ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  26    CAMPO GRANDE 26º

Política

Acreditando em união da oposição, André tenta "última cartada" com Azambuja

Por Wendell Reis | 21/03/2012 11:41

Governador se reuniu em Brasília com o pré-candidato do PSDB para pedir que a situação se una para fazer frente à oposição

Azambuja alega ter dito não a proposta de lançar candidatura única da situação em Campo Grande(Foto: Wendell Reis
Azambuja alega ter dito não a proposta de lançar candidatura única da situação em Campo Grande(Foto: Wendell Reis

O governador André Puccinelli (PMDB) se reuniu com o pré-candidato do PSDB, Reinaldo Azambuja, na noite de ontem (20), na casa do senador Waldemir Moka (PMDB), em Brasília. Durante o encontro, Puccinelli tentou, outra vez, trazer o PSDB para a aliança com o PMDB, em apoio a candidatura de Edson Giroto (PMDB).

O encontro foi confirmado pelo deputado Reinaldo Azambuja, que garante ter recusado a proposta. Como argumento para trazer o antigo aliado, Puccinelli lembrou que a oposição está se unindo e deve lançar candidatura única. Desta maneira, disse a Azambuja que seu grupo precisava se manter unido.

Azambuja garante que a conversa foi tranquila e achou o argumento do governador bastante válido. Entretanto, disse que a esta altura não poderia desistir de ser candidato. Azambuja alegou que acha importante que a população tenha outras opções, mas afirmou a Puccinelli que a candidatura do PSDB não é de oposição.

Ao ser indagado se não seria mais fácil a população votar em Giroto, visto que a candidatura do PSDB é de alguém que participou da administração de Nelson Trad Filho (PMDB), que até o momento é bem avaliada em pesquisas, Azambuja diz que está ouvindo a população, perguntando o que ela quer melhorar. Assim, segundo ele, caberá ao eleitor escolher a melhor proposta.

Azambuja avalia que o fato de seus secretários terem deixado o cargo as vésperas do lançamento de sua candidatura não prejudica. Ele explica que os cargos ocupados pelo PSDB são técnicos e não compromete em nada, visto que o PSDB tinha acordo com o PMDB para ficar até dezembro de 2012 e resolveu sair antes por respeito.

No dia 31 de março o PSDB deve deixar a secretaria de Educação, ocupada por Maria Cecília Amêndola, e a Funesp (Fundação Municipal de Esposte), comandada por Carlos Alberto de Assis. A dupla garante que não tentará uma vaga na Câmara, mas deixará o cargo por causa da candidatura própria do PSDB.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário