A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

23/05/2014 09:28

André não esconde irritação com desfalque na segurança na Copa

Aline dos Santos e Kleber Clajus
A Copa não é aqui, afirma o governador. (Foto: Cleber Gellio)"A Copa não é aqui", afirma o governador. (Foto: Cleber Gellio)

O desfalque na segurança pública de Mato Grosso do Sul para atender cidades-sede da Copa do Mundo foi confirmada pelo governador André Puccinelli (PMDB), mas ele não esconde a irritação e enfatiza que será o mínimo possível.

“Não tem como deixar de fazer, mas será o mínimo possível porque preciso de policial aqui. A Copa não é aqui”, afirma Puccinelli nesta sexta-feira. Ele participa do 5º Congresso Nacional de Vereadores, realizado no Crea/MS (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia).

Campo Grande se candidatou a receber jogos do Mundial, mas foi preterida por Cuiabá, capital do Mato Grosso, na escolha da Fifa (Federação Internacional de Futebol).

“Estou contratando agora, estão fazendo academia e me tiram [policiais para] a Copa”, salienta. O governador conta que consultou o titular da Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública), Wantuir Jacini, sobre a necessidade de enviar policiais para fora do Estado. Não foi divulgada a quantidade de policiais que partem daqui para atuar na Copa.

Ontem, o Campo Grande News divulgou que somente a PRF (Polícia Rodoviária Federal) terá que abrir mão de 25,5% do efetivo. Desta forma, postos de atendimento correm o risco de serem fechados de 30 de maio até meados de julho.

O alerta partiu do presidente do Sindicato dos Policiais Rodoviários de Mato Grosso do Sul, Lúcio Nogueira. Segundo ele, dos 450 profissionais, que atuam em 22 postos e 10 delegacias, 115 foram escalados para atuar na Copa.

Das polícias Civil e Militar, segundo Jacini, por enquanto, poucos policiais foram convocados pela Fifa. “Uma meia-dúzia está atuando no planejamento, nos setores de inteligência, execução e perícia”, disse ontem à reportagem.



É engraçado, isso pra mim cheira mais a dor de cotovelo do que a preocupação com segurança, se Campo Grande tivesse sido escolhida para sediar alguns jogos, outros estados teriam que abrir mão da policia FEDERAL (ou seja, pertence ao país e não ao estado) para fazer a nossa segurança, o grande problema aqui é que não temos uma policia militar descente, no estado de São Paulo, 80% das estradas são policiadas por policiais militares, que pertencem ao estado, aqui isso não existe, portanto acho que o governador não tem muito o que reclamar, que crie-se então uma policia militar rodoviária para o MS oras.
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 23/05/2014 12:53:04
Interessante que o Governador, junto com o Prefeito da época, fez aquela campanha para Campo Grande ser uma sede da copa; agora critica o ônus que TODOS os brasileiros estão e vão pagar pela realização do evento! Verdadeiro camaleão esse italiano...
 
EDSON TROMBINE LEITE em 23/05/2014 10:19:09
Como a má gestão do governo federal chega a atingir até os estados e municípios, levar policiais de uma região critica como a nossa por causa da fronteira. Caso algo aconteça com alguma pessoa por falta de policias, todo cidadão tem o direito de ajuizar uma ação judicial contra o governo federal pedindo indenização.
 
Marcos Wild em 23/05/2014 10:00:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions