ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 25º

Política

Aprovados em concurso de 2009, professores cobram convocação

Graziela Rezende e Kleber Clajus | 27/11/2013 10:03
Docentes cobram convocação de aprovados em protesto na Câmara Municipal nesta quarta-feira (Foto: Kleber Clajus)
Docentes cobram convocação de aprovados em protesto na Câmara Municipal nesta quarta-feira (Foto: Kleber Clajus)

Com faixas e cartazes, 40 professores realizam protesto na Câmara Municipal nesta quarta-feira (27). Eles cobram a posse do concurso na área da educação realizado em 2009, principalmente porque o prazo para admissão vence em 25 de janeiro de 2014. No local, os vereadores reagiram ao protesto cobrando a presença do secretário municipal de Educação, José Chadid.

“A reivindicação é que sejam convocados para tomar posse 613 profissionais. O número de pessoas contratadas é sete vezes maior do que o número de pessoas aguardando a convocação, sendo atualmente 3.583 e já se prevê uma ampliação para mais 754 pessoas para o próximo ano. A medida é por conta do aumento da hora atividade”, diz o educador físico Vanderlei Sandim, 35 anos.

A espera por uma solução quanto a isso tem sido angustiante também para a educadora infantil Carla Figueiredo, 39. “Até pensei em desistir, mas encontro força para continuar cobrando o meu direito. Já fomos ao Ministério Público para denunciar a questão e amanhã tem uma reunião com promotor de Justiça Alexandre Capiberibe”, comenta Figueiredo.

Sobre os protestos, a vereadora Rose Modesto (PSDB) disse que é lamentável o que está acontecendo na educação de Campo Grande. “Questões políticas acabam prejudicando nossa categoria”, ressalta. Já o vereador Airton Saraiva (DEM) e Paulo Pedra (PDT) defenderam a convocação do secretário para explicar o porquê de não chamar os aprovados.

“Queremos que a comissão de educação da Câmara vá até o secretário para assinar um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) e resolver a questão. Ao contrário irá demiti-lo do cargo”, finaliza.

Nos siga no Google Notícias