A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Julho de 2018

24/02/2015 17:55

Assomasul prepara carta à Dilma para reclamar de piso dos professores

Prefeitos também discutiram sobre mudança no Cosip e no ITR

Juliene Katayama
Prefeitos se reuniram na Assomasul para discutir sobre piso dos professores, Cosip e ITR (Foto: Edson Ribeiro/Assomasul)Prefeitos se reuniram na Assomasul para discutir sobre piso dos professores, Cosip e ITR (Foto: Edson Ribeiro/Assomasul)

Depois de reunião com os prefeitos nesta terça-feira (24), a Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) preparou um documento à presidente da República, Dilma Rousseff (PT), contestando o reajuste do piso salarial em 13,01%.

Segundo o presidente da entidade, prefeito de Nova Alvorada do Sul, Juvenal Neto (PSDB), a carta deve ser enviado até amanhã ao CNM (Conselho Nacional dos Municípios) para encaminhar à Presidência da República. “A maior preocupação é em relação ao piso dos professores. Por isso, fizemos a carta”, afirmou.

Neto explicou que a orientação repassada aos prefeitos é que aquele que já cumprem o piso salarial fica livre para decidir sobre o reajuste. Já aqueles que não atingiram a meta, pague o aumento determinado pelo governo federal, desde que não ultrapasse o percentual exigido pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) com a folha de pagamento.

Cosip - Além disso, também foi discutido sobre a ação judicial para alterar a Cosip (Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública) que integra a base de cálculo e aumenta o valor do duodécimo da Câmara Municipal.

“Se mudar vai onerar os cofres dos municípios porque vai ter de tirar de outra fonte”, criticou Neto.

Antes porém, Neto vai conversar com o presidente do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul), Waldir Neves, para reverter reverter a situação. A Corte proferiu o acórdão 148/2013 que orienta que a Cosip deve integrar a base de cálculo para a formação do duodécimo devido as Câmara de Vereadores.

ITR- Outro assunto de gerou discussão foi sobre o convênio entre municípios e Receita Federal para fiscalização e cobrança do ITR (Imposto Territorial Rural). A preocupação é que depois da municipalização do imposto, o cálculo da prefeitura é sobre o valor venal e da Receita é baseada na terra nua. Assim, o descompasso tem deixado os produtores descontentes.

Pelo convênio, a União encarregou a Receita Federal de fiscalizar e atualizar os valores do imposto, mas esta atribuição ficou a cargo das prefeituras por estarem mais próximas dos proprietários rurais.

“Está havendo um conflito de informações porque a prefeitura informa o valor venal para a Receita que considera o valor da terra nua. Como o valor da terra não bate, a receita está mandando notificação”, explicou o presidente da Assomasul.

Piso dos professores é reajustado em 13,01% e passa para R$ 1.917,78
O Ministério da Educação (MEC) informou, há pouco, que o piso salarial do magistério terá aumento de 13,01%. Com o reajuste, o salário inicial passar...
Piso dos professores deve ter reajuste de 7,97%, diz estudo da CNM
O piso nacional dos professores deve ser reajustado em 7,97% a partir deste mês, segundo cálculo divulgado hoje (9) pela Confederação Nacional dos Mu...
Eleições presidenciais já têm cinco candidatos confirmados
No primeiro fim de semana de convenções nacionais, os partidos políticos confirmaram cinco candidatos a presidente da República: Ciro Gomes (PDT), Gu...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions