ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 29º

Política

Assessor de vereador preso, Carmo Name guardava "materiais de possíveis delitos"

Investigação de fraude em licitações na Prefeitura de Sidrolândia levou 8 pessoas à prisão, incluindo vereador

Por Dayene Paz | 04/04/2024 11:59
Carmo Name, investigado por fraude em contratos da prefeitura. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Carmo Name, investigado por fraude em contratos da prefeitura. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Alvo da Operação Tromper, que investiga fraude em contratos milionários da Prefeitura de Sidrolândia, Carmo Name Júnior, de 38 anos, foi preso em casa, no Jardim Aeroporto, em Campo Grande, nesta quarta-feira (3). No imóvel, policiais encontraram diversos materiais de interesse da investigação de "possíveis delitos". Carmo é assessor do vereador da Capital, Claudinho Serra (PSDB), que também foi preso.

Carmo é da família Name, foco da Operação Omertà, de 2018. Não há informações confirmadas do grau de parentesco. Como assessor de Claudinho Serra - desde a época em que ele era secretário de Fazenda de Sidrolândia - Name fez pagamentos de dívidas particulares dele ou serviços realizados nas propriedades particulares do chefe com recurso público.

A investigação do Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção) identificou que, ao menos em duas ocasiões, propinas foram usadas para pagar serviços em fazenda e na casa do vereador.

Em 3 de janeiro do ano passado, Carmo Name Júnior enviou mensagens ao ex-servidor de Sidrolândia, Tiago Basso (alvo de outras duas fases da Tromper), perguntando sobre fornecedor de gerador de energia elétrica, e ele disse que a demanda já estaria sendo providenciada. "Na sequência, Carmo Name menciona que o gerador seria para atender necessidades particulares de Cláudio Serra Filho em sua propriedade rural”.

Em outro uso indevido de dinheiro público no pagamento de propina para serviços particulares de Serra, o Gecoc identificou que Name envia mensagens a Tiago Basso “para que o servidor agilizasse, por meio da empresa contratada pelo município (empresa Rocamora), a manutenção de aparelho(s) de ar-condicionado na residência de Cláudio Serra Júnior”.

Basso encaminha mensagens a Ricardo Rocamora pedindo equipe para prestar serviços na casa de Serra Filho e enfatiza que o serviço seria acompanhado por Name Júnior. Rocamora questiona sobre qual licitação fraudada seriam emitidas as notas de empenho em favor de sua empresa e é informado que poderia ser a do contrato referente à manutenção do cemitério da cidade, cuja empresa responsável era a JL Serviços Empresariais e Comércio Alimentício Ltda, também parte do esquema de corrupção.

O vínculo de Carmo Name com a Prefeitura de Sidrolândia durou de fevereiro de 2022 a julho de 2023. Ele recebia R$ 3,2 mil como motorista do gabinete do Paço Municipal. O período “bate” com o de Claudinho Serra à frente da Secretaria Municipal de Fazenda, Tributação e Gestão Estratégica de Sidrolândia, que durou entre janeiro de 2022 e maio de 2023, quando assumiu como vereador em Campo Grande.

Há ainda em nome dele o Lava Jato do Turquinho, com página no Instagram com publicações ativas entre janeiro e junho de 2021. O empreendimento estava localizado no bairro Santo Antônio e em imagem postada, Carmo Name aparece lavando até avião.

Entenda - Carmo Name, o vereador Claudinho Serra e outras seis pessoas foram presas nesta quarta-feira (3) alvos de ação contra fraudes em processos licitatórios. Todos são investigados por crimes de fraude em procedimento licitatório, falsidade ideológica, associação criminosa, sonegação fiscal e peculato.

A investigação apontou que a quadrilha criava empresas ou utilizava de pessoas jurídicas já existentes para participação conjunta nos mesmos processos licitatórios "(...) sem, contudo, apresentarem qualquer tipo de experiência, estrutura e capacidade técnica para a execução dos serviços ou fornecimento dos bens contratados com o ente municipal".

A organização criminosa era composta por dois núcleos. O primeiro chefiado por Claudinho Serra, tendo como integrantes servidores públicos. Já o segundo tinha como líderes Ueverton da Silva Macedo, o "Frescura", e o empresário Ricardo José Rocamora, que mantinham empresas vencedoras de praticamente todas as licitações da prefeitura.

Para o Ministério Público se trata de "(...) duradouro esquema de corrupção incrustado na atividade administrativa do município de Sidrolândia, formado por uma organização criminosa constituída de agentes públicos e privados, destinada à obtenção de vantagens ilícitas decorrentes, principalmente, dos crimes de fraude ao caráter competitivo de inúmeros processos licitatórios e desvio de dinheiro público diante da não prestação ou não entrega do produto contratado".

Inicialmente, a investigação chegou até Ueverton da Silva, que exercia papel de gerência sobre diversas empresas que atuavam em licitações no município, em regra de fachada. Com os materiais apreendidos nas primeiras fases da operação, incluindo quebra de sigilo telemático, o Ministério Público concluiu que Claudinho Serra era o real líder do esquema.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias