ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 24º

Meio Ambiente

Operação “Mata Atlântica em Pé” vai fiscalizar 22 áreas de desmatamento em MS

É a quarta edição da operação, que em 2020 vistoriou 24 alvos/áreas e no ano anterior, 126

Lucia Morel | 21/09/2021 18:55
Área de Mata Atlântica em MS. (Foto: Imasul)
Área de Mata Atlântica em MS. (Foto: Imasul)

O Ministério Público de Mato Grosso do Sul vai fiscalizar, em parceria com a PMA (Polícia Militar Ambiental) 22 áreas em 14 municípios do Estado por desmatamento de partes do bioma Mata Atlântica presentes em MS. A ação faz parte da Operação “Mata Atlântica em Pé”, encabeçada pelo MP do Paraná.

É a quarta edição da operação, que em 2020 vistoriou 24 alvos/áreas e no ano anterior, 126. O alto número de alvos no ano de 2019 é decorrente do acúmulo de alvos dos anos de 2016, 2017 e 2019 do Programa DNA Ambiental do MPMS.

Segundo o MPMS, isso também refletiu no montante de multas aplicadas aos infratores, que no ano de 2020 foi de aproximadamente R$ 1.058.000,00, inferior, portanto, ao ano de 2019 que somou R$ 6.106.990,00.

Dados do Atlas da Mata Atlântica, do Instituto SOS Mata Atlântica, mostram que os três Estados que mais desmataram a floresta entre 2019 e 2020 foram Minas Gerais (4.701 ha), Bahia (3.230 ha) e Paraná (2.151 ha). Junto de Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, respectivamente, o quarto e o quinto colocados da lista, essas unidades da federação acumulam 91% de perda de vegetação do bioma no período.

Integram também o bioma da Mata Atlântica os seguintes Estados: Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e Goiás.

Em MS, a operação conta com a participação e o apoio da PMA, que realizará as fiscalizações no modo presencial, a partir dos alvos refinados pelo Nugeo (Núcleo de Geotecnologias) do MPMS. “Os 22 alvos são extraídos a partir dos dados elaborados pelo Programa DNA Ambiental do MPMS, que realiza análises multitemporais bimestrais para identificação dos desmatamentos possivelmente ilegais no Estado”, comenta o Promotor de Justiça Luciano Furtado Loubet, Diretor do Núcleo Ambiental.

A expectativa é ampliar o número de áreas fiscalizadas em relação às edições anteriores. A ação teve início ontem em 17 estados brasileiros que integram o bioma.

Nos siga no Google Notícias