ACOMPANHE-NOS    
MAIO, TERÇA  26    CAMPO GRANDE 12º

Meio Ambiente

Fórum pede apoio a senadores sul-mato-grossenses contra Código Florestal

Por Angela Kempfer | 07/06/2011 14:14

O Fórum de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Mato Grosso do Sul, integrado por entidades ambientalistas, sindicais e movimentos populares, enviou aos 3 senadores sul-mato-grossenses ofício cobrando postura contra o Código Florestal aprovado na Câmara Federal.

O grupo alega que a comunidade científica foi ignorada no debate sobre o projeto, "prevalecendo os interesses do agronegócio e questões de cunho político".

O porblema é motivo suficiente, avalia o Fórum, para que o Senado amplie a discussão sobre o assunto antes da votação do texto.

"A esperança da sociedade está na sobriedade do Senado, na sua capacidade de colocar os interesses gerais da nação acima dos interesses de classe de um segmento que historicamente é um dos maiores responsáveis por graves desequilíbrios ambientais existentes no País."

O Fórum cita trecho de reportagem do jornal O Estado de São Paulo que mostra que “as mudanças nas regras de preservação de mata nativa nas propriedades rurais, que constam do novo Código Florestal aprovado pela Câmara, ampliam em 22 milhões de hectares a possibilidade de desmatamento no País - o equivalente ao Estado do Paraná. O número representa as áreas de reserva legal que poderão ser desmatadas legalmente caso o texto seja aprovado no Senado e sancionado pela presidente Dilma Rousseff.

Os cálculos foram feitos a pedido do Estado pelo professor Gerd Sparovek, do Departamento de Solos da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), com base no texto do relator Aldo Rebelo (PC do B-SP) e na emenda 164, aprovados na Câmara na terça-feira. A conta leva em consideração a dispensa de recuperação da reserva legal, que é a área, dentro das propriedades rurais, que deve ser mantida com vegetação nativa e varia de 20% a 80% das terras."

O documento foi enviado aos senadores Delcídio do Amaral (PT), Waldemir Moka (PMDB) e Marisa Serrano (PSDB)