.

São três formas básicas de preparo, segundo Daniela. “A massa pode ser feita de várias formas, podendo utilizar frigideira, sanduicheira, forno, chapa ou outro utensílio de aquecimento alimentar”.

Existe também a opção waffle com a mesma massa (Foto: Henrique Kawaminami)
Existe também a opção waffle com a mesma massa (Foto: Henrique Kawaminami)

Outro produto oferecido no estabelecimento do casal, que utiliza a massa, e tem saído bastante, conforme Luciano, é o waffle chipa, que basicamente usa a mesma massa, mas é colocada numa máquina de waffle. Ela é servida com mel, geleia ou manteiga.

Para o cliente que quiser consumir o x-chipa no local, os preços variam de R$ 5,00 a opção mais simples sem recheio até R$ 10,00 a mais cara, com o dobro de presunto e queijo.

Já quem quiser levar a massa pronta para fazer em casa também é possível. Eles vendem o produto só pra você rechear e colocar no utensílio que achar melhor. “Esse é um produto original nosso, que já está até patenteado”, diz Luciano.

A média de venda do x-chipa é de 30 pedidos por dia, mas vem crescendo de acordo com Luciano. “A cada dia nos surpreendemos com a facilidade e aceitação de nossos clientes com o novo produto. São muitos os relatos e vídeos deles fazendo em casa, alguns muito criativos”.

Para mais informações, você pode também encontrar a Empório do Pão no Instagram.

A massa foi patenteada pelo casal (Foto: Henrique Kawaminami)
A massa foi patenteada pelo casal (Foto: Henrique Kawaminami)

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário