A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018

15/06/2018 08:06

Em casa de 1950, Samira reúne amigos para tradicional quibada de origem libanesa

Com sucesso da tradição há cinco anos, Samira virou especialista em montar grupos de quibada pela cidade

Thailla Torres
Amigas se reúnem, pelo menos, uma vez por mês para a quibada de Samira. Amigas se reúnem, pelo menos, uma vez por mês para a quibada de Samira.

A bandeira nacional pendurada no alto de uma casa antiga na Vila Carvalho demonstra o amor de dona Samira Kalache, de 61 anos, pelo país em que nasceu. Mas lá dentro,é também a admiração pelas raízes libanesas, especialmente, pela gastronomia que faz a proprietária reunir os amigos, todo mês, para provar o melhor da sua "quibada".

O evento ganhou esse nome pela tradição de servir quibe cru e outros acompanhamentos que fazem parte da culinária árabe. À mesa, Samira repõe durante toda noite o quibe, tabule, o antepasto que é salada de berinjela, a pasta hommus feita com grão de bico e a coalhada seca.

Especialista nos pratos árabes. Especialista nos pratos árabes.
Prato principal da noite. Prato principal da noite.

As amigas degustam, comentam e elogiam os sabores à mesa, sem deixar de mencionar o talento inegável de Samira no preparo dos pratos. Com simpatia, ela agradece e se diz satisfeita. "Faço porque eu gosto, aqui em casa sempre teve comida árabe, meus pais gostavam muito. Era muita fartura e papai dizia que podia faltar tudo na vida, menos a comida", lembra.

Samira é filha de Theodossi Kalache e Minerva Kalache, ambos chegaram casados em 1948 no Brasil, fugidos da guerra que já assolava cidades do Líbano. Na cidade, tornaram-se comerciantes tradicionais. "Meu pai trabalhou até o último minuto de vida em sua loja. Foi dono de uma camisaria na Dom Aquino e atendeu pessoas da cidade toda".

O pai foi quem construiu a casa antiga que hoje abriga a filha. Apesar de algumas reformas ao longo dos anos, a fachada e o piso intactos denunciam um poucos da história que há na estrutura. "Essa casa tem pelo menos 70 anos. Papai fez logo quando chegou em Campo Grande, eu nasci dentro daquele quarto", aponta.

Depois que os pais faleceram, ela resolveu trabalhar com a culinária para reunir amigos, há cinco anos. Mas com grupos de WhatsApp e Facebook, logo a notícia sobre as reuniões se espalharam e ela precisou criar outros grupos na cidade. "Hoje quem quiser reunir os amigos ou a família para uma tradicional quibada, eu levo o banquete pronto. O preço varia do número de pessoas".

Os pais de Samira. Os pais de Samira.
No friozinho, grupo deixou a varanda para se reunir à mesa. No friozinho, grupo deixou a varanda para se reunir à mesa.

Uma sugestão prática para quem não abre mão da culinária árabe mas também não tem tempo para o preparo. "Faço com amor no coração, já virou minha especialidade".

Mas quando a reunião é em casa, a oportunidade em servir é também a chance de matar a saudade e colocar o velho papo em dia. "A gente conversa de tudo, lembra do nosso trabalho, dos momentos que foram bons e da vida", diz Samira.

Nesta semana, o frio parece ter desanimado parte da turma e só algumas amigas compareceram ao evento, que ganhou até decoração junina. Entre papos e vinhos, o jeito é lembrar de um tempo em que tudo era diferente. "É muito gostoso, porque esse momento diverte e faz a gente distrair a cabeça".

Samira prepara a quibada sob encomenda. Para fazer o pedido, basta ligar nos telefones 3222-6224 ou 99268-2573.



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.