ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 16º

Meio Ambiente

Com menos chuva, queimadas podem ultrapassar número de 2014

Viviane Oliveira | 09/06/2015 15:03
A imagem foi feita durante queimada na área do Porto Geral no ano passado. (Foto: Leandro Oliveira/Capital do Pantanal)
A imagem foi feita durante queimada na área do Porto Geral no ano passado. (Foto: Leandro Oliveira/Capital do Pantanal)

Com a previsão de que chova menos este ano, as queimadas na região do Pantanal podem ultrapassar os registros dos dois últimos anos. Corumbá já lidera o ranking estadual com 244 focos de incêndio, enquanto Mato Groso do Sul fica em 7º lugar entre os estados com mais queimadas, de acordo com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Depois do maior município pantaneiro, Rio Brilhante aparece em 2º lugar com 33 focos de calor e em terceiro, Ribas do Rio Pardo com 29. Campo Grande está na lista na 21º posição com 9 focos. O período de estiagem começa em julho e vai até dezembro.

Nos dois últimos anos a cheia foi mais intensa por causa das chuvas, reduzindo assim, as queimadas no período seco e acumulando combustível natural, de acordo Alexandre Pereira, coordenador estadual do PrevFogo do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). "A vegetação que não foi queimada nos últimos anos serve de combustível no período seco e sem chuva a situação tende a piorar”, explica.

Para diminuir o prejuízo ao meio ambiente e a saúde humana causado pelo fogo, Alexandre diz que o PrevFogo treina equipes na prevenção e combate a incêndio em área de vegetação. No total, serão treinados 70 brigadistas, que vão atuar no município de Corumbá, Aquidauana, Miranda e em Porto Murtinho.

As equipes percorrem escolas, assentamentos e propriedades rurais fazendo palestras e campanha de prevenção. Nas aldeias indígenas, as brigadas fazem a queima controlada da mata para que não ocorra grandes incêndios florestais nesta época do ano. “A maioria dos casos que o fogo se alastrou foi por descontrole na queima controlada”, alerta.

Muito calor - Conforme a meteorologista Cátia Braga, do Cemtec (Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos), a estabilidade continua em MS, principalmente na região do Pantanal, devido a presença de um sistema de alta pressão, que impede a formação de nuvens de chuva. “Esse sistema de alta pressão causa efeito de calor, tempo abafado e umidade relativa do ar muito baixa”, explica.

A região do pantanal vai ficar sem chuva por pelo menos dez dias, segundo a meteorologista. Apesar da nebulosidade, as temperaturas vão ficar em torno de 32ºC com umidade relativa do ar de 40%, o que dará a sensação de mais calor.

Nos siga no Google Notícias