A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Abril de 2019

24/01/2019 16:45

Sobre investigação de danos ambientais, Energisa afirma que cumpre legislação

Empres diz que o convênio com a prefeitura para manejo do processo de poda de árvores foi assinado no dia 5 de junho de 2018 e que a poda é de responsabilidade do Executivo

Gabriel Neris
Promotoria instaurou procedimento para acompanhar a implementação do Plano Diretor de Arborização Urbana (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)Promotoria instaurou procedimento para acompanhar a implementação do Plano Diretor de Arborização Urbana (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)

A rede de concessionária de energia elétrica Energisa informou que cumpre a legislação ambiental em relação à ação civil pública proposta pela 34ª Promotoria de Campo Grande por danos ambientais em APPs (Áreas de Preservação Permanente), do Segredo, morte de árvore da espécie tamarindo, e podas e cortes sem autorização.

Em nota, a empresa “ratifica o seu compromisso em cumprir a legislação ambiental, e esclarece que os fatos relacionados não foram de sua responsabilidade”.

A empresa diz ainda que a implantação da linha de transmissão foi correta e realizou a Compensação Ambiental junto à Semadur (Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Gestão Urbana). Também aponta que a área havia sido invadida por comunidades carentes “que já haviam provocado dano pela ocupação desordenada, sem qualquer participação da Energisa”, mas que ainda assim ofereceu planos para recuperação da área degradada, em andamento desde 2017.

“Por fim, a distribuidora esclarece que na ação civil pública citada houve a revogação pelo Tribunal de Justiça da liminar concedida anteriormente no processo, decisão que vem sendo cumprida regularmente pela Energisa por meio do Prada (Programa de Recuperação de Áreas Degradadas ou Alteradas) e da legislação ambiental”, aponta a concessionária.

A 42ª Promotoria instaurou procedimento para acompanhar a implementação do Plano Diretor de Arborização Urbana. Representação protocolada no Ministério Público aponta que podas são realizadas de formada errada.

A concessionária informou que não tem conhecimento da representação e só se manifestará após eventual intimação. Também aponta que o convênio com a prefeitura para manejo do processo de poda de árvores foi assinado no dia 5 de junho de 2018 e que a poda é de responsabilidade do Executivo, atuando apenas quando a vegetação mantém contato com a rede elétrica colocando a população em perigo.

“Dos problemas envolvendo a rede elétrica, 40% são ocasionados por plantios inadequados de árvores ou não realização da poda preventiva. A empresa realiza um plano de manutenção permanente em vários municípios do estado, e essas operações intensivas visam garantir mais qualidade no fornecimento de energia”, termina a nota da concessionária.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions