ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, QUARTA  08    CAMPO GRANDE 23º

Política

Após demissão da esposa, Chocolate diz que não será tratado como palhaço

Por Vinícius Squinelo e Kleber Clajus | 17/10/2013 11:02
Vereador ocupou a tribuna hoje para criticar o prefeito, que sempre teve o apoio dele e da esposa (Foto: Cleber Gellio/Arquivo)
Vereador ocupou a tribuna hoje para criticar o prefeito, que sempre teve o apoio dele e da esposa (Foto: Cleber Gellio/Arquivo)

Revoltado, o vereador Waldecy Chocolate (PP) reagiu à demissão da esposa, Claudia Nubia Ferreira Duarte, após votar favorável à abertura da Comissão Processante contra o prefeito Alcides Bernal, também do PP. Chocolate cobrou respeito, e avisou que não vai admitir ser tratado como “palhaço”.

“Sou palhaço de profissão, mas não para ser tratado como, mereço respeito”, disparou o parlamentar, durante a sessão desta quinta-feira (17) na Câmara Municipal de Campo Grande.

Chocolate lembrou que a esposa trabalhava com Bernal desde a época em que o atual prefeito era deputado estadual. “Não tem justificativa, ela recebeu o cargo por mérito dela, sem minha interferência”, garantiu.

Segundo o parlamentar, Claudia ficou sabendo da demissão através da imprensa, e não foi sequer avisada formalmente do ato pela prefeitura.

“Ela foi demitida no mesmo dia da votação (da Comissão Processante), o prefeito que me desculpe a escolha, mas me respeite”, frisou Chocolate, que ainda garantiu que foi favorável à Comissão para que o prefeito tenha a oportunidade de se defender.

Claudia Nubia Ferreira Duarte, que foi demitida ontem (16), era lotada no Instituto Mirim de Campo Grande, onde trabalhava desde o começo da gestão de Bernal desempenhando funções de assessoramento na gestão do Fundo de Apoio à Comunidade (FAC).

A exoneração, decretada pelo prefeito Alcides Bernal e também assinada pelo secretário de Administração, Ricardo Ballock, foi publicada ontem no Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande). Núbia ocupava o cargo de assessora técnica II, símbolo DCA-5 na Secretaria Municipal de Governo e Relações Institucionais.

Há também o risco de Chocolate ser expulso do PP. Embora Bernal, que é o presidente estadual de legenda, afirme que não fará o pedido, articula nesse sentido. O presidente do Diretório do PP na Capital, vereador Cazuza, já afirmava depois da votação, que haverá processo ético contra Chocolate por ter votado a favor da criação da Comissão Processante.

Chocolate sempre foi um dos vereadores mais fiéis a Bernal desde o começo do atual governo municipal, mas revoltou-se com uma articulação do prefeito em torno da criação da Secretaria Municipal da Juventude. Bernal chegou a conversar com Chocolate sobre nomeá-lo para comandar a pasta, mas depois acabou desprezando o correligionário, o que o deixou muito magoado. Agora, ameaçado de expulsão pelo PP, Chocolate deixa claro seu ressentimento: “Essa é a forma que o Bernal administra, perseguindo as pessoas”.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário