ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 31º

Meio Ambiente

Animais conseguiram escapar de fogo usando ilhas de água e aceiros no Pantanal

Equipe encontra rastros frescos e sinais de que a natureza conseguiu recursos importantes para sobreviver

Por Gabriela Couto | 08/02/2024 23:00
Lagoas que resistiram ao fogo no Pantanal viraram 'refúgio' para vida selvagem na Serra do Amolar (Foto: IHP)
Lagoas que resistiram ao fogo no Pantanal viraram 'refúgio' para vida selvagem na Serra do Amolar (Foto: IHP)

Durante os primeiros dias de monitoramento da fauna pantaneira, na região atingida pelo fogo na Serra do Amolar, no Pantanal, em Corumbá, a equipe do IHP (Instituto Homem Pantaneiro) encontrou sinais de que os animais silvestres conseguiram utilizar recursos importantes para sobreviver durante os incêndios.

Até o momento, dois pontos de aceiros, que são caminhos abertos dentro da mata, foram analisados em uma área de 4 hectares. As trilhas funcionaram como corredor e rota de fuga da vida selvagem. Ao mesmo tempo, ‘cortam’ o caminho do fogo, evitando sua passagem para o outro lada da mata.

Os trechos foram abertos preventivamente pela Brigada Alto Pantanal, em meses anteriores ao incêndio, e outros foram feitos durante o episódio que devastou o local considerado Patrimônio Natural da Humanidade. Ao todo, já foram queimados mais de 3 mil hectares, conforme o Painel do Fogo.

Também foram encontradas ‘batidas de pata’ de anta, veado, tatu-pega, além de fezes frescas próximas a lagoas que resistiram ao fogo. Elas funcionaram como área úmida, uma espécie de ilha ou refúgio para a biodiversidade entre as chamas.

Imagem aproximada de aves da espécie cabeça-seca em lagoa que se transformou em ilha úmida entre o fogo (Foto:IHP)
Imagem aproximada de aves da espécie cabeça-seca em lagoa que se transformou em ilha úmida entre o fogo (Foto:IHP)

Nesta fase de monitoramento, os especialistas do IHP instalaram câmeras traps, as armadilhas fotográficas, em quatro pontos. O equipamento ficará registrando a movimentação da fauna nos próximos 30 dias.

O resultado da coleta dessas imagens será fundamental para entender o comportamento dos bichos em meio à regeneração do bioma.

Ainda não há um quantitativo exato de animais impactados com o incêndio. No entanto, já foi encontrado vestígios de caramujos queimados. Mas nenhum mamífero morto, o que para o médico-veterinário do IHP, Geovane Tonolli, é um bom indicativo. Confira abaixo.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
Nos siga no Google Notícias