ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 24º

Meio Ambiente

Depois de chuva, cai para 35 número de focos de fogo no Pantanal, 14 em Corumbá

Combatentes permanecem em terra e ações só serão desmobilizadas 48 horas após extinção total dos focos

Por Lucia Morel | 17/10/2020 09:05
Brigadistas do Prevfogo combatendo fogo no Pantanal, em Corumbá, sob pingos de chuva. (Foto: Ecoa)
Brigadistas do Prevfogo combatendo fogo no Pantanal, em Corumbá, sob pingos de chuva. (Foto: Ecoa)

Dois dias depois de chuva que chegou ao Pantanal de Corumbá e também do Mato Grosso, apenas 35 focos foram registrados no bioma nas últimas 48 horas, segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Na Cidade Branca, no mesmo período, são 14 fotos identificados desde quinta-feira.

Pelos números oficiais do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), de lá para cá, a precipitação alcançou volume de apenas 2,6 milímetros, mas que aumentou a umidade do ar, facilitando o combate às chamas.

Fonte: Inpe
Fonte: Inpe

Há 28 focos ainda ativos no Pantanal de MS, conforme o Inpe, sendo que, além dos 14 em Corumbá, há ainda 7 em Miranda, 6 em Rio Verde e um em Aquidauana.

Para se ter uma ideia de como a chuva ajudou o bioma, eram 205 focos ativos até quarta-feira, 14, um dia antes da precipitação, caindo para os atuais 28, que ainda estão sendo combatidos por terra.

Em Mato Grosso, as informações de autoridades à frente das operações de combate, os principais e mais difíceis focos de incêndio já foram extintos. Há apenas sete focos ainda sendo combatidos nas últimas 48 horas.

No Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense, por exemplo, restam poucos focos. No entanto, até ontem, grande extensão ainda queimava, como pode-se ver em vídeo enviado pelo PrevFogo.

Mesmo assim, até 48 horas após a extinção total de todos os focos, as equipes de combate permanecem nas áreas prevenindo qualquer possibilidade de reignição do fogo.



Como a chuva não foi intensa, ainda havia, até ontem, muita fumaça sobre Corumbá, segundo relatou o tenente-coronel Waldemir Moreira, do Centro de Operações Ambientais do Corpo de Bombeiros. Na Serra do Amolar, havia também muita fumaça até ontem.

Matéria alterada para correção de informação às 10h19.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário