A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 16 de Agosto de 2017

13/12/2016 15:20

"PEC 55 é a esperança para sair do caos", dizem senadores de MS

Os três parlamentares de Mato Grosso do Sul votaram a favor da PEC que impõe teto aos gastos públicos

Alberto Dias
A PEC sozinha não fará milagres mas é a primeira a estancar a a sangria, diz Simone Tebet (PMDB). "A PEC sozinha não fará milagres mas é a primeira a estancar a a sangria", diz Simone Tebet (PMDB).
Teremos mais recursos para a saúde do que antes, pelo menos para o ano que vem, diz Waldemir Moka (PMDB)."Teremos mais recursos para a saúde do que antes, pelo menos para o ano que vem", diz Waldemir Moka (PMDB).
Sou da base do governo e concordo com a restrição e rigidez nos gastos, diz Pedro Chaves (PSC). "Sou da base do governo e concordo com a restrição e rigidez nos gastos", diz Pedro Chaves (PSC).

Para os senadores de Mato Grosso Sul, a aprovação da PEC 55 (Proposta de Emenda à Constituição) que limita os gastos públicos é a alternativa para que o País pare de gastar mais do que arrecada. Os três parlamentares de MS estão entre os 53 senadores que votaram favoráveis a emenda, aprovada nesta terça-feira (13) já em segundo turno e que começa a vigorar em 2017.

"Ruim com ela, pior sem ela", justificou a senadora Simone Tebet (PMDB) sobre seu voto favorável. "Sem a PEC o governo continuaria gastando mais do que tem, e gastando mal. Agora terá de gastar bem o pouco que tem. Não vai ter obra superfaturada. Não terá ponte de concreto enquanto não tiver remédio no posto de saúde", avaliou a senadora, lembrando que o rombo dos cofres públicos chega a R$ 170 bilhões.

A opinião é dividida pelo colega de Senado e partido, Waldemir Moka. "Não é um voto que demos com alegria. É um ajuste, num momento difícil em que o País chegou após 13 anos de administração do governo anterior", disse, ressaltando que em algum momento seria preciso limitar gastos e "a única forma de fazer isso é por meio dessa PEC". Para o peemdebista, o Governo e o Congresso terão condições de eleger as áreas prioritárias, como saúde e educação.


Já o senador Pedro Chaves (PSC) explicou ao Campo Grande News que seu voto também foi favorável à PEC após analisar a situação do País, com um PIB (produto interno bruto) negativo em - 3,8% e uma situação difícil deixada por Dilma (Rousseff). "Havia 39 ministérios, muita gente contratada, isenção de impostos como IPI que prejudicaram a arrecadação", reclamou. "Estouraram todos os tetos de gastos, criou-se um desequilíbrio muito grande e não há recurso que chegue", finalizou Chaves.


Saúde e educação - Os três parlamentares acreditam que medida não prejudicará os investimentos nas áreas prioritárias, especialmente saúde e educação, e sim restringir e impor limites aos gastos nas demais áreas.

Durante a tramitação no Senado a matéria provocou discussões entre a oposição e a base de apoio ao governo. Segundo os apoiadores da medida, o teto de gastos é necessário para o ajuste fiscal e não vai prejudicar os gastos sociais. Para a oposição, a PEC impedirá investimentos públicos, agravará a recessão e prejudicará principalmente os mais pobres, ao reduzir recursos em áreas como educação e saúde.

A PEC 55 limita os gastos do Governo pelos próximos 20 anos, com possibilidade de revisão somente a partir do décimo ano de vigência. A expectativa é seja promulgada já nesta quinta-feira (15). Antes de chegar ao Senado, a PEC também foi aprovada em dois turnos na Câmara dos Deputados.




Ah ham, segundo os estudiosos, além dos repasses, os valores atuais viram piso e no prazo de 20 anos só a saúde vai perder 743 bilhões de reais, uma micharia né!! Estas pessoas deveriam consultar sua equipe técnica pelo menos, já que não lêm jornais, antes de sair falando bobagens politiqueiras!!!
 
TIJUANO em 14/12/2016 08:10:47
Os senadores são mesmo uns cínicos.
A PEC 55 foi apresentada com uma solução para os "problemas" do país. Agora vem esses senadores e falam que a PEC é apenas uma "esperança" de solução.
A população não é boba.
2018 teremos eleições.
Aguardem.
 
Critico em 13/12/2016 22:14:45
Mais uma manobra por parte dos nossos representantes para jogar a conta para o povo, é uma vergonha mesmo!!!!
 
Coelho em 13/12/2016 19:17:08
Esses nossos representantes mais uma vez tentando enganar a população com essa lorota.
 
Fabiano Almeida Coelhos em 13/12/2016 19:05:15
Tinham que votar primeiro uma PEC que limita ou acaba com a corrupção no meio politico, tudo isto é reflexo da bandidagem que se instalou na politica brasileira, agora a solução é jogar a bomba na mão do povo brasileiro e tá tudo resolvido.
 
LEANDRO GONCALVES em 13/12/2016 17:09:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions