ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  12    CAMPO GRANDE 11º

Meio Ambiente

Com foco no Pantanal, governo federal instala sala de crise contra queimadas

A reunião extraordinária da comissão foi coordenada pelo presidente em exercício, Geraldo Alckmin

Por Gabriel de Matos | 14/06/2024 22:45
Incêndios sendo observados por brigadistas em barco no Pantanal (Foto: Joédson Alves/Agência Brasil) 
Incêndios sendo observados por brigadistas em barco no Pantanal (Foto: Joédson Alves/Agência Brasil)

O Governo federal anunciou a criação de uma sala de situação preventiva dedicada ao combate à seca e aos incêndios, com foco especial no Pantanal e na Amazônia. A medida vem em resposta ao agravamento dos problemas climáticos, destacado pela ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, que alertou para consequências ambientais severas esperadas ainda este ano.

Marina Silva enfatizou a mudança de abordagem do governo, passando de uma gestão reativa para uma focada na prevenção. Segundo ela, "o custo de prevenir é sempre menor do que o de remediar", destacando a necessidade de antecipar-se aos desastres ambientais iminentes.

O Pantanal já enfrenta uma estiagem severa, com escassez hídrica e um número alarmante de incêndios identificados desde o primeiro semestre, algo inédito para a região. O presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, ressaltou que mais de 2 mil brigadistas já foram contratados para combater os incêndios em todo o Brasil, especialmente no Pantanal e na Amazônia.

Ações emergenciais estão em curso desde outubro do ano passado, envolvendo operações conjuntas entre Ibama, ICMBio e governos estaduais. Apesar da gravidade da situação, ainda não foi decretada emergência, e os recursos atuais provêm dos orçamentos dos ministérios envolvidos.

A reunião da Comissão Interministerial Permanente de Prevenção e Controle do Desmatamento e Queimadas, presidida por Geraldo Alckmin, coordenou esforços para simplificar processos de contratação de brigadistas, equipamentos e aeronaves. Além disso, discutiu-se a possibilidade de buscar recursos extraordinários, essenciais para enfrentar a crise.

Marina Silva destacou a necessidade de revisar normas para permitir o apoio de aeronaves internacionais, se necessário, dada a complexidade e a extensão das áreas afetadas. Também foi mencionada a importância da participação de todos os Poderes e da sociedade civil para garantir uma resposta eficaz e abrangente.

Para além das ações imediatas, o governo está se preparando para um cenário prolongado de seca e incêndios, envolvendo planejamento estratégico antecipado e cooperação internacional, se necessário. A ministra ressaltou a importância de suprir as necessidades básicas das comunidades afetadas na Amazônia, como combustível, oxigênio e alimentos, enquanto os rios permanecem baixos.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias