ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 24º

Meio Ambiente

Fumaça de incêndios no Pantanal deixa sol avermelhado na Capital

Meteorologista do Inmet aponta que fenômeno ocorre quando partículas poluentes permanecem suspensas no ar

Por Mylena Fraiha | 25/06/2024 08:47
Pela manhã, sol é visto com uma tonalidade avermelhada na Avenida Ministro João Arinos, na Capital (Foto: Henrique Kawaminami)
Pela manhã, sol é visto com uma tonalidade avermelhada na Avenida Ministro João Arinos, na Capital (Foto: Henrique Kawaminami)

Nesta terça-feira (25), o céu de Campo Grande amanheceu coberto por uma densa cortina de fumaça e chegou a deixar o sol com uma tonalidade avermelhada. O fenômeno é resultado da poluição causada pelos incêndios no Pantanal de Mato Grosso do Sul, segundo especialistas.

Imagens mostram que a fumaça se espalhou pelo Centro e várias outras regiões da cidade, dando um aspecto nublado ao céu. Na noite anterior (24), a lua também apresentou uma coloração avermelhada devido à fumaça.

O meteorologista do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), Cleber Souza, explica que o fenômeno ocorre quando partículas poluentes permanecem suspensas no ar em áreas onde o ar está mais seco.

"Esse fenômeno acontece por causa da fumaça das queimadas no Pantanal, que é trazida pelo vento. Isso gera o sol avermelhado, agravado pela fumaça dos veículos. E como faz muitos dias que não chove na região, a situação piora", explica o meteorologista do Inmet.

Devido a fumaça das queimadas, céu nublado é visto na região central da Capital (Foto: Henrique Kawaminami)
Devido a fumaça das queimadas, céu nublado é visto na região central da Capital (Foto: Henrique Kawaminami)

Com a chegada da estiagem de inverno, Cleber prevê que o fenômeno poderá se tornar mais comum. "Como sabemos que não haverá chuva, a tendência é o aumento dos focos de queimadas, tornando esse fenômeno mais frequente."

O meteorologista também alerta a população sobre a necessidade de cuidar da saúde respiratória. "À noite, a situação é pior, pois a fumaça desce e fica mais próxima da superfície, piorando a qualidade do ar e afetando a saúde respiratória", conclui Cleber.

O meteorologista Natálio Abrão também reitera essa análise. Ele aponta que a situação irá se agravar nos próximos dias nas cidades do oeste e centro do Estado. "Geograficamente, em Campo Grande e municípios próximos, temos névoa seca associada a fumaça e poeira em suspensão na atmosfera. Isso ocorre devido à baixa umidade e alta pressão, agravado pelos componentes originados das queimadas no oeste do estado. Ao longo do dia e com o passar dos dias, a situação tende a piorar".

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias