A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

07/11/2012 08:39

Alegando rombo de R$ 397 milhões, prefeituras de MS "fecham" hoje

Fabiano Arruda
Presidente da Assomasul, Jocelito Krug, diz que prefeituras não vão interromper serviços essenciais. (Fofo: Divulgação)Presidente da Assomasul, Jocelito Krug, diz que prefeituras não vão interromper serviços essenciais. (Fofo: Divulgação)

Em protesto por conta da crise financeira e a dificuldade em fechar as contas até o final do ano, prefeituras de Mato Grosso dos Sul paralisam as atividades nesta quarta-feira.

Os entraves financeiros foram gerados ao longo do ano, sobretudo, pela queda de receita, principalmente, do FPM (Fundo de Participação dos Municípios). Segundo a Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), que lidera a mobilização, o rombo nas prefeituras do Estado por conta da situação chega a R$ 397,1 milhões.

Segundo o presidente da entidade, Jocelito Krug, que concedeu entrevista a TV Morena, afiliada da Rede Globo, nesta quarta, os prefeitos reivindicam que o Governo Federal promova compensação das perdas financeiras. Na semana que vem, eles devem viajar para Brasília (DF).

Conforme Krug, os municípios que aderem à paralisação não vão interromper serviços essenciais, mas a intenção é mostrar à população que as prefeituras estão em dificuldade.

Para ele, os prefeitos vivem um momento crítico por conta da necessidade do cumprimento da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), que faz aos prefeitos em fechar as contas, sob condição de receberem punições.

Situação – O presidente da Assomasul destacou a aprovação ontem (6) à noite, pela Câmara Federal, do projeto de lei do Senado que trata da redistribuição dos royalties do petróleo para estados e municípios produtores e não produtores.

No entanto, no entendimento da entidade, o Governo Federal foi o maior “vilão” e “estrangulou” as prefeituras com a concessão de isenções, como do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) na compra de carro zero e eletrodomésticos. O tributo é um dos itens que compõem o FPM que, para muitos prefeitos, forma parcela significativa do orçamento.

“Para piorar a situação, o governo decidiu prorrogar até 31 de dezembro a redução do IPI para automóveis”, criticou Krug.

Em protesto por crise financeira, prefeituras de MS "fecham" no dia 7
Prefeituras do Estado devem paralisar as atividades no dia 7 de novembro em protesto por conta da situação financeira gerada, sobretudo, pela queda d...
PMDB, PSDB e PT conquistam o maior número de prefeituras
O PMDB, partido do vice-presidente da República, Michel Temer, foi a sigla que conquistou o maior número de prefeituras – 1.041 – entre os 5.568 muni...
Assomasul classifica como melancólico "repasse" às prefeituras
O presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Jocelito Krug (PMDB), voltou a se manifestar hoje (18) sobre a redução ...
FPM soma R$ 47 milhões e Assomasul alerta sobre nova queda
O repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) setembro deve ser de R$ 47,1 milhões, R$ 9 milhões a menos que os R$ 56 milhões repassados em...


A SITUAÇÃO ESTÁ ASSIM, PELA FALTA DE GERÊNCIA DA ESCOLHA DO POVO, SEMPRE ERRANDO, COLOCANDO A POPULARIDADE NAS GESTÕES DESTE PAÍS EM TODOS OS MUNICÍPIOS, NÃO A QUALIDADE, PREFEITOS, VEREADORES, DEPUTADOS ESTADUAIS, FEDERAIS E SENADORES, JUNTAMENTE COM OS GOVERNADORES, PRECISAM SABER ADMINISTRAR O BEM PÚBLICO COM SE FOSSE O SEU, PRECISAM PRIMEIRO, SABER FAZER RECEITAS, E QUE O QUE OCORRE É O CONTRÁRIO, NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA, PELA DEMOCRACIA MENTIROSA, QUE OBRIGA A VOTAR, E QUEM MAIS VOTA, É O DESPREPARADO, QUE POR MIGALHAS, ELEGEM QUAISQUER, QUE SEM SABEDORIA, HOJE RECLAMAM, ADMINISTRADORES, VÃO AO SEBRAE, VÃO FAZER CURSOS, PARA APRENDEREM GERAREM RECEITAS, QUE É O PRIMORDIAL, DEPOIS A DESPESA É CONSEQUÊNCIA, E AINDA PRECISA HAVER SUPERÁVIT, SE NÃO OCORRER, ESTÁ QUEBRADA
 
PEDRO BRAGA em 07/11/2012 16:40:13
BOM DIA AMIGOS CERTA ÉPOCA OUVI UMA GRANDE FRASE(O BRASILEIRO QUANDO ATINGIDO. MORALMENTE OU FINANCEIRAMENTE,FISICAMENTE,ELE SE LEMBRA DO INIMIGO ATÉ 15 DIAS.APÓS 16 DIAS VIRA TUDO EM PIZZAS.
 
ALSIDNEI ANDRE DA SILVA em 07/11/2012 13:29:24
Uma vergonha nacional esse sistema politico administrativo nosso Uma Cidade com Inocência, não precisa de mais de uma pessoa para administrar. Cria cargo de cice prefeito, Vereador, secretarios, só para comer o dinheiro público. Bastava 1 prefeito que decidiria com represantantes da Comunidade local o que fazer com os impostos.
 
luiz alves em 07/11/2012 12:24:29
DIFICULDADE FINACEIRA = FALTA DE GESTÃO DE DINHEIRO PÚBLICO = GASTOS DESNECESSÁRIOS.. E TAMBÉM ANO ELEITORAL CONTRIBUI PARA ESTA DIFICULDADE FINANCEIRA.
 
Sérigo Damasceno em 07/11/2012 11:25:54
A solução para este problema é simples. As prefeituras devem gastar menos ou igual ao que arrecadam. Se gastar mais do que a capacidade de arrecadação é evidente que o município vai encontrar dificuldades no momento de prestar contas. Ao invés de realizarem protestos patéticos, os senhores prefeitos deveriam se preocupar em adotar melhores medidas de gestão administrativa e gastar menos dinheiro com arregalias concedidas a vereadores e aos próprios prefeitos!
 
Antonio Aparecido de Mendonça em 07/11/2012 10:44:21
É redução do IPI por parte do Governo Federal, Lei de Responsabilidade Fiscal, as contas dos Municípios tem que fechar no final do ano, mas tudo isso um mês após as eleições Municipais, quando muito desses prefeitos foram reeleitos, muito estranho...
 
Davi Paniagua Fernandes em 07/11/2012 09:59:58
Legal, branquinho que entrou na prefeitura pedalando uma bicicletinha, outro de uninho bagaçado, desfila de corola, de ronda civic, cabos eleitorias, agenciadores de voto, cuja atividade ocupacional era desconhecida, paga de chefe, funcionários trombam uns com os outros, gasolina e celular é tudo por conta da casa. E o superavit da epoca das vacas gordas, cade a poupança, tá abastecendo algumas panças. Agora na hora de fechar as contas branquinho mia, porque não economizou nos últimos quatro, oito anos.
 
maria vieira em 07/11/2012 09:52:44
Pelo amor de Deus!!!!
Como sempre o povo paga o PATO se o erro é do administrativo.....
 
Tiago Serino em 07/11/2012 09:18:32
Isto é resultado pós eleitoral. As prefeituras-prefeitos estao tentando encontrar desculpas para nao serem enquadrados na lei de responsabilidade fiscal. Nos municipios do interior do Estado houve um aumento das despesas com postos de combustiveis, empresas de auto pecas, saúde, licitacoes milionárias para limpeza de ruas, assessoria juridica fajuta, enfim, tá tudo aí. O Tribunal de Contas tem a obrigacao de fiscalizar e enquadrar os maus gestores na LRF, limando estes irresponsaveis da politica estadual.
 
felipe de souza em 07/11/2012 09:18:04
Viu só. Isso é que dá.
Os excelentissimos senhores prefeitos (reeleitos ou não), gastaram tudo o que tinham e o que não tinham nas prefeituras para se reelegerem ou para eleger suas novas crias políticas, agora ficam aí dizendo que vão fechar as prefeituras porque não tem dinheiro.
Ainda bem que existe a Lei de Responsabilidade Fiscal para eles cumprirem, e, se não cumprirem "QUE VÃO PRA CADEIA", pois lugar de ladrão e curruptos é na "CADEIA".
Sejam ben vindos, estarei aqui para recebê-los.
 
Ezequiel Reis em 07/11/2012 09:08:07
A situação ja vem desde o inicio do ano, muitos prefeitos foram reeleitos mas esconderam essa situação dos seus municipes. Todos gostaram da redução do IPI, mas não querem pagar a conta. Creio que esses prefeitos tiveram tempo para reclamar disso e gerenciar tais situações. Seus munícipes não tem que pagar por isso outra vez.
 
jesus ribeiro em 07/11/2012 09:00:54
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions