A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

01/08/2017 12:26

Após onda de violência, vereadores discutem segurança pública da Capital

De investimentos em educação e projetos sociais a implantação de pena de morte. Foram apresentados os mais diversos argumentos

Richelieu de Carlo
Vereador Wellington Oliveira faz leitura de requerimento ao plenário. (Foto: Richelieu de Carlo)Vereador Wellington Oliveira faz leitura de requerimento ao plenário. (Foto: Richelieu de Carlo)

Após uma série de assassinatos violentos ocorridos nas últimas semanas e que chocaram a população de Campo Grande, vereadores discutiram a situação atual da segurança pública da Capital na sessão desta terça-feira (1°), no retorno do recesso.

O debate teve início com discurso do vereador Wellington Oliveira (PSDB), que utilizou a tribuna do Legislativo para falar sobre seu projeto de lei que estabelece diretrizes de segurança nas escolas públicas municipais. "É uma situação sem controle", disparou sobre a insegurança na Capital.

Para o tucano, a legislação tem se demonstrado insuficiente para coibir crimes, e defendeu investimentos em programas sociais e em educação para tentar reverter o atual panorama. "Precisamos sair da mesmice e trabalhar de forma técnica", concluiu.

Argumento que foi apoiado pelo colega Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), que lamentou o corte no investimento de projetos sociais, principalmente pelo Governo Federal.

Valdir Gomes (PP) destoou do discurso dos outros integrantes da Casa. Disse que a educação no País "deixa a desejar" e defendeu a implantação da pena de morte para coibir a criminalidade. "Se não tiver pena de morte, vai continuar do jeito que está, com presídios cheios e quem tem dinheiro não fica preso. Quem tira a vida como estão fazendo tem que receber a pena de morte".

Ao discordar do colega, Jeremias Flores (Avante) disse ser contra a aplicação da pena de morte, mas se disse favorável à revisão do Código Penal Brasileiro.

Otávio Trad (PTB) lamentou a situação da cidade, que antes era conhecida como segura e com boa qualidade de vida. "Hoje a população está acuada".

Por fim, André Salineiro (PSDB) demonstrou sua insatisfação em discutir segurança pública, mas não ver resultados práticos disso. Informou sobre a crimalidade no Brasil, líder no ranking mundial de homicídios e sétimo em casos dolosos. "Nunca houve um caos como vemos hoje e a tendência é a violência só aumentar", declarou.

O tucano ainda falou sobre a dificuldade para aprovação no Congresso Nacional de projetos para a segurança, pois pouco se fala de campanhas políticas financiadas por organizações criminosas. "Depois não entendem porque os projetos com melhorias na segurança não são aprovados".




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions