ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  24    CAMPO GRANDE 22º

Meio Ambiente

Empresa perde licença para hidrelétrica em rio com cachoeira cênica

Em outubro do ano passado, Ministério Público pediu ao Imasul a suspensão da licença

Por Maristela Brunetto | 09/05/2024 09:18

Cachoeira tem 80 metros de altura e é atração turística; moradores temiam perda do véu de noiva com represamento para hidrelétrica (Foto: Arquivo)
Cachoeira tem 80 metros de altura e é atração turística; moradores temiam perda do véu de noiva com represamento para hidrelétrica (Foto: Arquivo)

O Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) cancelou a licença prévia que havia concedido no ano de 2021 para a instalação de uma CH (Pequena Central Hidrelétrica) em Pedro Gomes, na região norte do Estado. O empreendimento entrou na mira do MPE (Ministério Público Estadual) pela preocupação da comunidade com danos a uma cachoeira cênica, de 80 metros de altura, que é cartão-postal da cidade.

Na publicação do cancelamento, o órgão estadual informa que fez o cancelamento por identificar irregularidades no procedimento de obtenção da licença. Entre os fundamentos consta a autotutela que possibilita a reavaliação de atos e também é mencionada a “revisão de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras”.

O procedimento foi instaurado a pedido da então proprietária do empreendimento, Hacker Industrial. Quando noticiou o ingresso do Ministério Público no caso, em outubro do ano passado, o Campo Grande News tentou contato com a responsável. A informação foi que outra empresa teria assumido o projeto.

O promotor Matheus Macedo Cartapatti publicou uma recomendação que pedia ao Imasul a suspensão da licença, para que o empreendimento fosse melhor avaliado, diante do temor da comunidade de que prejudicaria a cachoeira. Na época do pedido ao Imasul, ele constou que dados técnicos do MPE sugeriam a incompatibilidade entre unidades de conservação e geradores de energia hidrelétrica. No caso da PCH Cipó, o represamento da água para a produção de energia retiraria 80% do volume de água do córrego, segundo constou no documento ministerial.

Ele pontou que não havia segurança sobre a manutenção do volume de água e, portanto, da beleza da cachoeira, o principal atrativo turístico da região. Conforme trecho da recomendação, “não há segurança técnica e científica que tais impactos não ocorrerão, devendo aplicar-se no caso os princípios da prevenção e precaução”.

O projeto é antigo. Em 2018 houve audiência pública dentro do processo de licenciamento, quando foi informada a pretensão de gerar 3,2 MW de energia, volume capaz de atender 3 mil residências. Em outubro passado, o prefeito da cidade, William Luiz Fontoura (PP), revelou à reportagem que a cidade sofre com quedas de energia, por estar na “ponta” da linha, mas disse desconhecer como seria destinada a energia produzida, se seria vendida para o sistema nacional de distribuição.

Também informou à reportagem que se oporia ao empreendimento se colocasse em risco o “véu de noiva” produzido pela cachoeira para fazer uma represa para a geração de energia, já que é uma preocupação da comunidade.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias