ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 16º

Meio Ambiente

Bacia do rio Paraguai tem menor acumulado de chuva da série histórica

Dados ainda mostram que, de maio e junho, todos os incêndios no Pantanal foram causados por ação humana

Por Lucas Mamédio | 09/07/2024 17:49
Brigadista combatendo incêndio do solo enquanto aeronave ajuda no ar (Foto: Divulgação/Governo Federal)
Brigadista combatendo incêndio do solo enquanto aeronave ajuda no ar (Foto: Divulgação/Governo Federal)

A bacia do Paraguai, que atravessa o Pantanal, teve o menor acumulado de chuvas por ano hidrológico da série histórica. O dado foi divulgado nesta terça-feira (9) pelo boletim semanal de combate aos incêndios florestais no Pantanal, feito pelo Governo Federal.

Conforme gráfico do boletim, até o momento, em 2024, foram 641 milímetros de chuva. Até então o menor número havia sido o de 2021, que registrou 730 milímetros. Estes dados específicos são levantados desde 2001 e apenas em três oportunidades registraram acumulado abaixo de 1.000; além dos anos de 2021 e 2024, no ano de 2020 também

Ainda conforme o boletim, de maio e junho, todos os incêndios no bioma foram causados por ação humana, não sendo registrados incêndios causados por raios no período .

Gráfico que mostra o acumulado de chuva da série histórica no Pantanal desde 2001
Gráfico que mostra o acumulado de chuva da série histórica no Pantanal desde 2001

De 1º de janeiro a 7 de julho de 2024 foram registrados 3.919 focos de calor no Pantanal, sendo 79% em Mato Grosso do Sul e 21% em Mato Grosso. Em relação as cidades atingidas, 68,2%dos focos de calor de 1º de janeiro a 7 de julho foram registrados em Corumbá (MS). Cáceres (MT) concentrou 11%.

Área queimada - De 1º de janeiro a 7 de julho de 2024 foram queimados 762 mil hectares no Pantanal (5,05%do bioma). Na última semana (1º a 7 de julho de 2024) houve incremento de 61 mil hectares em área queimada no bioma.

Ações de combate - Bombeiros e brigadistas combateram 54 incêndios até dia 7 de julho, dos quais 30 foram extintos. Já 24 continuam ativos, mas desses, 13 são considerados controlados.

De acordo com explicação do boletim, o incêndio ativo controlado é quando o fogo está cercado por uma linha de controle, que pode ter sido formada por combate direto, linhas de defesa, aceiros e barreiras naturais ou artificiais. Neste caso, ainda restam ilhas, troncos, árvores e outros combustíveis florestais queimando na área — focos ativos que precisam ser extintos para não ultrapassar a linha de controle e provocar novos incêndios.

O Governo Federal empenhou 830 profissionais, sendo mais da metade (452) das orças Armadas. Também disponibilizou 15 aeronaves, com 6 aviões e 9 helicópteros.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias